Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Reflexões para o fim de semana, pela lente de Bruce Davidson

Sábado, 28.05.16

brucedavidsonphoto_2016-05-20_15-15-32.jpg

 

Podemos encarar um fim de semana de chuva como uma oportunidade perdida, uma partida mal humorada de um destino aziago, a desculpa perfeita para lamentarmos mais uma desdita da vida. Podemos também sair à rua e marimbarmo-nos no vento e na chuva e fazermos desses elementos supostamente deprimentes música para os nossos ouvidos. Outras hipóteses passarão por afogarmo-nos em séries e filmes, bons ou maus pouco interessa, desligando o cérebro por entre o óleo das pipocas. Podemos também, de televisão desligada e sorriso largo, rirmos como loucos sem razão e horizonte. Rir porque sim, porque chove ou espreita o sol. Rir absurda e alarvemente. Há quanto tempo não experimentamos esse insano mas puro prazer?

brucedavidsonphoto_2016-05-05_16-18-29.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:17

The sound of silence

Sexta-feira, 27.05.16

  

Theolonius Monk by Herb Snitzer.jpg

 Retrato de Theolonius Monk, por Herb Snitzer

 

Há dias em que o nosso cérebro clama por paz, paz à séria, sem pensamentos simples ou raciocínios complexos, sem dilemas mínimos ou dramas de vida e de morte, o desejo simples e intenso de que o nosso horizonte intelectual se apresente, por um dia, umas horas que sejam, desprovido de impasses tremidos ou convicções inabaláveis. Paz, apenas a paz de quem navega no mar morto sob o sol morno de um qualquer fim de tarde. A acompanhar, porque a nossa fábrica de pensamentos jamais se submeterá à inacção - por muito que nos procuremos forçar a tal - recomenda-se o recurso à música, à sua força surda e avassaladora, substituir o emaranhado da incessante teia de estímulos pelo som que nos entra pelos olhos e nos isola do som que não interessa, nos possui pela alma e nos esgota na entrega completa a essa voluptuosa feitiçaria dos sentidos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 15:38

Emma Hartvig - jovem fotógrafa sueca

Quarta-feira, 25.05.16

  

3.jpg

8.jpg

1.jpg

5.jpg

13.jpg

11.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 16:41

O fiel companheiro

Terça-feira, 24.05.16

  

copo.jpg

 

Beber um copo, ler um livro, saborear um prazer sem sentir o peso das horas, sem nos submetermos à tirania dos ponteiros que nos conduzem à próxima paragem, ao compromisso seguinte. O tempo deveria ser um fiel companheiro que nos permitiria organizar a vida, não o dono e senhor dos nossos dias, horas, minutos, segundos, um tiranete que nos esvazia a liberdade de fazer com o tempo o que dele queremos, como que um túnel que nos suga para o interior de uma ampulheta com paredes de grades. Não sei qual foi o exacto momento em nos sujeitámos a deixar de dispor do nosso tempo para que ele passasse a dispor de nós, sei que esta melancólica submissão, por mais sentidos e utilidades que tenha, não pode ser mais importante que a nossa felicidade. Olhemos para o relógio: ainda vamos a tempo de ser felizes?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:50

O Braga de parabéns e o André nas bocas do mundo

Segunda-feira, 23.05.16

  

braga.jpg

 

O Braga mereceu levar a Taça de Portugal para a cidade dos arcebispos porque jogou melhor, porque soube manter a fé e a coragem depois de ter recebido dois golpes do destino que indiciavam que a derrota do ano passado se iria repetir. Saber contrariar as ironias do destino é uma qualidade que cai bem aos vencedores. Mais que tudo, o Braga merece este troféu porque há alguns anos que busca com sucesso a sua afirmação como grande e estável equipa do futebol nacional, coisa que como sabemos não é fácil fazer, num mundinho onde imperam invariavelmente os 3 grandes de sempre.

 

braga2.jpg

 

Este jogo teve também a curiosidade de recuperar muita da parolice e do maldizer lusitano no que respeita à sua relação com a seleção nacional. Eu próprio, depois de ver o fantástico segundo golo de André Silva no jogo, com um pontapé de bicicleta VanBasteano, me perguntei se Fernando Santos poderia, com argumentos sobejamente justificados perante tal momento de génio do jovem dragão, revogar com efeitos retroactivos e definitivos a convocatória de Éder para a selecção em troca do miúdo André. Pensei nisto não pensando que antes desse momento o talentoso rapaz nada provara para além do seu enorme potencial, nada mostrara (para além dos golos na equipa B do Dragão) que justificassem essa aposta corajosa mas arriscada, sobretudo quando falamos de um jogador sem qualquer tipo de rotinas na equipa principal das quinas. A ponderação é já uma qualidade rara nas cabecinhas dos pensadores lusitanos, mas a coisa piora a olhos vistos quando da nossa selecção se trata. Gostei muito do futebol (não só do golo) do André, mas há que haver calma, senhores. Por outro lado, poderá haver quem diga que quem não arrisca não petisca. Eu, percebendo à distância as opções de Fernando Santos, em nome da estabilidade do grupo e da lógica das coisas, poucas dúvidas tenho que, sobretudo depois deste jogo, poucos deixariam de louvar o nosso Engenheiro das quinas se este tivesse ousado sem olhar para o lado. Ainda olhando por outro ângulo, será que ao levar Éder à selecção, um ponta de lança com um registo de prestações e de golos com a camisola das quinas muito perto do nulo, será que essa não pode ser também considerada uma opção ousada de Fernando Santos? Será que essa confiança depositada no jogador não poderá abaná-lo, convidá-lo à superação? Esperança, portugueses, esperança!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:07

Sobre os limites do eu e o amor sem fronteiras

Domingo, 22.05.16

  

helmut newton.jpg

Fotografia por Helmut Newton

 

Para heterossexuais empedernidos (grupo onde provavelmente me incluo) não é fácil afirmar, sem uma ligeira sombra de preconceito, que está tudo bem, que impera a liberdade de ser e agir acima de tudo, que o respeito pelas opções individuais de cada um estão acima das nossas tantas vezes obtusas convicções individuais. Não é fácil mas é possível, e o caminho para lá faz-se de mãos dadas com o crescimento pessoal, sobretudo naquele importante vector da personalidade que em tantos seres humanos tarda a desenvolver-se e que me atrevo a intitular de “as minhas opções e convicções não são melhores do que as dos restantes, são apenas diferentes”. Olhar para os outros e aceitar as diferenças, sem a crítica proveniente do fundo do “Eu”, não cedendo à tentação do comentário, procurando mesmo encontrar beleza onde não nos reconhecemos. Há tanta beleza para além de nós.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:00

O rebanho

Sexta-feira, 20.05.16

  

John Trent.jpg

  Fotografia por John Trent

 

O olhar baço replicava as suas almas indiferenciadas.

A fuga desesperada da exclusão

do dedo acusatório a quem se afastava do caminho

mimetizou as suas almas e vontades numa paisagem de indistintas cores

de um branco sujo mesclado pelo cinzento do esquecimento

de transparências opacas imunes à luz do sol.

 

O caminho era agora uma infinita linha recta

paralela ao silêncio das almas penadas

uma estranha comunhão entre uma vida sem sentido

e uma morte que não se sente

pois já nada se sente.

 

O olhar resistia sem razão à força surda da ausência de vontades.

Viver era espreitar eternamente a fronteira indistinta do nada que jaz do outro lado do rio.

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 08:13

Lá longe, ao fundo do túnel

Quinta-feira, 19.05.16

  

tete1.jpg

 

Quando a vida é madrasta para aqueles que amamos tendemos a amaldiçoar o Deus em que acreditamos ou ouvimos dizer que existia. Quando os alvos do esquecimento divino reúnem em si, além do nosso amor, a nossa convicção de que melhores pessoas não existirão à face da terra, desistimos de esconjurar os entes sobrenaturais e simplesmente entregamo-nos à descrença. Alguns, provavelmente os eleitos, procuram acreditar que por detrás de um grande mal se refugia um bem maior, sob o denso nevoeiro de um plano ardilosamente arquitectado. Eu, confesso que me limito a ficar triste, entregue à minha silenciosa impotência quando a minha potência nada pode mudar, e rezo, rezo como não rezo no resto dos meus dias. É uma oração oportunista, reconheço, mas nada peço para mim, só para os outros. Força A., as minhas preces estão contigo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 00:01

A man...

Quarta-feira, 18.05.16

  

man.jpg

 

…e, por mais que beba, por muito que ria, por todos os olhares cruzados com que rasgue o fumo e o barulho das luzes de mais aquele bar, no fundo, bem lá no fundo, o cheiro que lhe invade os sentidos não é o dos cigarros misturados com suor nem o do perfume exagerado de mulheres desesperadas. O aroma que não o deixa entregar-se por inteiro à volúpia dos sentimentos e das sensações fáceis é o do café que ela faz pela manhã, do cheiro da sua pele devolvido pela brisa que vem da janela, o cheiro a carne doce e bem amada, o cheiro ao amor que se fez e que nunca se esquece, por mais bares em que se entre, por mais erros que se cometam. Se há certeza que um homem que já amou verdadeiramente tem é que nenhuma outra mulher terá para ele o significado da tal, não mais o cheiro do café acabado de fazer deixará de ser o do café que ela bebia à janela, a sobremesa perfeita depois de uma noite de amor.

 

man2.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:28

Uma noite em Lisboa

Terça-feira, 17.05.16

  

noite-em-lisboa[1].jpg

 

A literatura de aeroporto tende a ser associada a literatura de nível duvidoso, aquela que compramos à pressa para passar o tempo e que esperamos não reúna qualidades que nos desgastem demasiado as meninges. Não foi disso que fui em busca quando comprei o livro "Uma noite em Lisboa", perdido numa estante da Fnac do aeroporto da Portela, mas também não procurava nenhum tratado sobre a condição humana. O título despertou-me a atenção, a curta descrição que a badana fez do autor, o alemão Erich Maria Remarque, que humildemente confesso nunca ter lido, fez-me sacar a nota do bolso. Introduz a badana que o autor "Nasceu a 22 de Junho de 1898 para se vir a tornar num dos mais importantes escritores do século  XX. Banido pelos nazis por ser alegadamente descendente de judeus franceses, viu os seus livros serem atirados para a fogueira e foi exilado em 1933 sob acusação de fazer propaganda contra o nacionalismo alemão".

Não sei se o autor foi um grande escritor do século passado (bom, do que já li posso afirmar que não envergonha os melhores), sei que alguém que foi inimigo do nazismo e a ele sobreviveu deve valer a pena ler. Pelo menos, como eu,  apaixonou-se por Lisboa:

 

erich.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:52





mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

pesquisar

Pesquisar no Blog