Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


A história da donzela que boiava por entre primitivos mamutes

Quinta-feira, 11.02.16

  

decote.jpg

 

Recordo-me de uma amiga que não raras vezes se lamentava de ter um peito demasiado imponente, que é como quem diz, em linguagem masculina, sexy, desejável, praticamente irresistível. Dizia-me ela que irritava-a que 99% dos homens estacassem quando ela passava para a contemplar, não pelo seu andar elegante, pelo seu palminho de cara ou pela elegância do seu vestido, mas sim por causa daquele irritante par de boias que temerariamente desafiavam a gravidade e a contenção masculina. Eu ria-me e dizia que tal não devia ser motivo de irritação mas sim de orgulho. Ela perguntava-me o porquê desta avidez dos homens por seios e eu respondia, desviando o olhar e fazendo-me de eunuco, que todos os homens têm, inconscientemente, saudades dos áureos tempos em que a sobrevivência lhes era concedida pelo colo da sua mãe. Ela sorria, dava-me uma palmada pela parvoíce (será?) e seguia o seu caminho, sob os olhares extasiados desses mamutes sexuais que dão pelo nome de homens. Lamento não lhe ter dito que o que ela tinha que fazer era concentrar-se no 1% que restava, que não ligava peva aos seus seios, mas que se ria das suas piadas tolas ou que permanecia em silêncio bebendo as suas palavras. Provavelmente esse 1% não existe verdadeiramente, mas creio que é merecedor de crédito quem tão brilhantemente omite o seu desejo em prol da virtude, mesmo que de forma forçada, ou, melhor ainda, em benefício do amor puro e duro. Tenham fé, meninas, eles, mesmo que escondidos, andam por aí.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 23:41

A mosca

Quinta-feira, 11.02.16

  

desvendar pq um tipo pode ser teimoso que nem uma

 

A falta de tempo leva-me a deixar por aqui estas inspiradoras e perfeitinhas frases inatacáveis. Depois, lembro-me da falta de tempo e das voltas que a vida dá e rio-me por pensar quão bom seria poder cumprir os desígnios destas sábias palavras. Como dizia o outro, rio para não chorar. Podia passar o resto da vida a pensar nas mil e uma razões porque não consegui perseguir este ou aquele sonho, ou podia também passar os dias a persegui-los, mas acabo por conceder que observar a mosca que rodopia sem parar, acompanhar aqueles movimentos tresloucados, quanto muito pensar porque se agitam incessantemente aquelas frágeis asas, é tudo quanto um tipo sem tempo e disponibilidade mental para passar a vida a perseguir moinhos reais ou imaginários é capaz nos dias que correm. Raio da mosca que parece enlouquecida!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:47

Café da manhã - de preto, nunca me comprometo

Quarta-feira, 10.02.16

 

carleenlaronn_2016-01-07_01-57-47.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:27

É Carnaval, ninguém leva a mal

Terça-feira, 09.02.16

  

p0.jpg

 

Prometi a mim mesmo que não iria criticar o nosso querido luso Carnaval, o que era já um clássico do entrudo do Bolas e Letras. Porque a chuva não pode fazer esmorecer a alegria, porque o frio não manda nisto, porque se olharmos bem para o que se vê pelas ruas das nossas carnavaleiras cidades podemos até descobrir laivos de puro divertimento, muita imaginação e espírito criativo e, claro, não podia deixar de ser, a já clássica sensualidade luso-carnavalesca. Cantam-se loas ao Carnaval brasileiro, mas ninguém aponta o dedo ao excesso de gente desnudada, à vulgaridade e à inegável exploração da mulher enquanto mero pedaço de carne. Fiquem então com algumas belas imagens do nosso encantador e tradicional Carnaval, logo seguidas de outros vergonhosos retratos do lado de lá do oceano. Se há momento em que se pode aplicar com propriedade o ditado “Vá ao diabo e escolha”, este é um deles. Como dizia o bom do saudoso Diácono Remédios, “não habia nexexidade”.

  

p4.jpg

p7.jpg

p8.jpg

p9.jpg

 

b7.jpg

 b1.jpg

b3.jpg

b4.jpg

b5.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 08:45

American sniper

Segunda-feira, 08.02.16

american-sniper-movie-hd-wallpaper[1].jpg

 

American sniper de Clint Eastwood tem tudo para ser um clássico cliché dos filmes americanos de guerra e não deixa de o ser, porque tudo o que é tratado e repetido até à exaustão o é, porque a vida e a arte que a imita mais não é que um saco cheio de clichés amontados. O cliché é o horror da guerra, o impacto que isso tem para as famílias dos que vão atuar nesse teatro de morte, o trauma pós-guerra desses atores e novamente o impacto que tem nas famílias essa destruída/destrutiva nova pessoa que encarnou num novo espírito, a mais perfeita transformação de um actor. O filme tem tudo isso, mas Clint Eastwood teve o génio de tornar a glorificação de um soldado americano que se tornou um mito na guerra do Iraque em algo mais. Bradley Cooper regressa a casa, para os filhos e a mulher que indubitavelmente ama, mas nunca regressa de facto, o que faz com que por quatro vezes regresse ao Iraque. The legend, como lhe chamam, aquele que matou dezenas de iraquianos para proteger os seus compatriotas, sentia que, como um Deus, podia evitar as mortes dos seus irmãos de armas e de sangue. Amava a família mas sentia que algo maior lhe estava destinado, que regressar à América era abandonar à sua sorte aqueles que tinha o dom de poder salvar. Geralmente o cliché aponta para a dor por estar longe de casa, o sofrimento dos soldados, o regresso ansiado e manchado pelos infinitos traumas da guerra. Eastwood deu esta volta ao enredo e saiu-se bem. Bradley Cooper só redescobre a paz quando, de regresso a solo americano, consegue ajudar veteranos de guerra a atenuarem as suas dores. Antes disso, era como um médico que negligencia a família porque sente que a sua missão é salvar muitas outras, como um cineasta que aos oitenta anos, depois de produzir dezenas de filmes ainda sente que pode mudar a perceção do mundo, aperfeiçoar a arte mais e mais. Como um D. Juan que ama a sua mulher mas que sente que pode dar felicidade a tantas mais mulheres. Nada é preto, nada é branco, o que a milhares de olhos é errado pode criar tanto bem a milhares de outros. Não há mal e bem absolutos, tudo é relativo, tudo depende da perspectiva de quem perde o bem ou de quem dele usufrui.

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:07

É o melhor remédio

Sábado, 06.02.16

  

Wayne Miller_cinema 1958.jpg

 Crianças no cinema em 1958 - fotografia por Wayne Miller

 

Se há coisa que me preocupa é olhar para uma criança e vê-la demasiado séria, passar horas em que uma gargalhada não explode do seu coração para a boca, iluminando o mundo com esse raio de sol. As crianças foram feitas para rir, por tudo e por nada, para rejubilarem com todos os pormenores do mundo, com todas as piadas tolas dos pais, com as brincadeiras mais simples, com a chuva que cai ou com o calor do sol. Temos demasiado tempo para enclausurarmos os dentes, deixemos as nossas crianças rir, façamos por isso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 23:54

Hristo Cristo Stoichkov vs Johan Deus Cruyff

Sábado, 06.02.16

  

hristo.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 08:40

Bellucci, Monica Bellucci

Sexta-feira, 05.02.16

 

Monica Bellucci.jpg

 

Porque hoje é sexta-feira não vou puxar pelas minhas meninges nem pelas vossas, vou só apreciar como fica bem aqui a Monica, neste fundo escuro e cru, nesta casa modesta mas que muito aprecia o fogo controlado que dela emana. A expressão desta diva, o que nos diz? Força ou fraqueza? Segurança ou incerteza? Amor ou ódio? O que esconde o écran, o que não revela da mulher de carne e osso? Deixemo-la elucidar-nos enquanto mergulhamos os sentidos na complexidade inigualável da sua beleza: “I like to do on screen what I´m not in life. In life, I´m much more weak and insecure, and so then you know I like to play characters that are stronger than me”.
 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:22

Terapia

Quinta-feira, 04.02.16

   

terapia.jpg

 

Os portugueses precisam de olhar para si e perceber o que os novos tempos lhes trazem. As angústias hoje são outras, os estados depressivos alastram como um vírus imbatível. Há quem fale, há quem chore, mas desconfio que a maioria esconde a dor de sofrer sem sequer perceber porquê. A RTP, conduzida pela mão sabedora de Virgílio Castelo, teve a excelente ideia e correu o risco de levantar o véu sobre essa dor, os seus ínvios caminhos, sobre um possível tratamento/alívio da mesma. Não falo da terapia, falo de deitar cá para fora, de falar. Por mais de uma vez disse a pessoas que se afundavam nesse nevoeiro de sentimentos que, caso não quisessem falar com um profissional, que escolhessem um amigo, um bom ouvinte, para falarem, para deitarem cá para fora, para chorarem. Como diz e bem o bom do Virgílio, é na dor que crescemos, mas se queremos ser felizes precisamos de afectos, de gente na nossa vida.

 

“O que fazemos de mais importante é nascer e morrer, e aí estamos sozinhos. (…) Há uma rede que se vai criando, porque fazer isto tudo é uma trabalheira enorme e não tem metade da graça. Mas quando olhamos para trás e pensamos na nossa vida, apercebemo-nos que é sempre na dor que crescemos. E nesses momentos, mais uma vez, estamos sozinhos. Tudo o que é estrutural na vida é feito sozinho, mas de facto aquilo que a física quântica está a provar agora é que podemos estar sozinhos mas fazemos parte do mesmo processo e não há energia que um de nós desencadeie que não tenha uma resposta do outro lado. E por isso essa rede de afectos que vamos construindo ao longo da vida é natural. Como diz a canção brasileira, “ninguém é feliz sozinho”.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:02

Café da manhã - first things first

Terça-feira, 02.02.16

 

44.jpg

 

first.png

 

17.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:24





mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

pesquisar

Pesquisar no Blog