Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


"Control", por Pawel Kuczynski

Sexta-feira, 29.07.16

   

Control, por Pawel Kuczynski.jpg

 

Não, não vou escrever sobre a febre dos Pokemons. Já escrevo sobre demasiadas parvoeiras, não vou alimentar mais esta doença de gente que parece cada vez mais doente, sem rumo, sem identidade, sem sentido do ridículo, sem capacidade de disfrutar a vida, a vida real. Depois das séries, dos joguinhos eletrónicos, da ditadura dos smartphones, da facebookodependência, de uma catadupa de ficções que parecem existir apenas para esvaziar a vida e o contacto humano, vem esta atrasadice mental da caça ao cabrão do Pikachu and friends. Não, não vou escrever mais sobre isto, a vida que dança nas palavras não merece que a assassine com este não tema.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 06:57

E a música do Verão é..."Atirem-me água fria!"

Quinta-feira, 28.07.16

6.jpg

  5.jpg

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 08:41

Run baby, run (but please, leave your smartphone home)

Quarta-feira, 27.07.16

  

run baby, run.jpg

 

Uma amiga, certamente inspirada pelo azul do mar, partilhou, no infinito azul do universo facebookiano, esta pequena pérola sobre a ambiguidade da natureza humana. Há reflexões que não se devem sujeitar a profundas análises, são elas próprias um exaustivo tratado sobre tudo o que há para analisar em nós e na nossa brilhante e absurda duplicidade. Disfrutem.

 

“Deturpando ligeiramente as palavras de Obélix: Estes humanos são loucos. Compramos CDs com o som das ondas para ouvir em casa, e vamos para a praia ouvir kizomba, pop e fado. Temos no ambiente de trabalho imagens de praias paradisíacas, e estamos nas praias paradisíacas a olhar para o monitor do tablet ou iPhone. Ansiamos por mais e mais "conexões" e não nos conectamos a nada nem ninguém.

 

Décadas se passaram e continuamos a cantar “Só estou bem onde não estou” e “I can´t get no satisfaction”. Podes mudar a playlist, sabes? (Mas, por favor, não a leves para a praia).

 

P.S. – Não fossemos nós seres contraditórios, seria estranho eu estar a escrever tudo isto no meu smartphone…em frente ao mar.”

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:33

Summer shoes, winter dreams

Terça-feira, 26.07.16

  

40.jpg  14.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:20

Staying out, dreaming to come in (summer dreams)

Segunda-feira, 25.07.16

   

50.jpg

 

O calor sufocante cá fora. O calor irresistível lá dentro. A indecisão, o medo, a excitação de pisar o risco, a irresistível atracção do desconhecido, os preconceitos, o “estou-me a cagar para tudo eu quero é viver”. A canícula inclemente que turvava a decisão, as pernas que fraquejavam e o resto do corpo que ansiava outro corpo. O sol a queimar a chapa do carro e a incendiar o desejo. A lareira da luxúria a arder em lume nada brando. A certeza de que ao consumar do desejo se seguiria o inevitável arrependimento, minutos de prazer inigualável esmagados pelo inefável peso da culpa. Ele no banco de trás a sorrir como se nada daquilo que se passava dentro dela fosse da sua responsabilidade, como se aquele turbilhão que a agitava fossem meras minudências femininas. Esperava apenas, calma e passivamente, como se nunca tivesse duvidado para onde iria pender a balança. A confiante arrogância que lhe dançava nos lábios fazia com que o odiasse intensamente e, contudo, desejava mais do que nunca sugar-lhe os lábios até não mais sentir o sol, o frio, o medo, a excitação, nada, ansiava apenas desaparecer naquele momento, naquele beijo.

 

13.jpg

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:22

A tempestade

Sexta-feira, 22.07.16

  

tempestade.jpg

 

Ribombam os trovões lá fora e revolvem-se as entranhas cá dentro. O céu de um cinzento violento confunde-se com o negro que abala a alma, o mar encrespado é irmão do sangue que corre turbulento nas veias doridas. A tempestade é a mãe de todas as mudanças. Sabe-se que as rochas que ontem brilhavam sobre o perfeito tapete de areia cederão perante os humores das vagas que chicotearão, impiedosamente, a desprotegida praia. Não se duvida que o ciclone de emoções que lhe atearam o sangue e lhe enregelaram o corpo não mais permitirão que volte a ser a mesma mulher inocente e de sorriso fácil. Não há mães perfeitas, nem todas as mudanças serão para melhor.

 

tempestade interior.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:13

O Verão é muito isto (ou devia ser)

Quinta-feira, 21.07.16

  

summer.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:13

Da amizade e do vinho

Quarta-feira, 20.07.16

  

0.jpg

 

Ontem foi dia de rever amigos de sempre, de convívio, de orgia gastronómico-vínica com um dos maiores sabedores de vinho do país. A desconfiança que já tinha de que os vinhos portugueses estão hoje por hoje num patamar de qualidade fantástico foi mais do que confirmada por provas inesquecíveis de néctares lusitanos. Apesar da paixão pelo que é nosso, tão único e brilhante, houve ainda espaço para provar alguns néctares dos finalistas derrotados do Euro 2016 e até para beber uma bela pomada proveniente da China. Os pratos que acompanharam o repasto proporcionaram ligações harmoniosas e inesquecíveis, mas o fio condutor de toda esta experiência única, que dá sentido a tudo e que tornará este repasto eterno nas nossas memórias é a amizade sem limites, imune a distâncias longínquas e a tudo o mais. Obrigado amigo B., volta sempre que cá estaremos para te acompanhar nestes penosos trabalhos que carregas sobre os ombros!

 

1.jpg

 

 

2.jpg

 

3.jpg

 

4.jpg

 

5.jpg

 

6.jpg

 

7.jpg

 

8.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 14:16

Always the sun

Sábado, 16.07.16

  

verão longe do mar_Robin de Puy.jpg

 

Chega de bola e regressemos ao Verão. Epá, espera aí, onde está o sol, o mar e os corpos esculturais? É verdade, é uma triste realidade que assola uma parcela deserdada da humanidade. Diz que há quem passe o Verão longe do mar, quem não busque a espuma dos oceanos, quem despreze a sensação única da areia molhada. Há quem diga que é uma bênção existirem gostos para tudo, até porque em caso contrário a nossa costa tombaria, com o peso de tanta procura, para o fundo do mar. Concordo, meus amigos, o prazer do Verão pode estar no fumo de um cigarro que nos aquece por entre dois golos de cerveja choca. Os corpos negligenciados e pouco dados a músculos luzidios e tezes bronzeadas são também filhos de Deus e têm direito à vida, mesmo que escondidos do sol e alérgicos ao astro rei e ao sal do oceano. Quantos Verões não haverá por aí envergonhados, orgulhosamente encabulados e sequiosos de vulgaridade, de calma excessiva, alheios à agitação que dizem ser a mãe de todos os Verões? Uma cerveja choca sabe pior que uma cintilante caipirinha sob a inclemência do sol à beira-mar? A vida com menos brilho e com a pele translúcida tem uma cotação inferior no mercado da felicidade? Quantos sorrisos amarelos se escondem espraiados em toalhas garridas sobre a areia? Quantos pensamentos mórbidos se enterram em cada mergulho refrescante? Este é o tipo de reflexão de quem já se estendeu demasiadas horas ao sol ou, por outro lado, de quem sofre de gravíssima síndrome de ausência de horas ininterruptas exposto à canícula da grande bola de fogo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 15:13

Que mundo é este? Que Europa terá de ser a nossa para o enfrentar?

Sexta-feira, 15.07.16

 

nice.jpg

 

Quanto mal será preciso suportar no coração para matar dezenas de inocentes sem um piscar de olhos? Quanto ódio será necessário sentir a uma parcela da humanidade, a um conjunto de valores, a um estilo de vida e de civilização para chacinar impiedosamente pessoas inocentes e crianças? Sabemos que uma sociedade nunca será 100% segura, mas no nosso “mundinho”, na nossa cidade, nos nossos aeroportos, nos nossos estádios, nas nossas casas de espectáculo, no nosso bairro, não era assim que vivíamos há uns anos, a espreitar por cima do ombro, a tentar perceber o que se esconde por detrás daquela cor de pele mais escura ou daquele turbante. Provavelmente nós, portugueses, ainda não vivemos assim neste quase paraíso de segurança, mas vivem os nossos vizinhos e nós quando viajamos. Algo mudou, algo vai ter que mudar e o mundo como hoje o conhecemos não mais será o mesmo. Sabíamos que um dia atingiríamos o limite. Não gosto da política do olho por olho, dente por dente, porque quase sempre isso nos faz descer ao nível que verberamos. Mas algo vai ter que mudar. Deixo aqui este duro texto do Rui Ramos, para início de reflexão:

 

Haverá um momento em que já não chegarão os lugares comuns, a começar pelo mais cansado de todos: o apelo para não fazermos o “jogo dos terroristas”. Haverá um momento em que as vigílias e demais cerimónias do “Je suis” consolarão cada vez menos gente. Haverá um momento em que já quase ninguém terá paciência para mais um exercício de auto-flagelação a propósito da guerra do Iraque de 2003 ou do acolhimento dos imigrantes. Nesse momento, a vida nas sociedades ocidentais, tal como nos habituámos a ela, estará comprometida. Não será possível manter os padrões actuais de liberdade, tolerância e pluralismo numa sociedade sacudida por matanças regulares de cidadãos.”

O texto completo em: http://observador.pt/opiniao/esta-europa-pode-acabar-em-nice/

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:12





mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D

pesquisar

Pesquisar no Blog