Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O tempo do fim do tempo

Quarta-feira, 30.11.16

IMG_20161129_140946.jpg

 

Querer ter tempo para escrever e não o ter. Desejar uma tarde sem a pressão dos ponteiros, só para contemplar o rio, a calma enervante de um pescador sem horas, mergulhar nas horas sem tempo, sem princípio e sem fim. Uma suave sensação de paz, instigadora de sorrisos de amena felicidade. Nada mais que isso, apenas isso. É preciso tão pouco.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 08:46

Aparvalhar

Sexta-feira, 25.11.16

  

z_tea for three_Dr. Jekyll and Mr. Hyde.jpg

 

Começar o dia com algo completamente diferente, a dizer frases sem sentido, a trocar larachas com gente de um universo paralelo. Deveríamos ter um dia no ano, no mês, na semana (consoante a capacidade de aparvalhamento de cada um) para mandar o bom senso e o juízo às malvas e falar sem pensar, rir sem conseguir parar, amar sem medo da dor. Não há nada mais inteligente do que fazer de parvo de quando em vez. Vejam lá isso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 08:48

Coisas que pessoas real e originalmente especiais demasiadas vezes se esquecem

Quarta-feira, 23.11.16

  

z_tete.png

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:40

A cidade onde o café melhor sabe

Terça-feira, 22.11.16

  

42.jpg

 

Não conheço o livro, não conheço a Marina, mas conheço bem o prazer de beber cafés pelos cafés de Lisboa. Esplanadas, estabelecimentos clássicos, tascas, botequins de bairro, quiosques sob a sombra de frondosas árvores, o sabor único dos grãos nem doces nem amargos, o cheiro que nos acorda antes sequer de as papilas se deixarem acordar pelo estímulo da cafeína. Há milhares de coisas mal neste país, mas começar o dia com um café num qualquer café desta cidade única dá-nos força para derrubar, desde logo, umas centenas de entraves e tornar o dia em algo prometedor. Não sou apologista que o café se beba em casa, no conforto artificial de uma qualquer máquina Nespresso. Mas, se tiver que ser, e nunca esquecer que o que tem que ser tem muita força, que o façam por uma boa razão, grão a grão…

 

grao a grao.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:05

A falta de tempo, a Irina, a Laetitia...

Segunda-feira, 21.11.16

 

Z_Irina Shayk_Nico Bustos.jpg

 

Sim, voltou o tempo em que não há tempo para escrever, refletir e afins. Quando o tempo escasseia a vida perde alguma beleza, porque quase sempre a falta de tempo deriva de situações pouco dadas às belezas do mundo e da humanidade. Quando assim é nada como recorrer à beleza. Não há tempo, mas há felizmente a Irina, a Laetitia, and so on and so on...podemos não ter tempo, mas convém manter a pestana aberta, minhas queridas amigas e meus diletos amigos.

 

z_laetitia casta.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:48

Pero que las hay, hay...

Sexta-feira, 18.11.16

 

z_witch.jpg

 

As aparências iludem, dizia um qualquer monsieur de Lapalice. Dizia-me um amigo no outro dia que não conseguia perceber como é que aquela moça tão gira, com um sorriso tão vibrante, com um corpo majestoso que estava mesmo a pedir cuidados variados e dedicados, consagrava tanto do seu tempo àquelas coisas dos misticismos, do auto-conhecimento, da crença em coisas que pareciam só existir em universos paralelos que a ele só lhe pareciam bruxarias. Quanto mais ele falava da moça mais eu percebia que ele estava tão apaixonado como assustado pelo facto de estar tão apaixonado por uma pessoa tão diferente do que se considerava. Não lhe quis dizer isso, mas não resisti em dizer-lhe: “Homem, tem calma, olha que há bruxas boas e que há fadas que nem meia f...da merecem, de tão bruxas que são”! Muaaahhhhhh

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 12:23

Reflexão para meio da semana

Quarta-feira, 16.11.16

 

z_hailey clauson.jpg

 

z_naked.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 08:46

Tempos estúpidos

Terça-feira, 15.11.16

 

z_yoko.jpg

 

A Yoko Ono, que não deve ser parva de todo, pôs-me a pensar em cenas da vida quotidiana que têm tendência para um preocupante recrudescimento. Falo das crianças que devoram séries, programas, tardes de café com adultos e afins e que, naturalmente, reproduzem todo esse manancial de prejudicial informação para a sua natureza, a sua inocência, manifestando comportamentos desviantes do que deve ser uma criança, tristemente refletidos em défice de sorrisos e de desbragadas brincadeiras, submersas que estão em falas de adultos, em dramas de adolescentes que brilham nos néons da televisão lá de casa que passou a ser a sua melhor amiga, a sua mãe ou o seu pai com falta de tempo. 

Em contraponto, temos os adultos que não conseguem soltar as amarras da doce juventude, tudo fazendo para eternizar esses tempos, esses hábitos, essa confortável ausência de responsabilidade, de horários, de amarras, vivendo numa incessante corrida contra o relógio do tic tac assustador, como se temessem adormecer um dia de fato e gravata e não mais pudessem passar a noite de bar em bar, de engate em engate, de biscate em biscate. Vivemos tempos em que o que somos ou o que temos nunca nos preenche, nunca é o que se quer ou se sonha, como se estarmos bem connosco ou com a nossa vida fosse um frágil sinal de comodismo, de falta de ambição. Vivemos tempos estúpidos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:13

Os cus de Judas (e as nádegas fofas das criadas)

Segunda-feira, 14.11.16

 

z_lobo.png

 

A tropa há-de torná-lo um homem, os homens que o antecederam e foram à tropa nunca deixarão de ser miúdos traquinas, as mulheres desses homens fingem que o mundo é perfeito e que esses a quem chamam seus homens não são a encarnação de pequenos e eternos diabretes. Lobo Antunes entremeia por entre frases complexas e reflexões tantas vezes demasiado profundas um humor de filigrana, que se descobre nas palavras dançantes e nos retratos pintados a lápis de cores da infância, como se hesitasse entre a maturidade inatacável e a tentação pela rebeldia juvenil. Não sei se tal será propositado – pretendendo o autor tudo abarcar, tudo ser, nada deixar por explorar – ou se Lobo Antunes não será mesmo tudo isso, um furacão de maturidades e ingenuidades, um turbilhão de sentenças circunspectas e de gargalhadas alarves. Tudo isto é Lobo Antunes, tudo isto atrai e afasta os que o adoram e odeiam, tudo isto é a cola que une os cacos de um escritor genial e – muito por esse excesso de genialidade – inacessível.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:43

Obrigado Leonard - Dance me to the end of love

Sexta-feira, 11.11.16

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:02


Pág. 1/2





mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

pesquisar

Pesquisar no Blog