Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Quem guarda os nossos guardas?

Terça-feira, 11.07.17

  

z_guarda.jpg

   

Os 18 (18!!!) agentes de uma esquadra da PSP de Alfragide, todos os agentes dessa esquadra (todos!!!) foram acusados pelo Ministério Público, entre outros crimes, pela prática de crimes de tortura e racismo contra alguns jovens de etnia africana. Independentemente da punição exemplar, disciplinar e criminal, que venha a ser aplicada a estes elementos - caso as acusações venham a provar-se em sede de julgamento, claro está - é preciso, por uma vez, irmos mais longe. Quem, como, com que critérios são recrutados os agentes de autoridade que confiamos defenderão as nossas vidas e bens e a segurança dos nossos filhos? Estes 18 agentes de autoridade (custa tanto escrever isto, considerar que esta gente é agente de alguma coisa, quanto mais de autoridade) são sujeitos a que provas que comprovem a sua honorabilidade, humanidade, educação, etc. e tal, para o exercício de uma das missões mais nobres do Estado? Ou importará apenas a sua destreza física e conhecimentos técnicos? Quem são os responsáveis máximos por validar os critérios e regras que regulam o recrutamento desta gente? Quem permitiu esta desbunda total? Por uma vez, foquemo-nos nas questões por trás das questões imediatas e retiremos consequências sérias de mais uma vergonha nacional. O que é demais é demais.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 14:42

Tancos - apelo ao optimismo da nação ou quando a desgraça pode ser uma oportunidade

Quinta-feira, 06.07.17

  

10.jpg

 

Somos um povo pessimista como o raio! Mas por que diabo é que um roubozito de umas armas, granadas, explosivos e afins tem obrigatoriamente que ser visto como uma desgraça épica, uma ameaça à segurança nacional ou uma fonte de alimento para os filhos da mãe dos terroristas? Porque não equacionamos nós a hipótese deste material letal ter sido desviado para fins lúdicos, artísticos ou cénicos? Meus amigos, sejamos optimistas e coloquemos a hipótese deste maléfico arsenal ter caído em boas mãos e melhores corpos. O exército da beleza poderá ter escrito direito por linhas tortas!

  

11.jpg

 

12.jpg

 

13.jpg

 

14.jpg

 

15.jpg

 

16.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:43

Pátria que nos pariu

Sexta-feira, 23.06.17

 

z_port.JPG

 

Não sou um tipo que aprecie dizer alho por dá cá aquela palha, mas sempre concordei que por vezes só com uma boa dose de alho se conseguem vincar determinadas ideias e fazer ouvir a nossa voz. Um amigo de um amigo no facebook opinou, como podem ler mais em baixo, sobre o estado do território, utilizando sempre o vernáculo da “f word” para se fazer ouvir. É ordinário? Talvez, mas acho muito mais ordinário tanta asneira que se fez com um dos mais belos territórios do mundo.

 

"Como foder o território de um país em 100 anos para totós: Primeiro veio o Salazar e fodeu o Alentejo todo com a ideia do "celeiro de Portugal". Depois vieram os Jotas Pimentas e foderam o Algarve todo com a construção de merda sem ordenamento. Não satisfeitos fizeram a mesma coisa à volta de Lisboa. Depois vieram os emigras e foderam as aldeias todas, os que ficaram que não queriam ficar atrás foderam o resto e o que sobrou os autarcas acabaram de foder. A seguir vieram as empresas de pasta de papel e foderam tudo entre o Douro e o Tejo. A seguir vai chegar a regionalização e vai acabar por foder as reservas naturais protegidas e tudo o que ainda resta."

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:42

Pedrogão Grande

Domingo, 18.06.17

IMG_20170618_212801.jpg

 

Dor incomensurável. A morte a tomar nos seus braços gente simples, crianças, o terror que só pensávamos existir em filmes de países distantes. Os bombeiros e a GNR a salvar muito mais vidas ainda do que as que se perderam. A dor e a solidariedade de um país impotente. Um Secretário de Estado da Administração interna de carne e osso, humano, calmo por entre o caos, emocionado mas a manter a razão. A natureza em toda a sua fúria. E no entanto sabemos há anos que há muito para prevenir, para atenuar essa força destruidora dos elementos. Os milhares de terrenos privados e os milhares de km de florestas por limpar. O excesso assassino da cultura do pinheiro e do eucalipto. Ainda assim, um presidente omnipresente, humano e solidário a sentenciar que nada mais podia ser feito. Podia sim, mas o elogio aos que ontem e hoje tanto lutaram trouxe-lhe aquelas palavras da alma dorida à boca, ao microfone de jornalistas vorazes. Jornalistas, alguns contidos e humanos, demasiados em busca do sangue e do sensacionalismo do desespero. Choremos os mortos e ajudemos os vivos. E não nos esqueçamos do tanto que ainda pode ser feito para não vivermos mais infernos desta dimensão.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 21:30

Da série "coisas que o pequeno holandês parece não apreciar"

Quarta-feira, 22.03.17

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:12

Isto é uma capa

Sábado, 04.02.17

FB_IMG_1486207687874.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 14:53

A casa de Vinicius e a Nação de Donald

Quarta-feira, 01.02.17

  

z_nação por terra 2.jpg

 

Era uma nação

muito engraçada

não tinha juízo

não tinha nada

ninguém podia

entrar nela, não

porque o Donald

não dava a mão

 

Ninguém podia

viver o sonho

porque a América

vive um pesadelo medonho

ninguém podia

fazer pipi

porque o Donald

é quem manda ali

 

Mas era feita

com muito jeito

a morte lenta

desse amor perfeito.

 

z_nação por terra.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 12:01

Retrato gourmet de porco pós-moderno em cama de nação abananada

Domingo, 29.01.17

IMG_20170129_092438.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:19

S-U-C-K-E-R-S!

Quinta-feira, 26.01.17

 

z_trump2.jpg

 

Suckers, idiotas, arrogantes, cegos, ingénuos. Não os que votaram em Trump, mas sim os que se recusaram a ler os sinais de insatisfação do povo, os que juraram a pés juntos que tamanha besta nunca poderia chegar a presidente da maior potência mundial. Idiotas os que nada fizeram para mudar as causas do descontentamento das pessoas, arrogantes os que julgaram que as pessoas se conformariam ao pouco que os de sempre tinham para lhes dar, cegos os que não quiseram ver os sinais claros de que a vontade de mudança fervilhava, ingénuos os que se julgaram infalíveis. A culpa não é de Trump, é de quem fez com que ele fosse lá colocado! E quem contribuiu para isso fomos todos nós, meus amigos, todos nós que em nada contribuímos para que todos nós vivêssemos um bocadinho melhor.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:03

Dias desgraçados

Sexta-feira, 20.01.17

  

z_trump.jpg

 

O melhor cronista português, Ferreira Fernandes, a escrever sobre o quão injusto pode ser o mundo e maus os homens. Sobre Trump e os dias desgraçados que escolhemos viver. Tão belo e tão triste.

 

“Um dia, vi um homem parar um carro pobre, numa estrada de terra vermelha, à entrada de uma ponte. Sobre um pilar estava uma bacia de esmalte rachado e nela laranjas pequenas. "Quanto?", perguntou o homem com uma camisa modesta. O miúdo negro disse: "Dois angolares." Sem outra palavra, o homem abriu a mala do carro. O miúdo fez rolar as laranjas na mala. O homem pôs na palma da mão estendida uma moeda de cinco tostões, um quarto do preço pedido. O miúdo nem esboçou um protesto, ficou na berma a ver o carro partir e a sentir a poeira assentar.

 

Um dia, li um camponês russo a falar com um dos irmão Karamazov. Tudo no camponês era subserviência. E tinha o filho ao lado. O Karamazov não bateu, esmurrou ou pontapeou o camponês - gestos brutos que poderiam ter passado por luta violenta. Esbofeteou-o, com pancada seca e calma, de quem sabe que nunca teria reação. Nada doeu mais do que o filho ao lado.

 

Um dia, na ala militar do aeroporto de Bogotá, estive na conferência de imprensa dada pelo embaixador americano. Ele falou sobre a luta contra os narcotraficantes e a esperança de apanhar em breve Pablo Escobar, o capo de Medellín. Depois, o embaixador disse que tinha mais declarações a fazer mas essas eram para os americanos e os da imprensa estrangeira. Os jornalistas colombianos saíram, cabisbaixos, expulsos em sua casa.

 

Um dia, entrevistei um líder guerrilheiro, num jango, enorme cubata circular. O líder esperava--me ao fundo, e as paredes do jango estavam cheias de dirigentes guerrilheiros e conselheiros do líder. Ao entrar, reparei, nunca soube porquê, num jovem de barba escassa e casacão escuro (era cacimbo, inverno austral), sentado à entrada. Finda a entrevista, o líder acompanhou-me à entrada, braço sobre o meu ombro. De repente, fez-me rodar e encontrei-me frente ao jovem de casacão, já de pé. "O senhor jornalista sabe quem é?", perguntou o líder. Adivinhei mas disse que não. "É o Wilson que vocês em Lisboa dizem que matei. Não o quer entrevistar?", disse o líder, e logo apareceram dois microfones. "Não entrevisto presos", disse eu. O jovem tinha os olhos mortos e foi mesmo morto, semanas depois, ele e a família.

 

Um dia, eu ia de elétrico e vinham duas peixeiras da Ribeira. Elas eram cabo-verdianas e falavam crioulo entre elas. Ao passar pelo Rato (os elétricos ainda por lá passavam), um passageiro endoidou de ódio e pôs-se a mandar as mulheres "para a terra delas." Havia lugares vagos mas elas não tinham ousado sentar-se por causa do cheiro das saias largas. Os insultos do homem apanhou--as com português curto e calaram qualquer resposta. Pousaram os olhos no trabalho, nas canastras deitadas no chão. Nem pareceu terem dado conta dos pescoços que não se viraram. Mas deram.

 

Um dia, eu estava com um militar, que então era do meu lado, a dizer a uma pessoa detida, porque do outro lado, que sim, podia pedir ao soldado de plantão para ir comprar cigarros à messe. Regressado o soldado, o preso deu--se conta de que, afinal, também não tinha fósforos: seria que lhe podiam acender o cigarro? "Ah, era para fumar? Isso, na cela, não pode", ouvi o "meu" militar a dizer, gozando com o detido confuso.

 

Um dia, era noite de verão, eu ouvia um homem a assobiar numa esplanada. Ele estava sozinho à mesa e bebia cerveja. Assobiava mambos e boleros, as janelas abriam-se e às varandas assomavam suspiros. Ele sabia e gostava do seu sucesso, na sua rua, mas fazia de conta que não o via. No fim de um bolero de Lucho Gatica, ele ia aclarar a garganta com um gole mas o copo voou até ao chão da esplanada. A mulher do homem do assobio estava com uma mão à cintura e a outra a apontar a casa: ala! Ela nunca produziu outro som, senão o copo a estilhaçar-se. Sempre calada, com o silêncio da autoridade que nunca conheceu resposta. Ele ia à frente dela, cabeça enfiada nos ombros, olhando o passeio, indiferente à rua e à humilhação. Mas não estava.

 

Um dia, um guarda-costas que me acompanhava em Argel, perguntou-me se eu sabia o que era uma bûche de Natal. Disse-lhe que sim. Era o bolo em forma de tronco de árvore que os franceses comem no fim do ano (como o nosso bolo-rei). Por essa altura, os terroristas islâmicos punham bombas por toda a Argélia e degolavam os ímpios que se expunham. O meu guarda-costas era bom muçulmano, mas tinha saudades da bûche, da infância com vizinhos franceses. No Natal passado tinha sabido de uma padaria que as vendia às escondidas. Foi lá, saiu pela porta de trás mas julgou adivinhar olhares ameaçadores. Abriu a camisa e escondeu o bolo, coseu-se às paredes e apressou o passo. Entrou em casa e tirou o bolo amassado, o chocolate já delambido - os filhos e a mulher olhavam-no, e ele chorou, derrotado. O meu guarda-costas era tropa de elite.

 

Um dia, depois desses dias que me formaram, hoje, eu dei--me conta de que um homem que varreu os adversários do seu partido amesquinhando-os, que apoucou deficientes, que rebaixou o heroísmo autêntico na guerra de um correligionário seu (ele, que para fugir dessa mesma guerra pretextou doenças que não tinha), que se me apresentou, em palcos públicos, sem compaixão por pais que perderam o filho, que achincalhou as doenças, verdadeiras ou inventadas por ele, da adversária, que levou a humilhação como a arma principal da luta política, um dia, dizia eu, vou ver esse homem a tomar o poder mais poderoso do mundo. Contra ele recuso-me, neste dia, a discutir as ideias dele, políticas, económicas ou ecológicas. A partir de amanhã, certamente. Hoje, tenho a dizer, tão-só, que é um dia desgraçado.”

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 20:59





mais sobre mim

foto do autor




Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters


favorito


links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

pesquisar

Pesquisar no Blog