Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Madrid

Sábado, 15.04.17

20170413_193249.jpg

 

Abstraindo dos estereótipos dos turistas irritantes, viciados no instagranismo e nas demais parvoeiras digitais que os impedem de mergulhar na vida dos sítios para onde viajam, Madrid é uma cidade fascinante. Esse fascínio reside em boa parte nas ruelas, bares, tabernas, comedoiros e afins que pintalgam a cidade como cogumelos, no ritual de conversar, petiscar e bebericar enquanto o sol aquece a vontade de nada mais fazer que não seja isso mesmo: falar, comer e beber. As hordas de emigrantes e sem abrigo vão sendo controlados e enxotados por polícias musculados para que os ritmos e rituais dos residentes e dos turistas não sejam prejudicados, Madrid sobrevive à força destruidora do turismo de massas e da globalização muito à custa do tinto fresco, da sidra e das cañas que nos embalam em sonhos de uma vida para sempre nas esplanadas das suas ruelas e becos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 13:09

Conselhos para um início de semana mais tranquilo

Segunda-feira, 10.04.17

 

fds.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:13

Luxos raros

Sexta-feira, 07.04.17

 

Porque há sempre uma televisão ligada. Porque para as crianças não é um luxo, é dormir enquanto se está acordado. Porque força o pensamento e a introspecção. Porque tememos o que revela. 

z_luxos.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:11

Por entre a luz e as sombras

Sábado, 18.03.17

IMG_20170315_201712_451.jpg

 

No adeus ao Luxemburgo nada de novo nos habituais contrastes que marcam um país de brilho e de sombras. Os fatos acetinados e perfeitamente ajustados aos emproados executivos são a marca de imagem de uma sociedade exteriormente perfeita na sua inegável eficácia e elogiada produtividade. Os sapatos brilhantes e robustos, ao preço de um carro em segunda mão cá pelo burgo, disfarçam mal o que se esconde por trás das vidraças harmoniosamente perfeitas que se multiplicam nas fachadas dos infindáveis quarteirões de escritórios, de fundos, de seguradoras, de bancos, de serviços financeiros. Quem se afasta um pouco desse mundo de lantejoulas arrisca-se a dar com as trombas no outro lado do espelho. Numa qualquer circular externa que conduz o Luxemburgo à sua não perfeita cintura industrial (mais serviços, mas mais baratos), um baldio perdido por entre vias rápidas e pintalgado por cinzentos contentores serve de teatro a meia dúzia de farrapos humanos que se injectam em plena luz do dia, a uma mulher com corpo de criança etíope que mal sustém o equilíbrio enquanto procura defecar com as calças pelos joelhos. As caras dentro do autocarro fingem não ver o que entra pelos olhos dentro, eu não consigo desviar o olhar porque o cheiro a realidade cheira, ainda assim, menos mal do que o fedor da desumana sobranceria financeira.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:24

A vida em full HD

Quinta-feira, 09.02.17

 

z_tele.jpg

 

As ruas estão hoje mais vazias. Não falo das ruas da moda, onde se encontram as lojas do momento e os bares que estão na berra, falo das ruas onde antes se brincava ou simplesmente se passeava, sem intuitos consumistas ou de ver e ser visto. As ruas onde simplesmente se andava, para sentir o sol na cara ou o vento frio que nos faz sentir vivos. Os cinemas estão mais vazios ou fecharam. Está tudo online. As televisões, por entre as suas centenas de canais albergam tudo o que possamos querer ver e até o que nem sequer sonhamos que existe. Este facilitismo, este novo mundo à distância de um clic ou de um touch corrói gradualmente a vontade de sair de casa. É fácil adaptarmo-nos ao comodismo. Compramos televisões maiores, tablets mais rápidos e com uma qualidade de imagem acima da que a realidade nos fornece, uma poltrona que faz de sofá e se necessário até nos massaja as costas e entregamo-nos ao conforto das quatro paredes aquecidas e das luzes ininterruptas que nos afagam as meninges. O cheiro da relva e os risos das crianças a subir às árvores guardamo-los na memória. Com sorte, a próxima série é sobre essas memórias e em full HD.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:55

Isto é uma capa

Sábado, 04.02.17

FB_IMG_1486207687874.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 14:53

S-U-C-K-E-R-S!

Quinta-feira, 26.01.17

 

z_trump2.jpg

 

Suckers, idiotas, arrogantes, cegos, ingénuos. Não os que votaram em Trump, mas sim os que se recusaram a ler os sinais de insatisfação do povo, os que juraram a pés juntos que tamanha besta nunca poderia chegar a presidente da maior potência mundial. Idiotas os que nada fizeram para mudar as causas do descontentamento das pessoas, arrogantes os que julgaram que as pessoas se conformariam ao pouco que os de sempre tinham para lhes dar, cegos os que não quiseram ver os sinais claros de que a vontade de mudança fervilhava, ingénuos os que se julgaram infalíveis. A culpa não é de Trump, é de quem fez com que ele fosse lá colocado! E quem contribuiu para isso fomos todos nós, meus amigos, todos nós que em nada contribuímos para que todos nós vivêssemos um bocadinho melhor.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:03

Anjos, demónios e a paz dos dias de hoje

Segunda-feira, 23.01.17

 

z_anjos e diabos.jpg

 

Num ecossistema em que predominam pessoas de boa índole, trato dócil e a temperança nas relações interpessoais (família, emprego, grupo de amigos, comunidade local) frequentemente se deteta alguma dificuldade em denunciar possíveis fontes de perigo ou comportamentos desviantes. Os membros do grupo sentem que os laços são fortes e estáveis pelo que não vislumbram (ou preferem não o fazer) que os indícios do desvio à estabilidade grupal não são de desprezar. Essa ausência de acção consolida-se e cristaliza-se após a concretização do que se pretendia ocultar. Isso sucede porque os elementos do grupo/comunidade não querem sujeitar-se à exposição de quem põe o dedo na ferida, convictos de que se não pensarem ou fizerem algo sobre o tema pode ser que ele caia no esquecimento ou se esfume por si só. Procura-se que as tentações e a sua concretização pecaminosa, a suceder, fiquem na esfera de cada qual, mesmo que de todos sejam conhecidas. Se não se fala não existe. O silêncio, os olhos fechados e os bicos calados são a regra de ouro de uma organização pacificada. Quem diria que a fonte da paz é, afinal, a hipocrisia.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:53

Dias desgraçados

Sexta-feira, 20.01.17

  

z_trump.jpg

 

O melhor cronista português, Ferreira Fernandes, a escrever sobre o quão injusto pode ser o mundo e maus os homens. Sobre Trump e os dias desgraçados que escolhemos viver. Tão belo e tão triste.

 

“Um dia, vi um homem parar um carro pobre, numa estrada de terra vermelha, à entrada de uma ponte. Sobre um pilar estava uma bacia de esmalte rachado e nela laranjas pequenas. "Quanto?", perguntou o homem com uma camisa modesta. O miúdo negro disse: "Dois angolares." Sem outra palavra, o homem abriu a mala do carro. O miúdo fez rolar as laranjas na mala. O homem pôs na palma da mão estendida uma moeda de cinco tostões, um quarto do preço pedido. O miúdo nem esboçou um protesto, ficou na berma a ver o carro partir e a sentir a poeira assentar.

 

Um dia, li um camponês russo a falar com um dos irmão Karamazov. Tudo no camponês era subserviência. E tinha o filho ao lado. O Karamazov não bateu, esmurrou ou pontapeou o camponês - gestos brutos que poderiam ter passado por luta violenta. Esbofeteou-o, com pancada seca e calma, de quem sabe que nunca teria reação. Nada doeu mais do que o filho ao lado.

 

Um dia, na ala militar do aeroporto de Bogotá, estive na conferência de imprensa dada pelo embaixador americano. Ele falou sobre a luta contra os narcotraficantes e a esperança de apanhar em breve Pablo Escobar, o capo de Medellín. Depois, o embaixador disse que tinha mais declarações a fazer mas essas eram para os americanos e os da imprensa estrangeira. Os jornalistas colombianos saíram, cabisbaixos, expulsos em sua casa.

 

Um dia, entrevistei um líder guerrilheiro, num jango, enorme cubata circular. O líder esperava--me ao fundo, e as paredes do jango estavam cheias de dirigentes guerrilheiros e conselheiros do líder. Ao entrar, reparei, nunca soube porquê, num jovem de barba escassa e casacão escuro (era cacimbo, inverno austral), sentado à entrada. Finda a entrevista, o líder acompanhou-me à entrada, braço sobre o meu ombro. De repente, fez-me rodar e encontrei-me frente ao jovem de casacão, já de pé. "O senhor jornalista sabe quem é?", perguntou o líder. Adivinhei mas disse que não. "É o Wilson que vocês em Lisboa dizem que matei. Não o quer entrevistar?", disse o líder, e logo apareceram dois microfones. "Não entrevisto presos", disse eu. O jovem tinha os olhos mortos e foi mesmo morto, semanas depois, ele e a família.

 

Um dia, eu ia de elétrico e vinham duas peixeiras da Ribeira. Elas eram cabo-verdianas e falavam crioulo entre elas. Ao passar pelo Rato (os elétricos ainda por lá passavam), um passageiro endoidou de ódio e pôs-se a mandar as mulheres "para a terra delas." Havia lugares vagos mas elas não tinham ousado sentar-se por causa do cheiro das saias largas. Os insultos do homem apanhou--as com português curto e calaram qualquer resposta. Pousaram os olhos no trabalho, nas canastras deitadas no chão. Nem pareceu terem dado conta dos pescoços que não se viraram. Mas deram.

 

Um dia, eu estava com um militar, que então era do meu lado, a dizer a uma pessoa detida, porque do outro lado, que sim, podia pedir ao soldado de plantão para ir comprar cigarros à messe. Regressado o soldado, o preso deu--se conta de que, afinal, também não tinha fósforos: seria que lhe podiam acender o cigarro? "Ah, era para fumar? Isso, na cela, não pode", ouvi o "meu" militar a dizer, gozando com o detido confuso.

 

Um dia, era noite de verão, eu ouvia um homem a assobiar numa esplanada. Ele estava sozinho à mesa e bebia cerveja. Assobiava mambos e boleros, as janelas abriam-se e às varandas assomavam suspiros. Ele sabia e gostava do seu sucesso, na sua rua, mas fazia de conta que não o via. No fim de um bolero de Lucho Gatica, ele ia aclarar a garganta com um gole mas o copo voou até ao chão da esplanada. A mulher do homem do assobio estava com uma mão à cintura e a outra a apontar a casa: ala! Ela nunca produziu outro som, senão o copo a estilhaçar-se. Sempre calada, com o silêncio da autoridade que nunca conheceu resposta. Ele ia à frente dela, cabeça enfiada nos ombros, olhando o passeio, indiferente à rua e à humilhação. Mas não estava.

 

Um dia, um guarda-costas que me acompanhava em Argel, perguntou-me se eu sabia o que era uma bûche de Natal. Disse-lhe que sim. Era o bolo em forma de tronco de árvore que os franceses comem no fim do ano (como o nosso bolo-rei). Por essa altura, os terroristas islâmicos punham bombas por toda a Argélia e degolavam os ímpios que se expunham. O meu guarda-costas era bom muçulmano, mas tinha saudades da bûche, da infância com vizinhos franceses. No Natal passado tinha sabido de uma padaria que as vendia às escondidas. Foi lá, saiu pela porta de trás mas julgou adivinhar olhares ameaçadores. Abriu a camisa e escondeu o bolo, coseu-se às paredes e apressou o passo. Entrou em casa e tirou o bolo amassado, o chocolate já delambido - os filhos e a mulher olhavam-no, e ele chorou, derrotado. O meu guarda-costas era tropa de elite.

 

Um dia, depois desses dias que me formaram, hoje, eu dei--me conta de que um homem que varreu os adversários do seu partido amesquinhando-os, que apoucou deficientes, que rebaixou o heroísmo autêntico na guerra de um correligionário seu (ele, que para fugir dessa mesma guerra pretextou doenças que não tinha), que se me apresentou, em palcos públicos, sem compaixão por pais que perderam o filho, que achincalhou as doenças, verdadeiras ou inventadas por ele, da adversária, que levou a humilhação como a arma principal da luta política, um dia, dizia eu, vou ver esse homem a tomar o poder mais poderoso do mundo. Contra ele recuso-me, neste dia, a discutir as ideias dele, políticas, económicas ou ecológicas. A partir de amanhã, certamente. Hoje, tenho a dizer, tão-só, que é um dia desgraçado.”

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 20:59

O gato

Sexta-feira, 20.01.17

gato_sam haskins.jpg

  Fotografia por Sam Haskins 

 

- Não consigo entender porque fugiste.

- Não era feliz.

- Porquê?

- Porque sabia que toda a minha inconstância não permitia que fosses feliz.

- Não percebo onde foste buscar essa ideia. E viver sozinha com um gato, faz-te feliz?

- A mudança tem sido uma constante da minha vida. Não sei porque ainda aí estás. Acho mesmo que na minha vida em permanente mudança és a única coisa duradoura, que fica.

- E isso faz-te feliz?

- Sim, não sei porque continuas aqui, mas gosto que aqui estejas.

- Eu gosto como tu és hoje, como gostava de como eras ontem, há 2 anos…A vida é mudança, só temos que saber entendê-la, entranhá-la.

- Por vezes sinto-me louca no meio deste constante movimento, mas se calhar és tu o louco por ainda permaneceres onde sempre estiveste.

- Eu acredito que os loucos, num mundo em permanente mudança, são aqueles que nunca mudam.

- Se calhar a mudança ou não-mudança depende menos da nossa vontade do que julgamos.

- Talvez. Mas a aleatoriedade das vontades e das mudanças pode ser uma bela forma de nos desculpabilizarmos por não mudarmos.

- Eu sei que vivo eternamente na corda bamba. Posso fazer por perder peso, mas se quiser medir 1.80 já não depende de mim.

- Não te esqueças de encher a tigela de leite. Há coisas que não mudam, os gatos não deixam de ter fome, eu não deixo de gostar de ti.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:40





mais sobre mim

foto do autor




Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters


favorito


links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

pesquisar

Pesquisar no Blog