Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Blowing in the wind

Sexta-feira, 14.10.16

  

z_bob.jpg

 

How many roads must a man walk down

Before you can call him a man?

How many seas must a white dove sail

Before she sleeps in the sand?

Yes, and how many times must cannonballs fly

Before they're forever banned?

The answer, my friend, is blowin' in the wind

The answer is blowin' in the wind.

 

Yes, and how many years can a mountain exist

Before it's washed to the seas?

Yes, and how many years can some people exist

Before they're allowed to be free?

Yes, and how many times can a man turn his head

And pretend that he just doesn't see?

The answer, my friend, is blowin' in the wind

The answer is blowin' in the wind.

 

Yes, and how many times must a man look up

Before he can see the sky?

Yes, and how many ears must one man have

Before he can hear people cry?

Yes, and how many deaths will it take till he knows

That too many people have died?

The answer, my friend, is blowin' in the wind

The answer is blowin' in the wind.

  

Nunca liguei muito ao prémio Nobel da Literatura. Para mim um bom livro e um bom escritor são bons se seguem os mesmos critérios que me fazem eleger um vinho como bom: um bom vinho é aquele que eu gosto. A excitação por já ter bebido um livro de um nobelizado não me habita as meninges e não corro esbaforido à livraria mais perto após ouvir o anúncio do Nobel da literatura. Bom, neste caso teria de correr para um loja de CD´s, porque a academia sueca decidiu armar ao moderninha e surpreendente. Confesso que não embalo nas críticas primárias pelo Nobel dado ao Bob Dylan, mas também não tenho orgasmos prematuros como muitos dos que defendem a justiça do prémio a esse monstro do que chamam “o expoente máximo da tradição musical norte-americana” ou coisa que o valha. Não tendo portanto muito a dizer sobre o assunto tenho no entanto a dizer que as linhas acima, mesmo que não acompanhadas pela fantástica melodia Dyliana, são dignas de um qualquer prémio Nobel, que não sendo da paz, também não desmerece a literatura.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:15

Da amizade e do vinho

Quarta-feira, 20.07.16

  

0.jpg

 

Ontem foi dia de rever amigos de sempre, de convívio, de orgia gastronómico-vínica com um dos maiores sabedores de vinho do país. A desconfiança que já tinha de que os vinhos portugueses estão hoje por hoje num patamar de qualidade fantástico foi mais do que confirmada por provas inesquecíveis de néctares lusitanos. Apesar da paixão pelo que é nosso, tão único e brilhante, houve ainda espaço para provar alguns néctares dos finalistas derrotados do Euro 2016 e até para beber uma bela pomada proveniente da China. Os pratos que acompanharam o repasto proporcionaram ligações harmoniosas e inesquecíveis, mas o fio condutor de toda esta experiência única, que dá sentido a tudo e que tornará este repasto eterno nas nossas memórias é a amizade sem limites, imune a distâncias longínquas e a tudo o mais. Obrigado amigo B., volta sempre que cá estaremos para te acompanhar nestes penosos trabalhos que carregas sobre os ombros!

 

1.jpg

 

 

2.jpg

 

3.jpg

 

4.jpg

 

5.jpg

 

6.jpg

 

7.jpg

 

8.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 14:16

Guia para um fim de tarde naquele bar

Sábado, 05.09.15

 café.jpg

No conforto da penumbra. Primeiro um café. Quente, forte, um shot de energia que não deixe o corpo moldar-se preguiçosamente à madeira do assento. Depois, um whisky velho, sem gelo, quanto muito uma colher de café com água a pingar-lhe a cor de ouro velho, velhos truques para libertar aromas escondidos. Os lábios a beijarem a borda do copo, um beijo longo, um namoro sem regras mas sem precipitações. O calor do álcool a compor o cenário. O banco da ponta do bar, mais perto das mesas, da entrada. Vislumbrar despreocupadamente quem entra. Deixar as vozes dançarem na cabeça, dirigir o foco para uma ou outra conversa menos enfadonha. Trocar sorrisos serenos e despreocupados com a rapariga do bar, se o for, ou frases cúmplices e compinchas com o barman, se for esse o caso. Evitar conversas de bêbedos ou de solitários em busca de o ser. Aguardar. Não baixar a guarda. Ela acabará por entrar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:36

Rescaldo do 19.º encontro da Confraria Etnográfica dos Olivais

Quarta-feira, 15.07.15

 z_wine.jpg

Passou-se mais um encontro da confraria etnográfica dos Olivais onde se reencontraram onze amigos, alguns que há muito não se viam. Como dizia um confrade para outro ”até ao próximo encontro, se calhar para o ano”, ao que retorqui, “mais vale revermo-nos ano a ano na Confraria do que no funeral de um de nós”. Provavelmente, foi este o pensamento mais profundo do fim-de-semana. Poder-se-ia pensar que perante tantos e tão geniais homens juntos dificilmente não se delineariam projetos inovadores para a nação, a cura dos males da Grécia moderna, quiçá um esquema alternativo à euroburocracia. Não, nada disso. Baboseiras, muitas baboseiras, piadas sem nexo e trocadilhos inexpugnáveis para quem os ouve que não nós, bola, muita bola, mergulhos e barrigas ao sol, comer, beber, comer e beber até ao corpo dizer chega. Sentado na relva a beber um copo de vinho comentava com um amigo que se as nossas mulheres se juntassem ali, sem companheiros e sem filhos dois dias seguidos, ou se matavam ou nunca mais se falavam. O homem é o bicho mais simples do mundo: dêem-lhe amigos, uma bola, uma garrafa de vinho e um baralho de cartas e o universo estará então equilibrado e os dramas da condição humana nada mais serão do que uma brincadeira de crianças. Enquanto a moça da imagem acima enfrenta os problemas relaxando com um banho maravilhoso e um vinho anestesiante, os homens sabem que o vinho só cura os males da alma se partilhado com bicharada da sua igualha.

Esperem, lembrei-me! Afinal houve reflexões profundas e sabedoras dos ditames da condição humana, aqui as deixo para a posteridade:

- “Elas escolhem-nos porque somos rebeldes e depois passam a vida a tentar domesticar-nos”.

- “Os filhos são como os peidos, só toleramos os nossos”.

- “Agora vou beber um copo e a seguir para a piscina – se morrer, morro feliz”.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:57

19.º Encontro da Confraria Etnográfica dos Olivais - em Samel, em Samel!

Sexta-feira, 10.07.15

  bust_wine[1].jpg

É tempo dos adultos virarem crianças e resgatarem o oxigénio mais puro da existência. É tempo de bombas para a piscina, de remates em folha a seca a fazerem inveja ao maricas do Beckham, é tempo de duelos fratricidas de sueca, de derbies inigualáveis pela mesa de matrecos. É tempo de leitão e de muitas mais iguarias de fazer salivar top models anoréticas, é sobretudo tempo de louvar a pinga portuguesa e descobrir novos milagres produzidos pelo Deus Baco. Bora lá cambada, todos à molhada, que isto é futebol total!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:21

O pós CEO e o Sporting a dizer presente (Gil Vicente 0 - Sporting 4)

Segunda-feira, 22.09.14

 

Dois dias de prazeres gastronómico-vinícolas excelentemente acompanhados por horas de rabia, mergulhos na piscina, suecadas, jogos de tabuleiro e afins, souberam magnificamente. Dois dias em que os homens voltam a ser crianças e em que as suas responsabilidades retrocedem aos tempos da irresponsável adolescência, dois dias em que arrotar à mesa, deixar a louça suja por algumas horas e adormecer na relva do jardim não é pecado capital. Depois, o regresso embalado pela arte de João Mário, pela certeza de que Nani não é desta liga mas que é um deleite ter um aninho inteiro para degustar os seus petiscos, tudo bem embalado na suspeita de que este Benfica tem ainda muito por onde desabar e de que no seio deste Porto anda ali bicho da madeira a querer roer os alicerces. Ainda falta muito caminho, a esperança mantém-se verde, rapazes, vamos a eles!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:37

18.º encontro da Confraria Etnográfica dos Olivais (CEO)!

Sexta-feira, 19.09.14

 

Inicia-se hoje, quando o sol estiver a baixar e a lua a espreitar, o 18.º encontro da Confraria Etnográfica dos Olivais, a já afamada CEO. Mais uma vez o encontro terá lugar no altaneiro lugar de Samel, terra bem escondida por entre os vinhedos da viçosa Bairrada (ah, o cheiro a Baga molhada pela manhã!!!). Fugindo ardilosamente aos deveres familiares e parentais, 12 garbosos e corajosos confrades tomarão as rédeas do seu destino nas mãos e assumirão não ter medo de enfrentar a inclemência da chuva, a gordura rejuvenescedora que escorre pela pele estaladiça de um imponente par de leitões e, claro, a força do vinho e os segredos que nele se escondem. Entrementes, jogar-se-ão inesquecíveis duelos de sueca, partidas de vida ou de morte sobre a mesa de matraquilhos, e inevitavelmente, esgrimir-se-ão argumentos fatais sobre a superioridade moral da nação leonina face aos infiéis vermelhuscos e a escassa mas aguerrida tripalhada mui bem representada por dois tresmalhados elementos da CEO. Falar-se-á também das mais recentes condenações de políticos da nossa praça e serão gizados planos megalómanos para ocupar as cadeiras do poder, expulsar à vergastada os vendilhões dos templos da adormecida democracia e, de uma vez por todas, clamaremos da necessidade de pegar nas rédeas da nação para a tirar do atoleiro em que tanta gente inábil a tem vindo a afundar. Tranquem as vossas filhas em casa, amordacem o bardo ao tronco mais grosso daquela oliveira e iniciem-se as hostilidades do 18.º encontro da CEO!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:24

O Jamor, o tintol e as asas da salvação (Benfica 1 - Rio Ave 0)

Domingo, 18.05.14

 

Os meus anos de taça de Portugal ensinaram-me que aquilo que o Jamor proporciona em convívio e mística retira em segurança, condições logísticas e dificuldades de organização. A piorar a coisa, a malta fica a virar minis, garrafões de tintol e a enxaguar as entranhas com bifanas e coiratos até ao último segundo, como que desejando aquela enchente medonha e perigosa na porta da maratona. Acho que nunca ninguém morreu entalado ou espezinhado porque as asas do Deus Baco devem elevar muita gente nos momentos mais complicados. Quanto ao jogo tenho a assinalar o facto do Benfica ter melhorado muito, tendo em consideração que este ano os jogadores aguardaram até à entrega da taça. Quanto ao Rio Ave, achei de uma violência atroz, depois de tanto azar e da derrota, obrigar os barbudos de Caxinas a oscularem a madame Assunção inconseguir. São caxineiros, mas são gente honrada, não havia necessidade.

P.s. – Fotografia “roubada” ao FB do excelente blog “Lá em casa mando eu” 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 21:36

Rescaldo do 17.º Grande Encontro da CEO

Segunda-feira, 02.12.13

 

A Confraria Etnográfica dos Olivais (CEO) é muito vinho e muita comezaina mas não é só isso. É também, e se calhar é sobretudo isso, rever amigos de longa data, muitos deles de infância, e regressar assim à inocência e à irresponsabilidade dessa idade que deveria ser eterna. É jogar à rabia até à exaustão, é ameaçar quem for rabiado mais vezes que acabará inapelavelmente na piscina gelada sem se saber até ao fim da coisa se o mergulho fatal se dará ou não, é passar horas a tentar manter a bola no ar 20 toques seguidos, é jogar à sueca como se não houvesse amanhã, é cansar os matraquilhos, é dizer e fazer parvoeiras sem a voz avisada e cheiinha de razão da cara metade e afins, é dizer sem receio de olhares enojados que o tomar banho está demasiado sobrevalorizado na sociedade actual, é ouvir música imbecil sem parar, é aparecer de tronco nu à janela para a procissão que passa e gritar “Pagãos! Pagãos!”, é não ter horas para nada, é tirar fotografias de malta a dormir enquanto espuma da boca sem represálias de maior, é falar de futebol até adormecer pensando que mais ninguém sabe tanto de futebol como aquele grupo de eleição.

 

A CEO é tudo isto e mais os vinhos. Dos muitos bebidos os três primeiros prémios após acesa votação foram os seguintes: em 1.º lugar um Alma Grande Reserva Touriga Nacional Douro 2009, em 2.º o Bafarela 17 Superior Douro 2011 (Magnum) e em 3.º lugar o Pape Dão 2008. Eu, como tenho a mania de ser diferente não votei em nenhum destes, não obstante a excelência dos mesmos. Para mim em 1.º ficou o Quinta do Ribeirinho Primeira Escolha Bairrada 1997, fazendo jus à minha paixão por vinhos velhos. Este encheu-me as medidas, licoroso e repleto de personalidade, enquanto me acompanhava no devorar de um inocente mas maravilhoso pão-de-ló. O vinho é o néctar dos Deuses mas o prazer que dá não seria o mesmo sem a sua partilha com os meus caros Confrades olivalenses. Viva o vinho! Viva a Confraria! Viva os Olivais!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:27

17º Grande Encontro da Confraria Etnográfica dos Olivais (CEO)

Sexta-feira, 29.11.13

 

É já este fim-de-semana, quase um ano depois da realização do 16º Grande Encontro da Confraria Etnográfica dos Olivais (CEO), que os suspeitos do costume regressam ao mesmo local, a bela aldeia de Samel em pleno coração de terras bairradinas, para celebrar de forma condigna o V Aniversário da CEO. O lema é o que salta à vista da imagem supra e, mesmo sabendo que somos rapazes inofensivos - bem casados ou pior solteiros -, não posso deixar de recomendar aos pais bairradinos, porque fica sempre bem e porque dá um ar marialvo-negligé à coisa, que amarrem as vossas filhas maiores de idade à cama, ao sofá, à salamandra, mas, por Toutatis, não deixem as moçoilas andar à solta nos dois dias que se seguem! Dada a intensidade das actividades agendadas, só Domingo deverei vir aqui dar nota dos resultados deste fim-de-semana de profunda reflexão olivalense. Esperançoso de cá voltar, despeço-me com um bem haja a todos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:32





mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D

pesquisar

Pesquisar no Blog