Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Coluna de fumo - Denis Johnson

Quarta-feira, 31.03.21

  

Coluna-de-Fumo.jpg

 

A meio do romance “Coluna de fumo”, de Denis Johnson, experiencio as sensações da primeira viagem de um marinheiro de água doce por entre as vagas incomensuráveis de um qualquer mar colérico. Zonzo, avanço receoso por entre páginas pontuadas por guinadas e desvarios. Uma selva de personagens perdidas e alucinadas que se multiplicam numa história que avança aos solavancos e sem aparente fio condutor. O assassinato de Kennedy, as vergonhas e desgraças da guerra do Vietname e de outras confusões americanas entre 1963 e 1970, o brutal impacto do nonsense de enviar os filhos da nação para um cruel destino, o estraçalhar do futuro, de famílias, a hipoteca insanável da saúde mental de toda uma geração. As personagens espelham na perfeição a demência parida de uma guerra idiota, os diálogos inconsequentes e as ações alienadas aproximam-nos do que provavelmente será o estado de espírito dos fantasmas que habitam os tempos de uma guerra.

  

coluna.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 16:04

Da série "Amor em tempos de pandemia" - Zoom

Sexta-feira, 05.03.21

sex 1.jpg

 

Dificilmente conseguiria voltar a olhá-lo nos olhos. Semanas de trocas de mensagens, piadas inicialmente leves, trocadilhos que foram ganhando peso e temperatura. Foi resistindo ao habitual pedido de dar o passo seguinte dos tempos modernos, o salto quântico para a videochamada. Afinal, ele era apenas um amigo de um amigo, um like numa foto do Instagram, a curiosidade aguçada por um comentário disfarçadamente picante. Confinada há mais de 6 meses acedeu. Sem namorado, sem paciência para os seus eficazes mas gélidos brinquedos e para a melancólica e automática auto-satisfação que lhe concediam, decidiu experimentar caminhos nunca antes desbravados.

Agendou a videochamada para a hora do jantar, prevendo a necessária antecedência para os preparativos. Farta de meias tintas, decidiu arriscar tudo. No seu íntimo, não teve dúvidas que do outro lado ele procurava o mesmo, sexo virtual, sem pudores nem hesitações, algo novo, excitante, garantido. Botas de salto alto, top sexy, o assassino fio dental. Foda-se, até ela se sentia excitada em imaginar que do outro lado poderia encontrar uma mulher com esta poderosa iniciativa. Bebeu um copo de vinho, um trago de whisky e, com 10 minutos de atraso, clicou no link do Zoom. Ele estava sentado no sofá, calções de pano barato e amarfanhado, t-shirt cinzenta encardida, mini Sagres e pacote de batatas fritas entre as pernas. O cabrão estava pronto para assistir a mais um qualquer jogo de futebol, só podia. Silêncio. Mais silêncio. Riso nervoso dele, “desculpa, não estava à espera…”, interrompido por um colérico, mas frio “Vai-te foder, idiota de merda”. Desligou, deitou-se no chão frio e chorou. Chorou por ela e pela falta de tesão no mundo.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:39

Tão simples

Quinta-feira, 04.03.21

 

life.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 15:05

Devolvam-lhes os joelhos esfolados

Quarta-feira, 03.03.21

   

child.jpg

Hoje a escola do mais novo promoveu uma visita virtual, em direto, ao jardim zoológico. Não foi fácil esconder a emoção pela alegria do rapaz, como se estivesse a viver a experiência ao vivo. Também não foi fácil conter no peito a raiva por esta puta desta pandemia lhe ter tirado as sensações reais, o cheiro dos animais, a proximidade, os gritinhos de excitação em pleno jardim zoológico. Somos dos países que mais fechou as crianças em casa, na prisão das aulas virtuais, para proteger a sociedade (???), como se os decisores tivessem esquecido as conhecidas e vincadas fragilidades do nosso sistema educativo. Salvámos o Natal e tramámos o futuro próximo dos nossos filhos, esperemos que não irremediavelmente. Os senhores da razão e das leis defendem-se com o factor imprevisibilidade, esquecendo por completo tudo o que podia ter sido previsto e antecipadamente combatido com planeamento. Gere-se ao dia e em cima do joelho, porque, alegadamente, o vírus é imprevisível. As filas de dezenas de ambulâncias à porta dos hospitais desapareceram uns dias depois, quando alguma alma iluminada se lembrou de fazer a triagem dos doentes que vinham nas ambulâncias dentro das próprias ambulâncias, evitando as filas de luzes e sirenes de espera para se entrar na triagem do hospital. É tudo tão poucochinho, meu Portugal, as nossas crianças mereciam tão mais dos senhores que os seus paiszinhos sentaram nos vetustos cadeirões das decisões.

Quando isto acabar lembrem-se de devolver aos vossos filhos tudo o que lhes foi tirado. Correrem na rua, caírem na calçada e na relva, pegarem em tudo o que são paus e pedras, esfolarem os joelhos sem dó nem piedade, chutarem a bola sem parar, rirem que nem loucos alucinados na sua inexplicável felicidade. Quando isto acabar amem os vossos filhos e dêem-lhes não menos do que eles merecem, devolvam-lhes esta parcela de infância que lhes foi roubada. Vejam lá isso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:43

Crónicas da pandemia - o medo

Segunda-feira, 25.01.21

medo.jpg

A parte do mundo que me é concedido ver da janela do quarto do rapaz mais velho, agora convertido, no período diurno, em escritório de teletrabalho, revela um curto trecho de estrada, entrecortada por árvores e ladeada pela velha e gasta calçada portuguesa. Na estrada o raro ruído dos carros entristece ainda mais o cinzento do céu. Na calçada são poucas ou nenhumas as almas penadas, quase sempre limitadas aos pesarosos e mascarados passeadores caninos. Há meses que este cantinho, este outrora viçoso blog, tem andado assim, ensimesmado, mal alimentado, macambúzio e desinspirado, refletindo o estado geral da nação que esta janela dos Olivais descerra, imitando um mundo que lá fora se lamenta, estupefacto e impotente no combate ao vírus invisível.

Escuto alguns - hoje menos do que ontem - que vislumbram nestes tempos novos e estranhos uma porta aberta para renovadas visões da humanidade, para uma crescente fraternidade, para quotidianos mais calmos e reflectidos, para gentes mais próximas do seu eu e da sua essência, mais preocupadas com as necessidades espirituais do que as materiais. Balelas, diz o meu vizinho do lado, próximo de um esgotamento após meses de teletrabalho ao lado da mulher, estado esse recentemente agravado com o regresso das três crianças ao quotidiano diário.

O mundo pede-nos algo que não estamos preparados para dar. Solidariedade, maleabilidade, pensar fora da caixa, respeito pela natureza. Aqui e ali vamos vendo algumas manifestações dessas respostas, mas tão deslaçadas e espaçadas que não permitem unirmo-nos num combate efetivo à praga virológica que nos atingiu como um tsunami invisível. Na calçada, arrasta-se uma velhota ao telemóvel, máscara descaída, semblante calmo, como que desafiando o que sabe há muito, que é certo e que não teme: a morte, a morte que paira nos pensamentos dos novos fazendo deles velhos assustados. Precisamos de chegar a velhos para deixar de ter medo, está mais do que visto. Precisamos da calma dos velhos, das suas certezas quanto às incertezas da vida (qual será o dia, a hora, o momento da despedida?), precisamos de não ter medo. O medo, muito para lá de nos fechar nestas quatro paredes de tijolo, fecha-nos no casulo de nós mesmos, na loucura que é vivermos sós nas nossas quatro paredes. Vejam lá isso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:12

Senhoras e senhores eleitores, uma atençãozinha...

Quinta-feira, 24.09.20

 

trump.jpg

Ontem foi um dia bem demonstrativo dos tempos estranhos que vivemos. Ontem, ao fim de 75 anos de existência, pela primeira vez os membros da ONU reuniram-se virtualmente, gentileza dessa nova sala de estar universal que é o Zoom, disseminada por obra e graça dos medos e efeitos da pandemia Covidiana. O que em tempos foi a mais relevante organização internacional, criada para colocar os países a falar uns com os outros e os afastar do mal, das guerras, do diabo a sete, é hoje uma organização minada por dentro, carcomida pelos egoísmos nacionalistas dos seus membros. Se tudo isto já não fazia antever a tomada de decisões corajosas e declarações inspiradoras saídas deste fórum global, o que por lá se ouviu foi um alarme divino, um concerto de trompas de anjos desesperados. Trump e Bolsonaro resolveram bradar aos céus a gestão exemplar que fizeram da pandemia, Putin choramingou pela falta de bondade e humanidade neste mundo cruel em que vivemos, o iraniano Rouhani criticou as maldades que grassam no mundo (colocando para trás das costas as atrocidades do regime que chefia), Macron disparou qual caçador possuído por litros de medronho, atacando tudo e todos.

O mundo está perigoso e líderes mundiais teimam em lançar achas para a fogueira, guiados por uma perigosa mistura de incompetência, ignorância e excesso de focagem nos seus nacionais umbigos. A democracia, a pior forma de governo, com exceção das demais (ah, Winston, tu é que a sabias toda) parece tornar-se efetivamente ainda pior na sua versão de democracia representativa, abrindo brechas para que outras formas de governo possam ganhar força. Minhas amigas, meus amigos, o Trump se fosse nosso colega de escola seria justamente vítima de bullying ou pior, o xor Jair chumbaria com mérito na primeira classe. Somos democraticamente representados por estas anémonas, o que significa que votámos neles. VEJAM LÁ ESSA MERDA, DASSSSSSSS!!!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 12:10

Quanto tempo mais?

Quinta-feira, 17.09.20

    

covid.png

 

Quando deixamos de poder respirar em liberdade pouco há mais em que pensar do que essa ausência de liberdade. A máscara que nos autoimpusemos é a medida da nossa mente, como se o horizonte para lá do bafo quente e claustrofóbico que incessantemente respiramos tivesse perdido a sua dimensão de sonho. As conversas começam e terminam no vírus, nas saudades de um modo de vida recente que sempre tomámos por garantido, no “foda-se, esqueci-me da máscara”, na raiva por não podermos visitar sem máscara e mil cuidados os nossos pais, por separarmos os filhos dos seus velhos amigos - as avós e os avós - em nome da saúde, da longevidade que, por este caminho, deixará de fazer tanto sentido assim. Entretanto, enquanto nos protegemos deste maldito vírus, que poupa os novos e mata os velhos, deixamos que mais gente morra de outras doenças, porque tiveram medo de procurar os habituais cuidados médicos a que recorriam para evitar e combater os outros milhares de doenças, porque os próprios cuidadores e serviços de saúde estiveram focados no vírus que enche os écrans dia e noite, o vírus que é a bitola do sucesso de políticos em constante frenesim para mostrarem ao mundo que não darão tréguas à disseminação do bicho, é o maldito e minúsculo vírus que decidirá quem liderará o mundo outrora livre.

Nas escolas os miúdos riem e brincam dentro de uma nova realidade, porque são plasticina que a tudo se adapta, mas sentem a artificialidade dos recreios, sofrem com o calor da máscara na sala de aula, perdem capacidades de aprendizagem porque os óculos embaciam, porque não estão para pedir a palavra e falar em esforço, porque os professores se enredam na dificuldade de passar a mensagem, porque tudo aquilo vai contra a sua natureza, contra a nossa natureza. A natureza que teimamos em negligenciar ameaça engolir-nos neste medo invisível. Quanto tempo demorará a salvífica vacina? Quantos mais vírus surgirão depois dessa suposta salvação? Quanto mais tempo levaremos a tirar a máscara que nos impede de ver que a causa de tudo isto somos nós?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:48

Nada de nada

Sexta-feira, 14.08.20

  

m.png

 

Por aqui o silêncio acompanha os tempos estranhos que vivemos. Não sabemos muito bem o que dizer, o futuro é incerto, todas as palavras parecem petulantes ou desnecessárias. A vida encarrega-se de desmentir essa ideia idiota de que somos os donos de uma qualquer razão. Tenho por exemplo o hábito de escrever sobre mulheres, relações, seduções, e o que sei eu da vida ou do fruto proibido, do amor ou da falta dele? Quem sou eu para me armar em sabedor de coisa alguma?

 

“- Porque escreves dessa maneira sobre mulheres?

- De que maneira?

- Tu sabes.

- Não, não sei.

- Pois bem, eu acho que é uma pena dos diabos que um homem que escreve tão bem como tu não saiba nada de nada sobre mulheres”

                                                                                       In “Mulheres”, de Charles Bukowski

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 15:08

Mil máscaras

Sexta-feira, 22.05.20

 

covid2.jpg

Quatro paredes que encerram o medo nos recantos do nosso assético casulo. A vida mascarada de vida, o medo convertido no novo normal. Pelo canto do olhar desconfiado as saudades do sorriso aberto de há 3 meses, há 3 meses foda-se, há 3 meses a rapariga da pastelaria sorria enquanto corava e corava enquanto sorria, desfazia-se no calor dos meus galanteios como o creme do mil folhas se evaporava na minha boca a ferver do sorriso dela. Não, não há na minha vida nenhuma loira de generosos e fartos seios da pastelaria do bairro, há apenas a raiva por não ver sorrisos abertos e tímidos por detrás das cirúrgicas máscaras que nos converteram a todos em doentes ambulantes, em hipocondríacos cinzentos e macilentos, zombies sonâmbulos cuja ambição maior é fugir ao bicho, ao Covid, ao coveiro, à cova onde todos acabaremos, com ou sem máscara. O caminho que faremos até deitarmos as costelas na terra fria somos nós que o escolhemos. Preferem fazê-lo a sorrir e a beijar, ou a sentir o bafo do medo encostado a lábios secos e carentes do calor da boca do vosso amor, do engate do momento, da moça da pastelaria de mamas de mil sonhos e folhas? Vejam lá isso, porra.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 12:22

Strange days

Terça-feira, 12.05.20

 

Flavio Greco Paglia.jpg

Arte por Flavio Greco Paglia

O que ontem tomámos como garantido e que assim vinha sendo há anos pulverizou-se em escassas e distópicas semanas. Um vírus microscópico, uma ameaça invisível que torna visível a fragilidade humana, a infantilidade das certezas, a nossa incapacidade de adaptação. Os líderes mundiais que julgámos medianamente imbecis mas, ainda assim, foda-se, ainda assim, acreditávamos terem uma pinga de bom senso ou, pelo menos, a inteligência de se rodearem de conselheiros sábios, assumiram toda a imbecilidade megalómana que julgáramos impossível de atingir. Amigos normais que aprendemos a admirar sucumbem ao pânico e transformam-se, por artes de feitiçaria, em débeis imitações de adolescentes borbulhentos e geneticamente imaturos. Já ninguém se lembra porque tem a dispensa repleta de rolos de papel higiénico, há quem pague pequenas e patéticas fortunas por máscaras fashion. Uma amiga que admirava pela calma e sensatez dispara nas redes sociais, ganha garras e garra e ataca os confinados desesperados “Gajos casados que andam ao engate, só prova o quão cobardes são. Preferem a segurança aparente de uma relação falhada e depois tentam comer por fora. Não quero julgar ninguém, cada um faz o que quer, mas pelo menos aguentem quando levam negas, ok?”. Assomos de louca coragem (se é bom ou mau, não serei eu a julgar) confundidos por entre reações de pânico, como a de um conhecido bem posicionado nas hierarquias do poder que enviou uma mensagem de whatsapp, para as suas centenas de contactos, alertando, um dia antes da declaração do estado de emergência, para que todos fossem a correr aos supermercados e farmácias, porque ia tudo esgotar, íamos ficar meses sem poder sair, salvem-se e salvem os vossos, gritava ele, desesperado, marimbando-se para todos os outros, pobres mortais, que não tiveram acesso a essa informação privilegiada.

O mundo não será destruído por aqueles que fazem o mal, mas por aqueles que assistem sem nada fazer”, publica uma amiga, atribuindo a sábia frase ao grande Einstein, só não sei se ela vai fazer algo com essa grandiloquente mensagem ou se vai apenas sorrir, com o ego afagado por si própria e pela sua incrível capacidade de espalhar sabedoria. Olho para os meus filhos, saudosos dos amigos e da escola, mas a saber disfrutar desta nova proximidade familiar, ainda que forçada, e pergunto-me quem serão os génios que querem devolver as crianças ao seu mundo, restituindo-lhes algum normal, com regras que apenas lhes ensinarão o caminho da desumanização. Não sou o Albert, mas sou rapaz para dizer que o futuro somos nós que o construímos e que o medo não é bom conselheiro para os dias que hão-de vir. Vejam lá isso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:07





mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

pesquisar

Pesquisar no Blog