Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



F.C. Porto 3 - S.L. Benfica 1

Domingo, 02.05.10

 

 

Antes do início do jogo pus-me a reflectir sobre a importância relativa deste jogo para os dois contendores. O Porto, em defesa da sua honra e de toda uma mística guerreira que pertence aos genes do clube, não queria, naturalmente, entregar de mão beijada o título ao Benfica em pleno Estádio do Dragão. Para o Benfica poder-se-ia pensar que o que estava em causa era ganhar o título neste jogo ou apenas adiá-lo para a semana. Não, neste jogo o Benfica tinha em jogo a verdade deste campeonato: jogar bem e ganhar (ou empatar) limpo e sem ajudas externas ao rectângulo de jogo seria a forma de dizer que o título era merecido, que a glória não chegara por via dos túneis ou das dúbias arbitragens como acusam os seus adversários. Em parte incluo-me na turba que afirma que a vida do Benfica foi facilitada por esses factores no ano que passou, independentemente do mérito futebolístico da equipa. Neste jogo estava em jogo, afinal, a afirmação inequívoca de um campeão. 

 

Terminado agora o jogo, o que fica? Que o Benfica não confirmou que é melhor que o F.C.Porto, que não tem ainda estofo que permita considerar que é um campeão justo, que, pior que tudo, as decisões de arbitragem estranhas e temerárias vão sempre em seu favor. Benquerença fez uma arbitragem incompetente, por vezes prejudicando o Benfica, mas, no momento em que expulsa Fucile aos 60 minutos, por uma queda normalíssima que interpreta como simulação, deixa todas as desconfianças em aberto. É precisa muita temeridade para estragar um jogo decisivo desta forma num lance tão pouco claro. E, não variando, o Benfica é o beneficiado. Ainda assim, o Benfica em superioridade numérica não se conseguiu impor, não mostrou vontade e capacidade de campeão. A garra e a competência foram todas do Porto. Jesus não tirou nenhum coelho da cartola, pôs sim a viola no saco.

 

 

 

Quanto a destaques individuais no Benfica gostei sobretudo da dinâmica de Saviola. Ainda sem grande ritmo, mostrou que foi ele a grande força do Benfica neste campeonato. Durante a sua ausência o Benfica perdeu gás, e agora, ainda sem ritmo, foi mesmo assim a maior força da equipa. Maxi Pereira incansável mas o resto da equipa cansada. O medo também pairou por uma equipa que pareceu pouco convencida do seu valor. Quanto ao Porto o grande destaque foi a equipa. Sempre achei que seria muito difícil que o Porto permitisse o erguer da taça pelo adversário no seu terreno. Independentemente dos problemas desta época, é uma equipa com personalidade, garra e com bons jogadores. Bruno Alves um portento de força e vontade, Belluschi um jogador intermitente mas com excelentes e decisivos pormenores, Álvaro Pereira um fortíssimo lateral e Beto um guarda-redes de selecção.

 

Agora, para a última jornada, que esperar? Creio que será muito difícil, mesmo sem Javi Garcia, Di Maria e Fábio Coentrão, o Benfica não ser campeão na Luz contra o Rio Ave. Mesmo com o medo a pairar como sucedeu hoje, será obrigatória essa vermelhusca consagração. Nem que seja à força do apito, vermelho, pois claro.

 

 

 

p.s. - Não vi o meu Sporting, troquei-o pelo jogo do título. Espero que para o ano não precise de mudar de canal para sentir a emoção da disputa, o sal do futebol. A derrota em casa perante a Naval é mais uma tristeza de um ano triste. Não tenho grandes expectativas para o próximo ano. É pena, espero que não seja sina incontornável.

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 22:22


29 comentários

De cavacas a 03.05.2010 às 00:51

e mais te digo meu menino é muito triste tirar o mérito de quem o tem e merece,por estar frustrado com as belas exebiçoes do teu clube.fizeste sim uma analise de quem está com uma dor de cotovelo do caralho.

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor




Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

pesquisar

Pesquisar no Blog