Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Goodbye special one, bienvenido Señor Guardiola

Terça-feira, 24.11.09

Outros títulos possíveis para este post:

  • A irreversível decadência do calcio;

  • O futebol e a moda;

  • O carrossel blaugrana devora a fúria nerazzurri;

  • O Barcelona não é Messi;

  • A paixão de Mourinho non parla, only speaks;
  • Quaresma, o Mustang gripado; 

  • O sonho de Pedro Rodriguez;

  • Barcelona 2 - Inter de Milão 0.

     

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 21:38

Pérolas da blogosfera - Estilhaços de um só

Segunda-feira, 23.11.09

 

 

O Pedro Mexia, no seu óptimo blog a-leiseca.blogspot.com/ desenvolveu o que intitula "uma pequena tipologia sexual masculina". Vale a pena ler:

 

"Há o ingénuo, que tem pouca ou nenhuma experiência sexual, que sofre de excesso de educação religiosa ou pouca libido, que é desajeitado, desinteressado, que não está à vontade com a existência da sexualidade. Há o romântico, que acredita que uma relação sexual deve fazer parte de uma relação amorosa, acredita mesmo nisso, seja por moralismo ou literatice, tem essa característica algo «feminina», algumas mulheres apreciam isso, os outros homens suspeitam. Há o agressivo, que gosta da violência congénita à conquista e ao coito, que vive obcecado com a sua «virilidade» e a fama social que ela granjeia; é nos agressivos que encontramos os homens «bons na cama» e os misóginos. Há o perverso, que não reprime as suas fantasias nem as deixa apenas no reino da fantasia, e que pode ser um libertino, um sádico ou um criminoso."

 

Percorridas as diversas tipologias da análise Mexiana, pergunto-me: Não haverá em cada um de nós uma parcela de todos estes tipos? Acho que o Fernando Pessoa explicou bem a coisa...

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 21:09

O efeito Carvalhal

Domingo, 22.11.09

 

 

Após uma almoçarada prolongadíssima, o papo cheio apenas me permite algumas ilações cirúrgicas sobre o fim-de-semana de Taça. Diria, muito sucintamente, que o efeito Carvalhal fez-se já sentir, sobretudo no lado errado da segunda circular. Acrescento que o emproado covil da águia começa a ruir, devagar, devagarinho, como quem chama por mim. Bom, nada de grave, o Benfica, essa super equipa, lá consegue sair da Taça na mesma fase que os dignos pescadores da Costa da Caparica. Nada de novo, pelos lados da Luz o hábito de dizer "para o ano é que é" entranha-se nos costumes vermelhuscos. Os milagres de Jesus, além de fazerem andar sobre as águas, por vezes também metem água.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 22:48

A já esfarrapada lavagem de roupa suja

Sábado, 21.11.09

 

 

Pouco me aquece ou arrefece a entrevista de Paulo Bento, hoje, ao Record. Não vem dizer muito mais do que vem dizendo nos últimos meses. Que há por aí umas figuras que conspiram e minam o espírito e a estabilidade do grupo, que andaram a fazer-lhe a cama pelas costas, que o Rogério Alves disse uma coisitas pouco solidárias, que o Sá Pinto, ressabiado com ele, estava doidinho para que ele saísse para poder ocupar um lugar mais relevante na estrutura de futebol do Sporting. Chega o Paulo a insinuar que o mau futebol da equipa ficou a dever-se, maioritariamente, a essas vozes mais fortes que as nozes que afectaram um grupo com pouca maturidade.

 

 

Sinceramente, como sportinguista, interessa-me sobretudo se esta entrevista vem ajudar a que o futuro possa ser melhor, através da identificação rigorosa do que correu mal, ou se é apenas um lavar de roupa suja com o propósito prioritário de encontrar mil e uma justificações para um final de reinado sem sucesso. Infelizmente, creio que a segunda perspectiva domina a entrevista. Vislumbra-se uma névoa de culpados e conspiradores, mas pouco ficamos a saber sobre as verdadeiras razões pelas quais Paulo Bento não conseguiu rentabilizar um grupo que teve 4 anos consigo, bem como porque regrediu a equipa em vez de progredir ao fim desse tempo. Caicedo e Angulo? Não estão a render por razões de ambientação, evidente. O Saviola e o Javi Garcia, por exemplo, não sofrem dos mesmos males, para mal das nossas cores...

 

 

Enfim, o Paulo afinal é humano e bem português, não é aquela excepção de verticalidade que se julgava brilhar no firmamento do lusopédio futebolístico. Da entevista destaco, de positivo, a apreciação que faz de Vukcevic. De facto, não me esqueço da afirmação de Vukcevic de que não gostava muito de futebol, que não via jogos na televisão. Como diz o Paulo Bento, apesar do instinto de baliza e da qualidade técnica, quem não gosta do jogo dificilmente está disponível para aprender mais. Confirma-se a desconfiança que venho alimentando: Vukcevic dificilmente colocará em campo o resultado de toda a sua qualidade técnica. É preciso gostar do jogo. Como é preciso gostar-se do Sporting para saber quando e como dizer o que nos corrói a alma, Paulo. Podias e devias ter calado a dor.

 

 

p.s. - Uma vez que pretendo fechar aqui o capítulo Paulo Bento, optei por não colocar fotos da risca ao meio neste post. Acho que as alternativas são bem mais interessantes...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 16:06

De regresso à base

Sábado, 21.11.09

Fotografia de Henry Cartier Bresson

 

Pouco mais de 20 dias por ano desligamos a máquina ininterrupta. Ainda assim, as ansiadas férias raramente coincidem com tempos de paz, recuperação física e mental, comunhão com a terra, o verde, a natureza, a envolvência bucólica que só o puro mundo rural nos concede. Preferimos a praia, os guinchos, o pó dos carros, as vozes que atropelam as silenciosas reflexões, a incompreensível tentação em nos misturarmos com gente, magotes de gente, viveiros de formigas ensandecidas.

 

Sentir o silêncio. Absorvê-lo e com ele intoxicar os pulmões. Cheirar a terra e sorvê-la em golfadas de aromas. O tempo passar sem sentir o peso dos seus implacáveis ponteiros. O brilho da lua em inocente comunhão com o fulgor do sol, sentir indistintamente os raios de sol ou os clarões da lua. Voltar às origens, à quietude da natureza que nunca devíamos ter esquecido. Pernoitemos no tapete de relva, lavemos a alma intoxicada de vida nos riachos do nosso passado.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:17

A Joanna Krupa deseja-vos um bom fim-de-semana

Sexta-feira, 20.11.09

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 22:52

A violência e o escárnio - Albert Cossery

Quinta-feira, 19.11.09

 

 

 

Como combater o poder político instalado, a tirania vigente, sem lhe dar demasiada importância? Essa resposta surge na brilhante obra de Albert Cossery, "A violência e o escárnio". O combate político de um grupo de amigos passa pela criação de situações burlescas que ridicularizam o despótico governante. A trama desenvolve-se acompanhada por uma reflexão irónica sobre o poder, a dessacralização deste por intermédio de uma teatral e divertida farsa que o expõe na sua frágil e artificial seriedade institucional.

 

 

Pelo meio, cruzamo-nos com o Egipto e as vivências árabes, com hábitos que nos soam estranhos. Cossery, o escritor da preguiça, exemplificou com a sua filosofia de vida um novo modo de encarar os ritmos da sociedade actual. Com esta obra, mostra-nos o que para ele é o melhor método para combater o status quo: acima de tudo, convém não levar o sistema a sério. Apesar de ser essa a maior aspiração daqueles que dominam o sistema, é fulcral que os não levemos a sério. A preguiça, essa boa conselheira, recomenda a violência sob a forma de escárnio.

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 20:16

VAI BUSCAR!

Quarta-feira, 18.11.09

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 22:29

ÁFRICA DO SUL, CÁ VAMOS NÓS!!!

Quarta-feira, 18.11.09

 

 

Epá, ganda jogatana da rapaziada! Isto hoje correu às mil maravilhas! Não há que apontar o dedo a nenhum jogador, hoje os rapazes interiorizaram a responsabilidade e soltaram toda a sua classe e vontade de vencer. Deu gosto ver aquele carrocel enleante, a convicção na afirmação de um futebol estilizado, sem esquecer o chutão quando teve de ser. Destaques? O enorme Raul Meireles, o guerreiro Bruno Alves, o incansável Pepe.

 

Evidentemente, o futebol não é tudo na vida. Ainda assim, as rotinas do nosso quotidiano, os aborrecimentos que nos alimentam as rugas, merecem ser recompensados pela bela arte em movimento, pela excitação de torcermos pelos nossos. Hoje estava em causa uma guerra. Todo o ambiente criado pelos bósnios à volta deste jogo foi no sentido de apelar ao espírito bélico da equipa, dos adeptos, da nação. A resposta dos dirigentes da federação portuguesa e dos jogadores foi impecável: tudo bem, nada de especial, viemos aqui para jogar à bola, coisa que se faz dentro de campo, e, sobretudo, viemos ganhar com as nossas armas - as inegáveis qualidades futebolísticas da nossa selecção.

 

 

Além da classe dos nossos jogadores, mostrámos também uma garra muito interessante, sempre temperada pela frieza de quem se sabe superior. Como esperava, o centro da defesa destacou-se pela positiva. Pepe, em frente aos dois centrais, foi omnipresente, sempre antecipando as jogadas, sempre cheirando por onde andava o perigo. Ricardo Carvalho recorreu constantemente à sua instintiva inteligência, Bruno Alves usou e abusou do que falta a esta selecção: força e imposição do físico. Duda fez a melhor exibição ao serviço de Portugal, exibiu um pé esquerdo certeiro no passe e ágil no corte. Paulo Ferreira fez cortes nos limites que evitaram males maiores.

 

 

No meio campo Raul Meireles fez tudo bem, parecia enfeitiçado com tanta magia nos pés. Tiago soube equilibrar, bem à italiana, toda a zona central e a ligação defesa-meio campo. Mais à frente, Simão foi incansável, embora nem sempre consequente nas suas acções. Nani gingou sem parar, enervou os bósnios e esteve no passe decisivo para o golo de Meireles. Liedson foi a carraça do costume, só foi pena não ter tido oportunidade para marcar. Por fim, Eduardo. Se calhar andamos todos enganados, se calhar este homem, no seu jeito simpático e de louco, transmite à equipa mais confiança do que julgamos. Esperemos que sim.

 

Por fim, Queiroz. Critique-se o que se quiser, o que é certo é que o homem sempre acreditou. Começou mal, melhorou, e, até ao jogo de hoje, foi sempre a crescer. Corrijo o que disse há uns dias e arrisco: com Cristiano Ronaldo, com esta defesa e com a confiança instalada em todos os jogadores como hoje, podemos erguer o caneco na África do Sul! Força rapazes!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 22:08

Revista de imprensa - A ruptura nunca será na continuidade

Terça-feira, 17.11.09

Parece-me que isto vem mesmo a propósito da batalha a ter lugar amanhã, em zonas balcanizadas e pouco amistosas... 

  

 

Leio no Courrier Internacional um interessante artigo do jornal Novi List, de Rijeka. Em causa, o recrudescer do hooliganismo que assola o futebol da ex-Jugoslávia. Mero pretexto, segundo o autor, para reavivar os ódios da guerra dos Balcans, os inimigos que usavam botas cardadas são agora trocados pelas enlameadas chuteiras com pitons. Fracas desculpas de quem não consegue, em definitivo, concluir a transfusão do ódio para um passado encerrado nas gavetas da vergonha.

 

Na parte final do artigo, e em jeito de dedo na ferida, procurando identificar-se uma remota solução para o problema, ou, pelo menos, uma explicação para o porquê do desastroso estado de coisas, é citado o filósofo Ugo Vlaisavljevic, de Sarajevo. O texto intitula-se «A guerra como principal acontecimento cultural» e suscitou uma enorme polémica. Afirma o filósofo, sem medo, com a coragem das ideias:

 

 

"A especificidade da experiência local da guerra reside neste facto: após a guerra, a política continua a viver da guerra. Afirmo que vivemos em permanência sob o regime das políticas da guerra. Produzindo constantemente inimigos, essas políticas não podem trazer pacificação. Quando se fala hoje, na Bósnia-Herzegovina, da necessidade de reconciliação, esquece-se que aqueles que nos deviam reconciliar são produto da guerra. Em consequência, estabelecem a sua política, a sua identidade e a sua visão da realidade sobre a experiência da guerra. Para eles, a sua reconciliação significa a auto-destruição."

 

Contextualize-se este raciocínio nos cenários de guerra e de falhadas reconstruções de sociedades dos últimos decénios - África, médio oriente, continente americano, etc. - e tudo se simplificará. A incredulidade com a guerra que não cessa naquele desgraçado país, as permanentes guerrilhas internas de países que morrem aos poucos, tudo isso está acima explicado. Daí a polémica. O dedo penetra bem fundo na ferida, a tonitruante dor na consciência dos povos é devastadora.

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 21:02






mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

pesquisar

Pesquisar no Blog