Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



GANHAR!

Terça-feira, 15.11.11

 

 

A alguns minutos de arrancar para o estádio da Luz para dar um empurrão vocal à selecção de todos nós, pergunto-me se face ao momento que o país vive não devíamos esquecer estas emoções da bola e entregarmo-nos cegamente ao trabalho, à produtividade, à produção incessante de bens transacionáveis e à satisfação na perfeição de todos os caprichos dos cavalheiros da troika. A alguns minutos de arrancar para o estádio da Luz pergunto-me se não andamos todos loucos, embrutecidos pela teia de desinformação que nos enevoa o horizonte e se não esquecemos de vez o que devíamos andar para aqui a fazer. A alguns minutos de arrancar para o estádio da Luz pergunto-me se estes rapazes vão saber representar o país condignamente, indicar-nos o caminho do sucesso, fazer-nos sentir, por esta vez que seja, orgulhosos de ser portugueses. FORÇA RAPAZES, GANHAR, GANHAR, GANHAR!!!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:45

J. Rentes de Carvalho

Segunda-feira, 14.11.11

  

 

Há quem defenda que para percebermos bem a pessoa que amamos nada como estar longe dela. Essa máxima pode igualmente aplicar-se à pátria, o distanciamento devolve-nos muitas vezes a sabedoria e o discernimento que o calor da proximidade nos retira. J. Rentes de Carvalho viveu mais de metade da sua vida na Holanda, foi aí que se afirmou como escritor e ganhou fama. Iniciei a minha relação com Rentes de Carvalho a partir do romance “La Coca” e senti uma estranheza indefinida. Ao chegar ao final da viagem do autor pela sua infância e juventude, pelas terras do norte que lhe marcaram a vida na pele, vi a luz e percebi o que me surpreendeu em “La Coca”. Como escreveu e bem Henrique Monteiro na revista “Ler”, “(…) este holandês transmontano evita as duas doenças infantis da nossa ficção: o pedantismo pensante (Vergílio Ferreira, Saramago) e o onanismo sentimental (Lobo Antunes)”. Rentes de Carvalho faz com mestria o que poucos escritores portugueses sequer tentam, isto é, devolve-nos os nossos cheiros, as nossas cidades e campos, o provincianismo que nos entope os poros, a violência surda que habita os recantos de um Portugal que insistimos não existir. Rentes de Carvalho enche-nos de um país que o esqueceu mas que mesmo assim não conseguiu deixar de amar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:19

A vergonha da voz única veiculada pelo "Expresso"

Domingo, 13.11.11

  

 

No estado em que o nosso país se encontra já espero pouco. Ainda assim, há algumas instituições que respeito e em que deposito algumas esperanças no que respeita à vontade de empurrar para Portugal para a frente, sobretudo porque assentam na competência e na seriedade. Até ontem incluía o “Expresso” nesse grupo restrito de organizações. Mas a crise afecta a todos, pelo que pouco admira assistir a um jornal de referência vergar-se à demagogia barata, à maioria barulhenta e cega, à voz de quem detém os cifrões. De que falo? Muito simples, falo do triste contributo do “Expresso” para o branqueamento das graves acusações de Alan sobre Javi Garcia, que lhe imputa comportamentos racistas no decurso de um jogo de futebol. Em Inglaterra, Itália e noutros países estes comportamentos são investigados a sério de modo a tirarem-se consequências que cortem pela raiz essas condutas. Em Portugal não. Em Portugal o principal jornal semanal faz uma extensa entrevista com o acusado (Javi Garcia), sem sequer se dignar a ouvir a vítima que o acusa (Alan), de modo a que apenas uma única opinião seja conhecida pelo grande público. Como se não bastasse, e para terminar de vez com o assunto, dá à estampa uma entrevista com Eusébio, destacando para a primeira página uma singela frase em que este afirma que não gosta do Sporting porque no bairro dele era o clube dos racistas. Os responsáveis do jornal que decidiram esta linha editorial são uma corja desesperada, desonesta e cobarde, é só o que me ocorre dizer. Uma vergonha!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 12:46

Uma faca de dois gumes

Sábado, 12.11.11

 

 

Tenho dois amigos que trabalham juntos no que pode chamar-se um negócio familiar. Os dois têm uma secretária que a pedido de outro amigo contrataram. Uma rapariga simpática, risonha, abençoada por inomináveis lábios carnudos e intermináveis curvas do pecado. Toda a complexidade que torneava o corpo de Bárbara tinha o dom de aplacar o desespero dos meus dois amigos perante a sua inacreditável incapacidade em assimilar a mais básica informação e em desempenhar as mais simples tarefas. Descrentes no sucesso dos seus esforços para tornarem Bárbara um ser humano produtivo, focaram-se em fazer dela um bibelot humano que atraía clientes com o mel atrai abelhas. Mas tal como não há bela sem senão, também não há possibilidades realistas de manter dois jovens na pujança da idade junto de uma labareda como Bárbara sem proporcionar à vizinhança o esperado espectáculo pirotécnico. E se o Fernando se continha e evitava passar junto de Bárbara nos 25m2 do escritório de contabilidade, apenas denunciando o que lhe ia nas cabeças com um par de olhos quase sempre vidrados nas suas contracurvas, já o Paulo cedeu cobardemente ao apelo da carne. Um fim de tarde em que o Fernando se ausentou foi o suficiente para Bárbara lhe resistir pouco aos piropos, às suas mãos ávidas e ao seu apetite pelo desconhecido. No dia seguinte, qual perdigueiro treinado desde o parto, o Fernando sentiu o aroma do pecado no ar, descobriu nos olhos fugidios de Paulo a traição que desde sempre se anunciara. Só nesse momento o Fernando percebeu que estava estupidamente apaixonado, que sem saber como todos os minutos em que estava só eram passados a imaginar-se nos braços de Bárbara. Só nesse momento fugaz percebeu que a amizade tanto era o mais forte elo que se podia criar com alguém como também a faca mais afiada que lhe podiam cravar no coração.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 13:31

Bósnia 0 - Portugal 0

Sexta-feira, 11.11.11

  

 

Uma selecção de coragem, capacidade de sofrimento, alguma arte e muita organização manteve-se bem viva na eliminatória decisiva. Este espírito combativo e imbuído de ambição demonstrou mais que tudo que a equipa está com Paulo Bento. A destacar um Pepe intransponível e imperial, um João Moutinho que parece ter esquecido os dias cinzentos da invicta para dar tudo pela sua selecção e, como não podia deixar de ser, um capitão Ronaldo que só não levou tudo à frente porque a sorte não o quis. Se há dois jogadores fulcrais nesta equipa são Pepe e Cristiano Ronaldo, um baluarte na defesa e uma gazua no ataque. De resto, o pecado que não consigo perdoar a Paulo Bento é a aposta cega em Postiga. Cada golo que este rapaz marca no Saragoça é uma facada nas possibilidades de Portugal. Vê lá isso Paulo e vejam lá isso rapazes, força aí na terça-feira!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 21:56

Chaplin. Charlie Chaplin.

Quinta-feira, 10.11.11

Não sou muito de mensagens e discursos lamechas. Apesar de adorar o som e a forma como se trabalham as palavras, sempre achei que os exemplos inspiradores assentam melhor em acções do que em palavras, por mais belas que estas sejam. Mas em tempos de desespero há que disseminar a inspiração, o optimismo e as boas vontades por todos os recantos do nosso país, mesmo que soem a lamechice pegada. Sem mais palavras, porque as que se seguem são arrebatadoras.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:49

Emilia Covanova

Quarta-feira, 09.11.11

 

 

A acompanhar um final de tarde chuvoso vem a ausência de vontade em ser interessante, inteligente, perspicaz ou divertido (o que não quer dizer que quando tenho vontade de ser tudo isso consiga ser alguma dessas coisas), pelo que deixo aqui esta bela moçoila, com um nome perfeito para o exercício de um dos desportos nacionais predilectos: a criação de trocadalhos do carilho. Have fun!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 19:00

Carta aberta aos detractores do Paulo Bento

Terça-feira, 08.11.11

 

 

Caríssimos senhores comentadores de programas sobre bolas e apitos, digníssimos escribas de pasquins desportivos e afins:

 

É sabido que um dos grandes problemas do lusitano cidadão é a memória curta. As vossas críticas e dedos apontados a Paulo Bento deixam entender que acreditam piamente que isto era bom era com o Queiroz, quando éramos todos uns porreiraços mas não jogávamos um caracol. Vocês e muitos outros já se esqueceram que há uns meses estávamos com hipóteses ínfimas de nos qualificarmos para o próximo campeonato da Europa, pelo que certamente defenderão que o que o Paulo Bento fez para recuperar uma equipa destroçada não foi nada de especial. Ah e tal mas ele tem muitos conflitos com as vedetas da nossa selecção, guincham as vossas vozinhas de virgens ofendidas. Quanto a isso, deixem-me dizer-vos que tenho poucas dúvidas que se até hoje nunca ganhámos nada com a selecção sénior de futebol foi porque os egos das vedetas sempre se sobrepuseram aos da equipa. Lembram-se de Saltillo? Lembram-se da vedeta João Vieira Pinto a esmurrar um árbitro? Se calhar com um Paulo Bento ao leme dessas equipas tínhamos posto ordem na casa e trazido o caneco. Eu sou pelo Paulo, um homem com H grande que se não tivesse treinado o Sporting teria muito mais gente a reconhecer-lhe o mérito. FORÇA PAULO!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:39

O caminho

Segunda-feira, 07.11.11

 

 

"We think the purpose of a child is to grow up because it does grow up. But its purpose is to play, to enjoy itself, to be a child. If we merely look to the end of the process, the purpose of life is death”.

Alexander Herzen

 

Há reflexões que nos apanham desprevenidos e nos fazem parar. Parar porque nos esquecemos do que nunca deveríamos esquecer, parar porque o som daquelas palavras ecoa numa qualquer parte de nós que a vida vai anestesiando. Falo no que nos faz feliz, falo no que deveria ser o nosso objectivo fulcral: viver felizes enquanto caminhamos pelo novelo que a vida vai desenrolando. Partilhei esta frase no facebook (sim, sim, desesperadamente em busca de likes likes likes) o que me permitiu uma curta troca de ideias com um brilhante e querido amigo com quem não me junto há anos. O facebook deverá ser eliminado das nossas vidas quando substitui as pessoas pela sua réplica virtual, mas há que dizer que para quem não padece desse mal dá muito jeito para matar saudades. Fica o diálogo, simples mas cheiinho de sentido, para entrarmos um pouco mais no sentido das palavras supra.

 

"- Definitivamente, o caminho é mais importante (e interessante) do que o destino.

- Só tenho pena que muito se perca nos meandros da memória, eles mereciam lembrar-se dos melhores anos.

- Mas não deixam de ser os mais importantes na definição do que vão ser."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:47

Braga 1 - Benfica 1 / Sporting 3 - União de Leiria 1

Domingo, 06.11.11

  

 

Entre Braga e Alvalade o Domingo foi de emoções fortes. Jesus, um treinador que reputo de quase genial, faltando-lhe um bocadinho assim para o ser. Essa pitada de genialidade que falta deve-se ao temor que assola a alma do nosso homem quando defronta equipas de valia superior ao normal. Assim, contra um Braga em crescendo, Jesus entra em campo com três médios defensivos (sim, são isso que são Ruben Amorim, Javi Garcia e Witsel). Depois, a perder ao intervalo, a estratégia passa por retirar um Gaitan em excelente forma e fonte de inúmeros desequilíbrios, apostando tudo na estratégia de duas torres na área e corações ao alto. A sorte lá ajudou, mas o medo não abandonou Jesus. Quando se preparava para fazer entrar dois homens para a frente (Bruno César e Nolito) o Benfica marcou, seguindo-se um espectáculo único que foi ver Jesus a gritar loucamente para não se concretizarem as substituições. Para Jesus estava bem o empate e assim terminou o jogo. O povo, na sua sabedoria indesmentível, afirma com um sorriso de desdém que quem nasceu para lagartixa nunca chega a jacaré.

 

 

 

Em Alvalade o jogo começou com um Sporting fortíssimo como é hábito, surgindo como cereja no topo do bolo dessa entrada de leão um fantástico olo de Matishow. Depois, ligeiros tremeliques que fizeram suspirar por Rinaudo e um erro do jovem Ilori que não permite esquecer a questão do momento: 3 centrais lesionados em simultâneo? Epá, eu sei que somos uma equipa com galo, mas vejam lá isso que nem tudo pode ser azar. E Matishow lá  continuou, inventando passes, recuperando bolas, procurando espaços, tudo isto até marcar o segundo golo. E depois a velha e nada saudosa inconsistência defensiva, temperada pela inexperiência de Ilori e pela ausência da calma e do peito feito de Rinaudo. Sem dor e sorte não se fazem campeões e hoje o Sporting sofreu e teve alguma estrelinha. Destaque-se ainda a boa estreia de Santiago Arias e o facto de Wolswinkel continuar a marcar penalties com uma categoria fantástica. Domingos tem que conseguir resolver de forma mais consistente a ausência de Rinaudo, o departamento médico tem que nos resolver o problema central e, por amor de Deus, arranjem lá forma de colocar mais bolas no WolfsIceman! Fica a vitória e os 3 pontos, PARABÉNS E FORÇA RAPAZES!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 22:35






mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

pesquisar

Pesquisar no Blog