Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Do lado da luz

Sexta-feira, 12.07.13

 

 

Escorraçado o insuportável calor das nossas vidas derretidas, ficam, ainda assim, marcas que nos entorpecem a vontade, que nos dilaceram a imprescindível energia que prometemos à troika e sus muchachos. Somos inabalavelmente filhos do sol, do mar, da areia e da modorra. Por mais que queiram fazer de nós autómatos inquestionavelmente produtivos nunca seremos alemães. A nossa riqueza é outra e reside nesse canto da alma que privilegia a luz do sol ao ar condicionado dos gabinetes. Só falta descobrirmos a fagulha que despertará o clique que fará de nós seres incomensuravelmente prósperos e, sobretudo, superiormente felizes. Se estamos do lado da luz não podemos perder, companheiros, pensem lá numa forma de casar o útil com o agradável. Se estamos no lado da luz não deve ser difícil, vejam lá isso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:55

Asneiras na Bruma

Quinta-feira, 11.07.13

 

 

Confesso uma quase total ausência de vontade para escrever sobre o caso Bruma, esse jovem a quem o Sporting tudo deu e de quem, pelo caminho que a coisa segue, pouco receberá. Culpas? Indubitavelmente da incompetência dos anteriores dirigentes que o deixaram ir para uma competição de nível mundial sem lhe renovarem o contrato. Devido à falta de pachorra, deixo aqui uma desapaixonada e certeira análise do António Tadeia, que só falha na última linha do texto. Aí, deveria falar em ex-dirigentes leoninos e não em dirigentes (englobando os atuais), pois se o contrato terminou o mês passado nem o Bruno Carvalho nem a Nossa Senhora dos Remédios conseguiriam contornar a ganância dos abutres que aconselham o ingrato Bruma.

 

"Fala-se demais, no caso Bruma. E o que é chocante é que 95% do que se diz é sobre estados de espírito e interessa ZERO. O futebol é uma atividade altamente profissionalizada, onde se movem milhões. Por isso, tudo o que interessa aqui não é se o jogador deve estar grato ao Sporting ou se o Sporting deve ser meigo com ele para facilitar a renovação. O que interessa aqui é a data no contrato. E, sem ver o contrato, ninguém pode dizer muita coisa ou acertar no que diz. Aliás, mesmo quem viu o contrato, como é seguramente o caso de Bruno de Carvalho e Bebiano Gomes, diz coisas radicalmente diferentes. Por isso, se o contrato foi assinado em 2011 e é válido até 2014, está o Sporting coberto de razão e a conduzir bem o processo. Se foi assinado em 2010 e só era válido até ao mês passado, tem razão o advogado do jogador e os dirigentes leoninos foram inconscientes."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:23

Das palavras e algo mais

Quarta-feira, 10.07.13

 

 

Porque não há mais palavras a inventar, porque todas já foram ditas, porque as que eventualmente tenham ficado por dizer terão o sabor do veneno. Ficam as memórias, sempre as memórias, o lume brando que conforta subtilmente as noites frias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:57

O swing da felicidade

Terça-feira, 09.07.13

 

Fotografia de Chris Steele-Perkins, Wolverhampton Disco, Inglaterra - 1978

 

A derradeira libertação, a que nos mexe com o corpo, que o arrebata, o swing que penetra em nós sem bater à porta nem pedir licença, esquecer tudo o resto, só nós e a música, o som que nos enebria, a bebida da alma, o vício incontrolável, a paixão enlouquecedora que é navegarmos numa tempestade de ritmo! Pobres, ricos, contidos, tímidos, loucos, gente só e sem poiso, mulheres prenhas de amor e D. Juans das cinturas industriais de cidades cinzentas, a cor toma conta de novos e velhos, feios e belos, a música e o impiedoso desejo de soltar amarras da terra lança-nos para os braços da pista da felicidade!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:49

Does it really matter?

Segunda-feira, 08.07.13

 

 

“Size matters?” é uma das mais colocadas e mal respondidas questões da humanidade. Se as mulheres tendem a desvalorizar publicamente a importância do volume das dúvidas e do objecto das mesmas, é bem sabido que nas tertúlias privadas do opinativo mulherio essas questões são esmiuçadas ao centímetro, não se conhecendo desculpabilizações misericordiosas quando os alvos da análise se contêm dentro da mediania, pouco oferecendo ao imaginário feminino que busca sempre algo que dê que falar. Do outro lado, o tão falado ego masculino quase sempre se limita (mesmo que o desminta até ao limite das suas forças) às façanhas com o sexo oposto, com os tempos obtidos, os quilómetros percorridos e as viagens alucinantes proporcionadas ao êxtase de sensações. Mais do que isso, é bem sabido que o principal busílis que pode alcandorar um ego ao topo da torre de cristal ou rebaixá-lo aos calabouços da incomp(o)tência é a danada questão do tamanho. Quantas guerras não terão explodido porque um incompreendido ditador sofria de escassez de centímetros? Quantos governos não terão caído porque um qualquer parceiro de coligação, de ego diminuto (e não só), se sentia inferior face às normais medidas europeias? Ele há coisas que é melhor nem sabermos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:55

Pernas, para que vos quero?

Domingo, 07.07.13

 

 

Para seduzir, para desviar a atenção, para compor o conjunto, para dar com um tipo em doido, para desfazer casamentos, para habilitar perigosas acrobacias não aconselháveis a menores de 18 anos e maiores de 65, para perceber que a seda pode ser a própria pele, para acariciar, para beijar languidamente, para entrelaçar o objecto amado, para subir na horizontal, and so on and so on…

 

 

 

 

 

 

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:59

A day at the beach

Sexta-feira, 05.07.13

 

 

Recordaremos não os dias de praia em que o sol mais nos confortou, ou em que a água brilhava perfeita como um espelho, mas os dias imperfeitos em que a companhia apagou a memória de tudo o que nos rodeava, porque aqueles dias, aquele lugar, resumem-se a essa partilha. Esta fotografia e reflexão trazem-me à memória uma perceção que sempre fui tendo sobre os resolutos amigos e conhecidos que vivem para a próxima viagem (só ou acompanhados). Sempre pensei que não é chegando àquele novo destino que irão encontrar o que procuram. Atingir esse desejado sítio poderá ser um marco na vida de alguém, sim, mas para isso é preciso que, previamente à viagem, dois pontos estejam plenamente resolvidos no interior do viajante.

 

1)     Viagem individual - o bem-estar consigo próprio tem que estar a um nível que permita a saudável solidão da viagem. Isto é, não se aconselha substituir a ausência de alguém pelo sítio, pelo caminho, pelo alcançar do destino. O propósito tem mesmo de ser esse, buscar só o encontro com um destino, o processo e o percurso da viagem porque connosco e com o mundo está tudo em ordem. Fazer da viagem uma fuga é isso mesmo, não uma viagem mas uma fuga. Viajar para refletir sobre a vida do viajante é desperdiçar tempo e dinheiro, porque a reflexão se pode fazer no sofá lá de casa.

 

2)     Viagem a dois ou em grupo – Se viajamos com pessoas de quem gostamos, deixando para trás aquela pessoa, toda a viagem será ensombrada pela ausência desse fantasma. Inicialmente, poderá pensar-se que é mais fácil não pensar na ausência perante novos mundos e renovados cenários, mas os novos fascínios só reforçarão a vontade não concretizada de os partilhar com o fantasma que paira por ali.

 

Eu sei, esta conversa parece-se bastante com as conversas do zodíaco das revistas cor-de-rosa. Nunca sabemos o que o futuro nos reserva, o melhor é ir treinando.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:02

Halle Berry Lewinsky

Quinta-feira, 04.07.13

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:01

Uma generosa gorjeta de fim de dia, será o caminho para a felicidade?

Quarta-feira, 03.07.13

 

 

Todos os dias ali estavam. O mesmo recanto confortável, a mesma pose pedante e negligentemente descontraída, as bebidas irrepreensivelmente frescas. No fim do dia, uma gorjeta estupidamente generosa assegurava-lhes, com efeitos retroactivos, o recanto e a frescura – a pose, essa, estava por conta delas. Dir-se-ia que eram felizes. Para os seus padrões do que é um dia luxuosamente bem passado eram felizes. Tinham homens a adulá-las sempre que queriam (quando não o desejavam enxotavam-nos com um olhar ou um trejeito de desprezo), amigas que iam e vinham elogiando repetidamente os penteados, os bikinis última moda, o tom de pele, a cor das unhas, o aromático fedor dos pés, se necessário o fosse. É raro o momento mágico em que sorriem abertamente, em que se esquecem dos seus deveres para com a classe, para com a irrepreensível posição de modelos cool, e se permitem uma gargalhada, uma ou outra palavra proferida com sonoridades mais desbragadas. Estão presas na rede que teceram e sentem-se felizes nessa clausura. Fica por saber se conseguiriam viver fora dela, se o desejariam, se estariam talhadas para quebrar a redoma em que se auto-cristalizaram. Custa-me apenas a crer que a felicidade resida naquele recanto, que aquela eterna pose não seja causa de futuras escolioses, que o gelo das bebidas não lhes gele as próprias veias.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:09

Naufrágio à boa maneira portuguesa

Terça-feira, 02.07.13

 

 

Abomino facadas nas costas dentro da família tanto como odeio lavagem de roupa suja fora de casa. Desprezo gente com responsabilidades reforçadas que apresenta o senso comum de jovens primeiranistas de tunas académicas manhosas. Dificilmente respeito crianças que, propositadamente, escolhem as piores alturas para fazer birras incompreensíveis. Sinto profunda repulsa por gente que põe à frente do bem estar do grupo as suas mal ocultas agendas pessoais, repudio terminantemente sujeitos que causam a avalanche e assobiam para o lado como se nada com eles fosse. Era para falar da política à portuguesa mas estou almareado com a loucura que grassa no meu país. Não tarda nada estão aí a regressar os submarinos (será que se enjoa num submarino?), os cursos tirados na farinha Amparo, os negócios mal paridos nos tempos das juventudes partidárias e, enquanto o tempo se esgota nestas aleivosias de miúdos traquinas, o país enterra-se na sua própria irracionalidade. Se para Tomislav Ivic Fernando Gomes “é finito”, para os malditos e sequiosos mercados Portugal é igualmente finito. Agarrem-se que o barco vai ao fundo!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 21:59






mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

pesquisar

Pesquisar no Blog