Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



"A zona de interesse" - Gatos, ratos e homens

Sábado, 12.09.15

2.jpg

1.jpg

O gato todo poderoso e o rato nu, entregue à sua condição histórica, ao seu incontornável estatuto. A sede de poder é a raíz da humilhação e da inacção a que se entrega o rato. A fraqueza do gato é a percepção de que o rato não tinha alternativa e é isso que lhe aguça a crueldade, a contrariedade dessa falta de resistência. Quando o mundo se entrega a este jogo animal aproxima-se ciclicamente do seu fim. O círculo do mal termina só para começar noutra era, noutro ponto do globo. Uma e outra vez o gato esmaga o rato impassível.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:36

O regresso da poesia - Saudade

Sexta-feira, 11.09.15

saudade.jpg

Na adolescência escrevia poemas com a frequência com que o Jardel metia a redondinha lá onde a coruja dorme. A juventude chegou e isso da poesia perdeu espaço para as coisas práticas da vida (copos, miúdas, copos e miúdas). A capa de gajo sensível que as moçoilas sempre apreciaram em mim (aquelas que valiam a pena) foi perdendo brilho à medida que os genes olivalenses ganhavam força, que macho que é macho anda lá agora a escrever parvoíces em forma de verso. Hoje, ainda longe da fase da vida Mário Soares “Estou-me a cagar para o que digo e para o que pensam do que eu digo”, terá chegado a altura de voltar atrás no tempo e, talvez, quem sabe, voltar a ser um pouco mais do que realmente sou. O que ontem foi um texto sobre a saudade, floriu e desabrochou num poema de saudade. Nunca é tarde para voltarmos a ser adolescentes, nunca é tarde para um poema.

 

Dizem que a saudade não se traduz

que a língua inglesa a desconhece

que é só nossa

esta ausência indefinível

esta dor sem cheiro.

Dói quem a vida nos abandonou

dói quem fica mas para sempre se perdeu.

 

Tenho saudades de tudo.

Dos dias sugados a jogar à bola na rua

dos amigos dispersos para lá dos oceanos

dos beijos que não dei

dos que dei e são já passado.

Saudade é bradar ao vento que o que hoje temos não chega

o que hoje se esvai só

nos lega o vazio

o que recebemos é sempre menos do que ontem tivemos.

Somos um povo estranho

marinheiros perdidos na inconsciência desta lusitana maldição.

 

Saudade é ser Verão todo o ano

sentir as memórias do sal a beijar o corpo

a espuma do mar a secar-nos na pele.

Saudade é impedir que os caminhos da memória

esbarrem numa parede nua e fria

é esgotar as palavras que estavam por dizer ou inventar

é deixar as memórias no lume brando da fogueira

que conforta as noites frias.

 

Tenho saudades dos joelhos esfolados na gravilha

dos beijos que dei ou que apenas sonhei.

 

O que somos é feito do passado que tecemos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 15:30

As simple as that

Quinta-feira, 10.09.15

 

3.jpgSentar-me neste pontão, em qualquer outro sítio onde esteja só eu e os pensamentos que me fazem feliz. Na minha varanda a beber a lua e a idolatrar as estrelas que não estão no céu mas me apertam o peito. A felicidade sempre à mão de semear, basta querermos, meus amigos. As simple as that.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 22:34

Saudade

Quarta-feira, 09.09.15

 Hans van der Meer_Budapeste 2000.pngFotografia de Hans van der Meer, Budapeste, 2000

 

Dizem que a palavra saudade não tem tradução para a língua inglesa e para muitas outras línguas. Não sei se isso se deve à riqueza da nossa e à pobreza das outras, ou se de facto se confirma que somos um povo saudosista, agarrado ao passado e doentiamente nostálgico pelo que passou, pelas pessoas que ficaram lá atrás ou que, ainda presentes, não mais conseguiremos recuperar. Eu tenho saudades de tudo. De passar os dias na rua a jogar à bola, dos amigos que deixei noutros continentes, dos beijos que não dei, dos que dei e são já passado. A saudade é a nossa forma de dizer que o que hoje temos nunca é suficiente porque o hoje constantemente se esvai e nos entrega ao vazio do que não para de chegar e que sempre nos parece menos do que o que já foi. Somos um povo estranho. Tenho saudades dos tempos em que não me preocupava com isto e muito menos tinha consciência destas idiossincrasias que os genes da nossa lusitanidade nos legaram. Tenho saudades de fazer mossas nos carros com pontapés estratosféricos e de abalar como se aquela fosse a corrida que me salvaria a vida. Tenho saudades de fugir dos ciganos do bairro do Camboja (as barracas da encosta que dava para a Av. Gago Coutinho) ou de lhes fazer emboscadas nos terraços dos vizinhos com projécteis rupestres. Sim, antes os ciganos eram nossos inimigos assumidos, por nós e por eles, e nem sequer se falava em xenofobia ou se fabricavam integrações forçadas. Era assim e pronto, sem teses de doutoramento sobre a fenomenologia das coisas e sem paparazzi a invadirem-nos as ruas e a explorarem-nos as vergonhas. Tenho saudades dos joelhos esfolados da gravilha. Tenho saudades dos beijos que não sei se dei ou se apenas sonhei.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 13:58

O dia em que Annie Leibovitz fotografou Scarlett Johannson

Terça-feira, 08.09.15

 Annie Leibovitz shoots Scarlett Johannson.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 19:08

Albânia 0 - Portugal 1

Segunda-feira, 07.09.15

IMG_20150907_215613.jpg

O mais fácil é pegar numa exibição esforçada mas pouco inspirada, falar de um Eliseu medíocre, de um Miguel Veloso inconstante e trapalhão (apesar do golo), de um Danny que continua a não funcionar na selecção, da falta de solução crónica para o posto de ponta de lança e criticar Fernando Santos. É fácil mas estúpido. Porque alternativas não há muitas, porque são "só" 5 vitórias em 5 jogos do apuramento, porque há Bernardo Silva, Danilo, João Mário (embora não perceba a sua ausência hoje) e o regresso de eternamente brilhante Ricardo Carvalho. Uma selecção não se critica enquanto joga, apoia-se, aprendam isso de vez! Critiquem antes ou depois, mas durante os 90 minutos vibrem, sofram, dêem tudo por ela, porra! Força Portugal!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 22:09

Guia para um fim de tarde naquele bar

Sábado, 05.09.15

 café.jpg

No conforto da penumbra. Primeiro um café. Quente, forte, um shot de energia que não deixe o corpo moldar-se preguiçosamente à madeira do assento. Depois, um whisky velho, sem gelo, quanto muito uma colher de café com água a pingar-lhe a cor de ouro velho, velhos truques para libertar aromas escondidos. Os lábios a beijarem a borda do copo, um beijo longo, um namoro sem regras mas sem precipitações. O calor do álcool a compor o cenário. O banco da ponta do bar, mais perto das mesas, da entrada. Vislumbrar despreocupadamente quem entra. Deixar as vozes dançarem na cabeça, dirigir o foco para uma ou outra conversa menos enfadonha. Trocar sorrisos serenos e despreocupados com a rapariga do bar, se o for, ou frases cúmplices e compinchas com o barman, se for esse o caso. Evitar conversas de bêbedos ou de solitários em busca de o ser. Aguardar. Não baixar a guarda. Ela acabará por entrar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:36

Afinal, fui amado por dezenas de mulheres toda a minha vida e não me apercebi...

Sexta-feira, 04.09.15

 

amado.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:31

De boas intenções está o inferno cheio

Quinta-feira, 03.09.15

Pristina, Kosovo, 1999 by Abbas.jpg 

Esta não é uma foto de uma criança que jaz morta na beira-mar de uma praia ocidental mas é a outra face da mesma moeda. É uma foto tirada em Pristina, no Kosovo, em 1999, que espelha a violência que é fazer das crianças vítimas ou adultos à força. Não vou escrever sobre o drama inqualificável dos refugiados, sobre a mais que vergonhosa posição da maioria dos países europeus, sobre o excesso de palavras dos cidadãos europeus e a escassez de acções destes mesmos, incluindo de mim próprio. Como escreveu alguém, derrotado, por terras facebookianas “Se calhar devemos todos parar de falar e fazer o que nos compete. É um imperativo moral.”. Dispensam-se palavras, exigem-se acções. Pensar nisto e agir. Pensar nisto e agir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:40

Da importância de uma educação esmerada

Quarta-feira, 02.09.15

tronco frente 14.jpgGente que se julga o farol das boas maneiras e da moralidade, gente que abre a boca para soltar o fel quando o sabor que na boca lhe fica é a mel. Gente que distrata inferiores hierárquicos ou empregadas de mesa porque sim, porque pensa que é essa a moral vigente. Gente que escreve uma mensagem de correio eletrónico com a graciosidade de uma adolescente iletrada e perturbada pelos suores próprios da idade. Gente que só vai lá com um par de estalos. E outro, e mais outro.  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 16:06






mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

pesquisar

Pesquisar no Blog