Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



"O adeus às armas" - O conforto do fim

Domingo, 04.03.12

  

 

"- O homem na maca por cima de mim está com uma hemorragia.

- Estamos quase no alto. Sozinho não posso tirar a maca para fora.

Pôs o motor novamente em marcha. O sangue continuava a escorrer. No escuro, eu não podia distinguir de que parte da maca ele caía. Tentei afastar-me para o lado para não me cair em cima. O que tinha escorrido para debaixo da minha camisa era quente e viscoso. Na perna que me doía sentia-o frio, o que me fazia ficar enjoado.

(…) Passado algum tempo o fio de sangue diminuiu, e passou a cair novamente em pingas; ouvi e senti a maca por cima da minha cabeça mover-se quando o homem se instalou mais confortavelmente.

- Como vai ele? – perguntou o inglês. – Estamos quase a chegar.

- Morreu, ao que me parece – disse eu.

Agora as pingas caíam muito lentamente, como caem de uma estalactite de gelo depois do pôr do sol. Estava frio dentro da ambulância, no escuro, naquela estrada em rampa. No posto no alto da encosta tiraram a maca, puseram outra e prosseguimos."

 

Este punhado de palavras pode resumir todo o estilo de Hemingway. Seco, frio, limado até à medula do essencial. E depois a frieza da morte num cenário de guerra. Apenas uma morte, apenas mais uma morte. Sem grandes alaridos, um esperado fim para uma actividade de risco e sem sentido. Dificilmente me esquecerei da forma como Hemingway descreve a percepção que um soldado tem de que outro morreu: “(…) quando o homem se instalou mais confortavelmente.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 14:53


Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.





mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

pesquisar

Pesquisar no Blog