Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



O longo percurso da adultescência

Quinta-feira, 03.01.13

 

 

Não sei em que se tornarão os meus filhos, como será a sua viagem por esta estrada sinuosa que é a vida. Desconheço que raça de adolescentes encarnarão, em que casta de jovens se incluirão e em que colheita de adultos desembocarão. Mas muito do que hoje vou vendo por aí preocupa-me e muito. Suspeito de uma boa carrada de erros que me parece que tantos paiszinhos de ontem e de hoje têm cometido, mas preocupa-me muito mais descobrir o caminho certo para não os repetir. Não estou imune à asneira e sei bem que o amor cego muitas vezes impede-nos de vez os melhores caminhos, muitas vezes porque o melhor nem sempre é o menos doloroso. Este artigo da New Yorker, que compara a visão de duas antropólogas sobre a responsabilidade social e a capacidade de emancipação das crianças da tribo Matsigenka da Amazónia Peruana, com os hábitos eternamente infanto-adolescentes das crianças e jovens de Los Angeles pode ajudar-nos a abrir os olhos para muitas das asneiras que mais tarde lamentaremos . Para quem se interessa pelo tema recomendo vivamente que percam uns bons minutos com a sua leitura, que serão não gastos, mas muito bem ganhos. Deixo estes trechos para aguçar o apetite.

 

 

 

“Why do Matsigenka children help their families at home more than L.A. children? And Why do L.A. adult family members help their children at home more than do Matsigenka?” Though not phrased in exactly such terms, questions like these are being asked—silently, imploringly, despairingly—every single day by parents from Anchorage to Miami. Why, why, why?”

 

“(....) contemporary American kids may represent the most indulged young people in the history of the world. It’s not just that they’ve been given unprecedented amounts of stuff (…), They’ve also been granted unprecedented authority.

 

“Parents want their kids’ approval, a reversal of the past ideal of children striving for their parents’ approval”.

 

“By working so hard to help our kids we end up holding them back.”

“In contrast to American parents, French parents, when they say it, actually mean it. They view learning to cope with ‘no’ as a crucial step in a child’s evolution, Druckerman writes. It forces them to understand that there are other people in the world, with needs as powerful as their own.”

 

“A lack of discipline is apparent these days in just about every aspect of American society.”

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 20:46


5 comentários

De Teresa a 04.01.2013 às 10:16

Ai por Amor da Santa da Ladeira! Lá vem o complexo do Americano a comparar-se com o Francês.... a quantidade de americanos que acham as cozinhas da Provença - com o seu ar decrépito e javardoso - um must-have não está nem escrito.

Para esses - e complexados - não há mulheres mais bonitas, mais formosas, nem homens mais charmants, nem crianças mais educadas. Para eles, e por alguma razão, tudo é luz e beleza ... Eu acho que os Pais do Sul dos EUA criam os filhos de uma forma melhor do que qualquer francês que eu conheça...

Mas vou ler o artigo, odes ter escolhido mal as quotes...

De Teresa Faria a 04.01.2013 às 11:21

Tenho cá as minhas teorias, mas não tendo a experiência prática de educar uma criança nem sendo antropóloga, refreio-me de arrotar postas de pescada sobre o artigo... Prefiro deixar inspirações alheias.

Relembro uma frase que vi no face: "The life you live is the lesson you teach",

recomendo a leitura do "Filho de mil homens", de Valter Hugo Mãe,

e deixo esta citação de Saramago:
"Filho é um ser que nos emprestaram para um curso intensivo de como amar alguém além de nós mesmos, de como mudar nossos piores defeitos para darmos os melhores exemplos e de aprendermos a ter coragem.
Isto mesmo ! Ser pai ou mãe é o maior acto de coragem que alguém pode ter, porque é se expor a todo tipo de dor, principalmente da incerteza de estar agindo correctamente e do medo de perder algo tão amado.
Perder? Como? Não é nosso, recordam-se?
Foi apenas um empréstimo".

De Teresa a 04.01.2013 às 12:13

Já li e nada de novo... nem das apreciações "grass is always greener" nem do que se passa nos lares Americanos e de todo o Mundo.

Olha, tínhamos aqui tema para dias seguidos, sem ir à cama, para debate e discussão.

Eu pertenço ao Camp que os miúdos não são tão maus como os pintam; pelo menos não em nº que justifique amostragens do género "os adolescentes são... ou fazem..." porque há miúdos cujo valor, valentia e realidade de vida batem qualquer punkzito de 5ª avenida ou Av. de Roma . Aliás uma das coisas que menos gosto na vida são generalizações. E comparações (mais isso já faria duas, certo?!)

Casa de Pais, Escola de Filhos. Faças o que fizeres, mais a genética que já transmitiste, eles serão S-E-M-P-R-E um resultado final das escolhas que eles próprios fizerem. Dá-lhes essa responsabilidade. E esse crédito. Dá-se tão pouco crédito e confiança aos miúdos. Grande parte por causa dos medos.

Fear not, Dear Friend. Choose LOVE!!!!


(eu sempre fui vista e tida como demasiado rígida. sim levantam-se a 1 de Janeiro para ir à Missa, quer tenham ficado em casa e deitado cedo, quer tenham ido ao Casino e chegado "hoje"... não se anda de pijama em casa... come-se sempre na mesa "posta" (aqui há uns anos o meu filho sentiu que um amigo [que, praticamente, vivia lá em casa: almoçava, jantava, brincava e chegou a tomar banho] a afastar-se e ao confrontá-lo sobre o que se passaria o outro chamou o meu de "betinho", o meu, naquela fase de que antes doença grave que beto, disse "eu betinho? não. porque dizes isso?" e o outro respondeu "não que não és. a tua mãe até põe guardanapos na mesa em todas as refeições" )... brinca-se... ri-se... joga-se... castiga-se... abraça-se. Eles precisam do meu carinho e aprovação, tal como eu preciso do deles (por isso não vou ao portão receber os amigos deles de roupão e chapéu de cowboy ahahahahah nem eles fazem fitas à frente dos meus ahahahah. E nem somos Franceses ahahahah isso são complexos além Atlântico

Abraço,
T

De Teresa a 04.01.2013 às 14:58

Isto responderia a todos os problemas que grassam ali (e em todo o Mundo):

"Letting things slide is always the easiest thing to do, in parenting no less than in banking, public education, and environmental protection. A lack of discipline is apparent these days in just about every aspect of American society."


A senhora tem um arsenal em casa and "never mind", a criança pinta o cabelo de vermelho e desiste da Universidade and "never mind", vem aí o Furacão Sandy and "never mind", pedófilos a trabalhar nas escolas and "never mind"... há aliás várias variações deste cartoon:


media.photobucket.com/image/recent/jakebogdan/root/november/GreatMinds-1.jpg


E de never mind em never mind...

O artigo está muito bom. Ficas a sentir-te muito inteligente geneticamente porque todos esses PhD chegam a conclusões que a minha Tia Marquinhas que nunca teve filhos mas Criou uma "data" de catraios te diria.

Bom fim-de-semana!

De bolaseletras a 04.01.2013 às 22:20

Caras Teresas,

Este tema é infinitamente rico e não sei se são estas teorias que nos vão dar as luzes necessárias. Sei que estas trocas de opiniões nos ajudam a pensar e muito pelo que vos agradeço os preciosos contributos e achegas. Só a vida nos mostra o melhor caminho, e é o que fazemos com a nossa vida que vai ditar o nosso futuro e invariavelmente o dos nossos filhos. Também acredito que além do que lhes damos eles carregam às costas a sua própria matéria genética, nem sempre totalmente dependente dos nossos genes.

Acho que também aqui a solução estará no equilíbrio: deixá-los seguir os seus caminhos (mantendo o olhar mais apertado quando se notam descaminhos) para lhes permitir descobrirem erros por eles próprios e, sabiamente, com ponderação, guiá-los sem lhes prender a direcção do volante.

Bom fim de semana!

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor




Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

pesquisar

Pesquisar no Blog