Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]



A possibilidade de uma ilha - o riso a sete chaves

Segunda-feira, 11.02.13

 

 

“Tal como o revolucionário, o humorista assumia a brutalidade do mundo, e ele respondia com uma brutalidade acrescida. O resultado da sua acção não consistia, porém, em transformar o mundo, mas em torná-lo aceitável, transformando a violência, necessária a toda a acção revolucionária, em riso”.

 

“Tinha agora quarenta e sete anos, há trinta que decidira provocar o riso dos meus semelhantes; presentemente, estava acabado, esgotado, inerte. A centelha de curiosidade que ainda subsistia no olhar que lançava sobre o mundo iria extinguir-se em breve e eu seria como as pedras, com um vago toque de sofrimento. A minha carreira não fora um insucesso, pelo menos comercialmente: se agredirmos o mundo com uma violência conveniente, ele acaba por vomitar a porcaria do dinheiro; mas nunca, nunca nos restitui a felicidade”.

 

Nestes dois monólogos do protagonista desta obra única de Houellebecq, apetece destacar a elegância e precisão das palavras. Para além da forma, é impossível não submergir no pensamento do autor, na clareza e violência com que despe a condição humana. Se no primeiro trecho se explora a essência do humor como arte de tornar a vida mais suportável, no segundo toda a dor que assedia o ser humano é apresentada como inevitável, impenetrável, a felicidade como um segredo fechado a sete chaves que nem o dinheiro e a fama podem revelar. Um livro como uma porta aberta para nós próprios e para a percepção do mundo e dos “mundos” que nos rodeiam. É isso que deve ser um livro.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:44


Comentar:

CorretorMais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.





mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

pesquisar

Pesquisar no Blog