Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Eternos campeões!

Sábado, 03.12.16

IMG_20161203_195603.jpg

 

É este o Sporting que eu amo é este o Sporting que eu quero. O Sporting que coloca os valores acima de tudo, que exerce o desportivismo e o fairplay em permanência e acima das vitórias efémeras, um Sporting cujos valores, atitudes e forma de estar tenho orgulho de transmitir aos meus filhos. A solidariedade com os malogrados jogadores da Associação Chapecoense foi uma perfeita manifestação do que é ser Sporting. Que descansem em paz os eternos campeões de Chapecó, que os sportinguistas e quem neste momento comanda os seus destinos saibam seguir este caminho.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 20:06

Obrigado Leonard - Dance me to the end of love

Sexta-feira, 11.11.16

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:02

Da difícil arte de como morrer feliz

Quarta-feira, 21.09.16

  

z_How to die with a smile on the face.jpg

 

O mar, a beleza de uma mulher, uma paisagem de cortar a respiração. Nada mais nem nada menos, isto tudo e só isto. Despidos de civilização, entregues à essência e pureza das coisas. Um sonho.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:57

A viúva negra

Quinta-feira, 02.06.16

  

Yaya Kosikova_viuva negra.jpg

 

O luto tomara conta de si até ao fundo de si mesma. Uma espada com arestas de diamante rasgara-lhe a carne com uma precisão demolidora. Terminados os rituais fúnebres sorria por dentro por saber que aquela última despedida do seu homem de sempre e para sempre, tinha sido certamente do seu agrado. Depusera-o na terra como ele sempre a conhecera – ousada, única, apaixonada, louca, senhora de si e dos seus desejos. Gostavam de chocar porque desprezavam uma sociedade que se abespinhava com a paixão, o sexo, a pele e a carne, uma sociedade que se ocultava sob a alvura e hipocrisia dos seus lençois impolutos, das paredes cinzentas das suas casas abençoadas. Naqueles corpos semi-vivos fervilhava o desejo que esmagavam sob o peso dos seus pudores, regras e regrinhas. E sorria por dentro por saber que também ele sorria na sua última morada.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:19

O rebanho

Sexta-feira, 20.05.16

  

John Trent.jpg

  Fotografia por John Trent

 

O olhar baço replicava as suas almas indiferenciadas.

A fuga desesperada da exclusão

do dedo acusatório a quem se afastava do caminho

mimetizou as suas almas e vontades numa paisagem de indistintas cores

de um branco sujo mesclado pelo cinzento do esquecimento

de transparências opacas imunes à luz do sol.

 

O caminho era agora uma infinita linha recta

paralela ao silêncio das almas penadas

uma estranha comunhão entre uma vida sem sentido

e uma morte que não se sente

pois já nada se sente.

 

O olhar resistia sem razão à força surda da ausência de vontades.

Viver era espreitar eternamente a fronteira indistinta do nada que jaz do outro lado do rio.

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 08:13

American sniper

Segunda-feira, 08.02.16

american-sniper-movie-hd-wallpaper[1].jpg

 

American sniper de Clint Eastwood tem tudo para ser um clássico cliché dos filmes americanos de guerra e não deixa de o ser, porque tudo o que é tratado e repetido até à exaustão o é, porque a vida e a arte que a imita mais não é que um saco cheio de clichés amontados. O cliché é o horror da guerra, o impacto que isso tem para as famílias dos que vão atuar nesse teatro de morte, o trauma pós-guerra desses atores e novamente o impacto que tem nas famílias essa destruída/destrutiva nova pessoa que encarnou num novo espírito, a mais perfeita transformação de um actor. O filme tem tudo isso, mas Clint Eastwood teve o génio de tornar a glorificação de um soldado americano que se tornou um mito na guerra do Iraque em algo mais. Bradley Cooper regressa a casa, para os filhos e a mulher que indubitavelmente ama, mas nunca regressa de facto, o que faz com que por quatro vezes regresse ao Iraque. The legend, como lhe chamam, aquele que matou dezenas de iraquianos para proteger os seus compatriotas, sentia que, como um Deus, podia evitar as mortes dos seus irmãos de armas e de sangue. Amava a família mas sentia que algo maior lhe estava destinado, que regressar à América era abandonar à sua sorte aqueles que tinha o dom de poder salvar. Geralmente o cliché aponta para a dor por estar longe de casa, o sofrimento dos soldados, o regresso ansiado e manchado pelos infinitos traumas da guerra. Eastwood deu esta volta ao enredo e saiu-se bem. Bradley Cooper só redescobre a paz quando, de regresso a solo americano, consegue ajudar veteranos de guerra a atenuarem as suas dores. Antes disso, era como um médico que negligencia a família porque sente que a sua missão é salvar muitas outras, como um cineasta que aos oitenta anos, depois de produzir dezenas de filmes ainda sente que pode mudar a perceção do mundo, aperfeiçoar a arte mais e mais. Como um D. Juan que ama a sua mulher mas que sente que pode dar felicidade a tantas mais mulheres. Nada é preto, nada é branco, o que a milhares de olhos é errado pode criar tanto bem a milhares de outros. Não há mal e bem absolutos, tudo é relativo, tudo depende da perspectiva de quem perde o bem ou de quem dele usufrui.

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:07

A sentinela

Terça-feira, 26.01.16

 

Quietude.jpg

 

Não há paz que sempre dure não há agitação que nunca acabe. Por mais que busquemos a calma a nossa natureza encontrará forma de nos devolver à tormenta dos mares revoltos. Mesmo nos casos em que a nossa própria natureza se acomoda melhor na almofada da quietude há sempre alguém que embirrará com essa modorra irritante e nos lançará na mesa do jogo da vida, como um par de dados descontrolados. É a lei da vida, é a lei das gentes. Se tal não fosse o mundo seria um mar morto e para mortes já nos resta aquela que nos aguarda a todos, a derradeira sentinela da vida que nos questionará sobre o que andámos para aqui a fazer. Nesse momento, mais vale ter algo a reportar do que morrer mudos e entediados. Vejam lá isso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 15:14

Ground control to major Tom (41)

Terça-feira, 12.01.16

 

david.jpg

 

Ontem, no dia em que fiz 41 anos, soube, como o mundo, como todo o mundo, que David Bowie abandonara o mundo a que tanto dera. Não sinto a idade, nunca a senti, mas sinto que com os anos que passam, lentamente, o mundo vai mudando. Vai-se o génio de Bowie e não me parece que haja quem o substitua à altura. Vai-se dissolvendo a ingénua infância dos meus filhos e não sei se para a frente os seus sorrisos continuarão a espelhar tanta pureza, tanta alegria sem grilhetas e sem limites. Pode parecer que há algum pessimismo nesta palavras, mas não, o que há é a crescente percepção de que envelhecer é saber adaptarmo-nos ao que é e ao que vem, nunca esquecendo o que foi e que para sempre nos marcará.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:29

Mesa cheia - Feliz Natal

Quinta-feira, 24.12.15

FB_IMG_1451586124641.jpg

Não viveremos eternamente, sabemos isso como uma criança sabe que ama os seus pais - é instintivo, é de sangue, é de carne. Não obstante, tememos a nossa morte e a dos que amamos mais que tudo, como se o medo afastasse essa negra nuvem ou ajudasse a adiar o inevitável. Quem amamos e perdemos estará sempre connosco, quem amamos e está ausente está dentro de nós, ainda mais presente pela força da saudade. A solidão é a incapacidade de amar. Quem amou ou ama nunca está só. Feliz Natal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:24

Olho por olho, dente por dente?

Segunda-feira, 16.11.15

 

true.jpg

  

Não tenho bem a certeza porque é que a frase acima, que já de si não é simples nem pura, me conduziu à imagem abaixo, toda ela indiciadora do que comumente se designa por impuro, pouco dada a simplicidades e bem mais amiga do complexo universo de Helmut Newton, que produziu este estranho quadro no início da década de 70, num qualquer apartamento de Paris. A perversidade que se adivinha por detrás das quatro paredes não será estranha a quaisquer outros casulos domésticos. Esse toque erótico-maligno, mais ou menos indecoroso, bem presente ou melhor escondido sob a pele dos nossos tabus, existirá sempre abrigado da moral da “vida em público”. Ainda assim, olhando para os recentes acontecimentos de Paris, é legítimo questionarmo-nos sobre onde reside agora o mais fundo da perversidade dos homens. É nos pecadilhos carnais que se adivinham nas sombras invisíveis que os cortinados escondem, ou é no sangue que escorre, lento e frio, para as sarjetas que outrora apenas recebiam as águas de Outono? Bin Laden, esse profeta das trevas, disse um dia: “Nós temos jovens que amam a morte mais do que vós amais a vida”. Como lutar contra isto? Como não ceder ao apelo do ódio, do olho por olho, do dente por dente?

 

Helmut Newton, Paris, 1979.jpg

P.s – Cruzei-me com esta imagem na passada tarde de sexta-feira, poucas horas antes do massacre de Paris. Encontrei nela uma perversa beleza que não soube traduzir, senti ao contemplá-la um ligeiro arrepiar na espinha sem razão aparente.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 13:59





mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

pesquisar

Pesquisar no Blog