Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


José e Tiago, vejam lá isso (Chelsea 1 - Atlético de Madrid 3)

Quarta-feira, 30.04.14

 

Pergunto-me se naqueles tempos e com aquelas equipas em que ninguém esperava milagres de Mourinho e das suas equipas (vide tempos do Porto e do Inter de Milão), se Mourinho se sentia mais livre para arriscar, menos pressionado pelas expectativas dos adeptos, dos jornalistas, dos presidentes, de toda uma horda que hoje lhe exige, face ao seu estatuto e às glórias alcançadas, nunca menos que vencer tudo. Se com o Real Madrid me parece que o choque de egos entre Mourinho e demasiadas prima donas para o seu gosto (mais que todos, Casillas e o próprio Cristiano Ronaldo) lhe minaram o percurso e o sucesso máximo, neste Chelsea envelhecido e esticado até ao limite Mourinho tentou sempre que a sua sagacidade táctica lhe trouxesse as vitórias que nunca acreditou que a qualidade dos jogadores lhe pudesse pôr no cestinho. Hoje, pressionado pelas circunstâncias e pelo que dele esperavam, Mourinho entrou em campo com 3 centrais, 3 defesas laterais e um médio defensivo. Mesmo que os restantes jogadores convocados não lhe permitissem tentar outra via para passar a eliminatória, custou ver o special one trair assim o futebol que tantas vezes honrou. Este Chelsea precisa de uma pequena revolução, precisa de saber despedir-se daqueles que já lhe deram tudo.

   

Do outro lado, uma equipa à imagem de Simeone, com uma garra sem fim a que junta uma tremenda classe em tudo o que faz. Tiago, um excelente médio polivalente, fez duas magníficas assistências. Sempre simpatizei com este bom rapaz até ao dia em que decidiu abdicar da selecção nacional. Nunca perceberei os jogadores que tomam essa decisão. Independentemente das justificações apresentadas não aceito que se possa renunciar a representar o país, a envergar a camisola do país. Não aceito e não respeito, o escudo e as quinas acima de tudo e de todos. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 22:23

Real Madrid 4 - Bayern 0

Terça-feira, 29.04.14

 

No momento em que CR7 executou com uma pincelada perfeita o remate que conduziu à obra prima que foi o seu segundo golo contra o Bayern, foi inevitável recordar aquele mesmo gesto temerário e de uma rara inteligência no pé esquerdo de Rivaldo. O brasileiro era mestre na execução de livres sob barreiras de jogadores que saltavam iludidos, Ronaldo juntou mais este truque a um interminável leque de capacidades ainda não esgotadas. Quando olharmos para trás daqui a uns anos, dificilmente não elegeremos Ronaldo o jogador de futebol mais completo de sempre. Mas falando do jogo, diria que a história do mesmo é simples. Rummenige quis incendiar os corações pouco dados a labaredas dos jogadores e adeptos germânicos e deu-se mal. Pepe Guardiola quis ensinar panzers germânicos a trocar a bola sem fim para a conduzirem até à linha de golo e recebeu a mesma resposta que é dada por um qualquer corpo humano quando rejeita o transplante de um órgão que não lhe pertence. O balão do tiki-taka terá esvaziado de vez?

 

Este Real Madrid é soberbo, a dupla Bale-CR7 é praticamente impossível de parar, mas se fosse aos madrilenos não lançava foguetes antes de tempo. Parar este Real é tarefa para uma equipa com a alma até Almeida (os alemães foram campeões há demasiadas semanas, o sangue na guelra estava adormecido) e para um treinador que alicerce uma equipa na arte de bem e muito defender (não é, definitivamente, a praia de Guardiola). Isso é tarefa para guerreiros como os jogadores do Chelsea e do Atlético de Madrid, isso é arte só ao alcance do special one ou do eterno guerreiro Simeone. Já demasiadas vezes assistimos a génios definhar sufocados pelos coletes de força de tácticas superiormente urdidas, pelo que nada de foguetes antes de tempo, pessoal.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 22:38

José, Tacuara e os burros que não levantam as palas

Domingo, 27.04.14

 

O futebol é tão simples que nunca hei-de perceber como há tanto suposto expert da bola que dela não percebe nada. Anda tudo enfastiado com o futebol e os feitos do Chelsea de Mourinho, acusado de ser mais defensivo que nos tempos do catenaccio. Quem joga fantasy league no smartphone sabe que todas as semanas tem que mudar a táctica da equipa consoante os jogadores que lhe calha ter em boa forma. Mourinho tem uma equipa com uma excelente defesa, médios defensivos fantásticos, médios ofensivos rapidíssimos no contra ataque (Hazard, William, Óscar) e avançados jeitosos mas na pré-reforma (Eto´o e Torres), pelo que adaptou na perfeição a táctica da equipa aos recursos humanos de que dispõe. Quem não percebe isto não percebe nada. Queriam que o homem jogasse em ataque continuado negando a sua natureza de vencedor? 

No Benfica toda a gente se pergunta como é possível este Cardozo, lento, desgarrado e abatido jogar a titular. Eu explico, para os ingénuos. JJ e LFV há muito que o querem despachar ganhando com ele o que ele já não vale. Votá-lo ao banco era queimar uma boa mala cheia de notas. O futebol é tão simples quando tiramos as palas dos olhos.

 

p.s. – Pior do que o Benfica ganhar mais uma vez, só aturar o péssimo ganhar dos vermelhuscos. Estou convencido que esmerada educação de Jorge Jesus passou por osmose para a esmagadora maioria da nação vermelhusca. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 21:48

Vê lá isso, José

Domingo, 20.04.14

Entro num café farense para assistir ao ansiado adiar da festa que ameaça conspurcar a estátua do Marquês e assisto aos últimos 10 minutos da derrota do Chelsea frente ao Sunderland. O impensável sucedeu, os milionários londrinos entregaram o título num combate com o último classificado da Premier League, Mourinho entregou a aura     de homem que sabe tudo dos homens e do mundo da bola e que por isso nunca era apanhado de calças na mão nestes jogos que só podem ser ganhos. No fim do jogo, Mourinho usou de um humor ácido para vituperar o árbitro e o chefe dos árbitros. Mou será sempre recordado como o special one, mas era bom que não adormecesse à sombra dos louros e, por uma vez, admitisse que os homens falham. Não só os árbitros, mas também ele. O erro dos grandes homens está em julgarem-se acima dos seus pares, vulgares mortais, desumanizando-se e afastando-se assim da sua admiração e estima. Queremos-te especial, José, mas queremos-te um dos nossos e não uma entidade supostamente divina.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:27

José, and so on and so on...

Quarta-feira, 09.04.14

 

No momento em que o Chelsea marcou o segundo golo sem resposta contra a equipa parisiense, Mourinho correu desembestado, num misto de alegria e incontida excitação em direcção ao magote de jogadores do Chelsea que se abraçavam no relvado (David Luiz, certamente seguindo ensinamentos de outras latitudes e cores clubísticas, engendrava práticas estranhamente desinibidas, mas isso não é conversa para um blog sério). Os mais desprevenidos diriam que Mourinho, a poucos minutos do fim, sucumbira ao complexo JorgeJesusíno e partira para as celebrações antes de tempo. Quem conhece Mourinho saberia que não fora essa a razão do fantástico sprint, o que confirmaria pelas suas declarações pós-jogo, em que explicou que correra para dar instruções a Fernando Torres e Schurrle para que estes ajudassem a defender os ataques parisienses, já que a equipa do Chelsea estava desequilibrada, dada a anterior necessidade de apostar tudo no ataque para conseguir o tal golo vitorioso. A este país fazem falta governantes, gestores, profissionais, líderes com um décimo da sageza, da garra, da raiva de vencer de Mourinho que, ainda assim, e em prol das conquistas, nunca perde o sangue frio que lhe permite tomar as decisões mais acertadas. Este país tem de deixar de criticar e invejar os seus ídolos e preocupar-se mais em beber-lhes os ensinamentos. Salve José!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 16:45

Da esperança num mundo melhor

Quinta-feira, 27.02.14

 

Ontem estava todo contente por ter inventado a piada de qual o cúmulo da ironia futebolística (Schalke 0 4) até que Bale e CR7 me lixaram os planos com o quinto e sexto golo contra um punhado de atarantados alemães. Foi talvez uma das mais perfeitas exibições de avalanche ofensiva que me foi dado ver num jogo deste calibre, temperado sobretudo por 4 dos melhores jogadores do mundo: CR7, Bale, Benzema e a formiga atómica Modric. Se CR7 se sente agora mais leve, sem o peso da responsabilidade de ter de decidir a maioria dos jogos a favor do Real Madrid, Bale, afastando-se das lesões afirma-se como um talento puro, duro e indomável. Benzema, com a plena confiança do treinador e sem a permanente sombra de Higuain, pode agora mostrar ao mundo os infindáveis recursos e talentos que me faziam abrir a boca de espanto nos seus tempos marselheses. Modric é o médio mais que perfeito, uma formiga que defende, distribui, simula para desequilibrar como ninguém, dribla e remata como um talentoso avançado. Mas mais que tudo, esta equipa tem agora um treinador que a deixa respirar sem grandes regras, ideias fixas ou imposições tácticas. Mourinho brilha mais numa equipa que precisa da mão forte de um treinador (veja-se os casos do Porto e do Inter, que eram outsiders nos anos em que com Mourinho chegaram ao Olimpo) do que numa equipa de estrelas, onde o seu ego e a sua vontade de ditar o rumo não permite que a genialidade se solte pura e sem grilhetas, que é assim que os seus emissários devem respirar.

 

É verdade, o Schalke, como muito bem tweetou Nuno Madureira “não soube abrigar-se e esperar que passasse a chuva. Continuou ali de um lado para o outro, a apanhar água na tromba”. Ainda assim, o que se viu ontem poderá ter sido o prenúncio de uma das mais entusiasmantes equipas dos últimos anos, para lá do famoso tiki taka do Barcelona e do recente renascimento desse movimento Guardiolístico no Bayern de Munique. Saiba Ancelotti manter este rumo de crescimento contínuo, de libertação dos seus génios puros e a recompensa terá de surgir. A esperança é que o futebol, mais do que o mundo, encerre ainda alguma justiça.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:08

O que falhou, papa Pinto?

Segunda-feira, 24.02.14

 

Nesta história do anunciado mas, atenção, ainda não concretizado falhanço total de Paulo Fonseca à frente dos destinos portistas há várias frentes de ataque. Há quem vá à génese do acto e critique a aquisição de um treinador com provas dadas apenas num fantástico ano mas num pequeno clube como o Paços Ferreira. Depois, há quem olhe para o fenómeno como um sinal de pré-demência de Pinto da Costa, nesta fase em que parece recusar-se a aceitar que a escolha foi má, que o futuro do clube não é nem pode ser com um treinador nitidamente sem recursos anímicos, sem soft skils, sem capacidade de liderança e, pelo que tem demonstrado, sem qualidade técnica para uma cadeira do poder tão exigente. Ora bem, vou tentar explicar o porquê destas duas perceções que atrás referi de uma forma lógica e simples, sem grandes enredos de telenovela que é o que tem lançado a bruma sobre o estado da nação portista.

 

Pinto da Costa, mais do que ter criado os fenómenos precoces Mourinho e Villas Boas, arriscou com eles no escuro, lançou-os e deu-se mais do que bem, deu-se excelentemente. Mourinho fora adjunto no Barcelona, é certo, fizera umas gracinhas por Leiria e pela Luz, mas nunca ganhara nada sozinho. No Porto atingiu o olimpo e quem teve olho para ver nele qualidades inimitáveis foi o eterno presidente portista. Villas Boas dera ainda menos provas de que seria uma escolha vencedora, mas ainda assim Pinto da Costa apostou nele, provavelmente muito movido pelo facto do jovem André ser dragão de alma e coração. Depois de duas experiências com tão incríveis resultados na aposta de dois jovens treinadores, como não arriscar num tão prometedor mister Fonseca que pegara no Paços de Ferreira e o levara à liga dos campeões? Não há duas sem três, pensou Pinto da Costa, esquecendo-se que a experiência internacional de Mourinho e de Villas-Boas foram essenciais para lhes dar estaleca, auto-confiança, conhecimentos e, sobretudo, credibilidade perante os jogadores. Pinto da Costa esqueceu este e outros pormaiores e foi atrás do seu killer instinct que por uma vez o deixou mal. E depois disto, porque não reconhecer o erro, mudar a agulha o mais rápido possível, tentar recuperar o que ainda há para recuperar? O papa do norte sabe bem que à vigésima jornada nenhum treinador conseguirá “virar” uma equipa, sabe ainda melhor que não tem jogadores para tirar o campeonato ao Benfica. Mudar agora e falhar seria dar-se à acusação de dois erros – a aposta em Fonseca e a saída de Fonseca com mais de meio campeonato disputado. Assim, mesmo que nada vença e tudo perca, ficará como o arauto da estabilidade, possivelmente apoiado em mais umas choradeiras com uns casos de arbitragem que sempre acabam por surgir. Não se trata já de corrigir o erro, mas sim de fazer a gestão do erro. Não subestimem o papa Pinto, tudo menos isso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 14:35

Crónicas do mundo da bola - Nem com uma toalhinha para lhe limpar as gotas de suor, ó "king"

Quarta-feira, 18.09.13

 

 

Tenho escrito pouco sobre futebol e já andei a ver mais jogos de bola, confesso. Não deixo de me entusiasmar com o meu jovem e atrevido Sporting, tanto quanto me vou entristecendo com aquele punhado de arruaceiros da ex-Jugoslávia aliados a um bando de latino-americanos que envergam uma águia na lapela. Entristeço-me porque vejo que os meus amigos vermelhuscos se esforçam artificialmente por continuar a gostar de algo que já não é o Benfica que aprenderam a amar. Enquanto Eusébio vai regurgitando umas parvoíces mal diluídas em mais um Whisky, o nosso Cristiano vai marcando sem parar, ultrapassando em cada dia aquilo que se julgava ser o limite de velocidade para a genialidade. O rapazinho por quem o Real Madrid pagou perto de 100 milhões de aéreos (sim, porque cheira-me que vão voar…atenção, 100.000.000€!!!) é bom jogador, sim senhor, mas precisava de 5 encarnações para chegar aos calcanhares do nosso CR7. O Mourinho já mexeu mais com as emoções da malta (o Chelsea, quer queiramos quer não, será sempre um brinquedo de um milionário russo), o Jasus apesar de achar os jogadores do Sporting “munta pacaninos” já só lhes cheira o rabiosque. Por agora é tudo, muitas mais virão, certamente.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:47

The special one is coming home

Quarta-feira, 05.06.13

 

 

Demasiadas palavras se escreveram sobre o percurso e a consequente saída de Mourinho do Real Madrid, excessivas foram as análises e as quasi teses de doutoramento sobre as causas das coisas. Nos últimos tempos tenho tentado fugir dos excessos de palavreado para me focar no essencial. Se calhar, apesar de tantas nuances, episódios romanescos e voltas e reviravoltas, a história de Mourinho em Madrid conta-se em poucas penadas. Mourinho chegou a Espanha e como é seu apanágio arrasou a concorrência no que à força das ideias e consequente protagonismo mediático respeita. Os espanhóis, inclusive os adeptos madrilenos (não o povo, as elites do clube) assustaram-se com o medo de perderem relevância, do brilho de Mourinho tudo ofuscar e juntaram a esse medo um sentimento de desprezo pelo vizinho português que resultou no que sabemos. Os órgãos de comunicação espanhóis semanalmente incentivaram esse ódio mesquinho e xenófobo e fecharam o círculo a Mourinho.

 

 

 

O nosso special one resistiu mas, inteligente, percebeu que ali não ia ser feliz. Para quem pensa que José Mourinho vive apenas para títulos e para ordenados desengane-se - como todos os líderes com um ego superlativo mais do que vencer Mourinho quer ser amado, reconhecido, idolatrado. Por entre semi-limpezas de balneário dos diamantes cristalizados (Raul, Casillas), por entre a reeducação de algumas semi-vedetas (Marcelo, Benzema e o próprio Sérgio Ramos – este, com sucesso), por entre mind-games apaixonadamente violentos (mais que todos, com Guardiola), por entre um azedume crescente com a estrela da companhia CR 7 (hoje explicada pela incapacidade deste aceitar críticas - eu diria que nisto Mourinho e Ronaldo serão almas gémeas), por entre um público que cedeu à xenofobia que os media não deixaram de instigar, Mourinho perdeu por um triz, como se perde quase sempre no futebol - perdeu nos últimos segundos em que na meia final com o Borussia de Dortmund a bola se recusou em entrar. Se essa bola tem entrado tudo seria provavelmente diferente. Assim, Mourinho volta para quem o ama e idolatra e deixa o Real Madrid entregue ao seu destino – o de um gigante com pés de barro sem timoneiro à altura.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:09

Orgulho lusitano no teatro dos sonhos

Terça-feira, 05.03.13

 

 

E é isto o futebol. Uma equipa a merecer ganhar e a perder, uma decisão de arbitragem a inclinar a balança, um herói improvável (Diego López, o homem que fez esquecer Casillas), uma equipa com menos um a agigantar-se, um treinador vitorioso a reconhecer a injustiça da vitória. O respeito perante Ferguson e a verdade dos factos afirmada por Mourinho esplendidamente secundada por Cristiano Ronaldo, com assinalável atitude de respeito perante os adeptos de Manchester. Orgulhoso de vós, campeões!

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 22:35





mais sobre mim

foto do autor




Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

pesquisar

Pesquisar no Blog