Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Que saudades da televisão a preto e branco

Quarta-feira, 26.10.11

 

 

A mensagem que acima se transmite é uma impossibilidade, um grito desesperado contra a maré que nos esmaga contra as rochas do soundbyte. Nos dias de hoje o que acontece é o que passa na televisão, as mortes que o povo em uníssono chora são as que têm direito a horário nobre, os crimes que nos atormentam e fecham em casa são os que “cheiraram” a audiência certa aos donos do canal que brilha no fundo da sala. As próprias decisões dos políticos são condicionadas pela notícia que abre o telejornal das 20h, quer seja a reprimenda aos rapazes mal comportados que recebem pensões vitalícias para juntar ao pecúlio auferido no privado, quer sejam compensações para apoiar os desgraçados que vivendo longe da terra precisam de um pé de meia extra, pouco interessando que tenham casa montada logo ao lado do palácio de S. Bento. Longe vão os tempos em que antes da notícia se anunciar nos ecrãs dos nossos lares já os senhores que nos governavam (que nos tempos que correm se dedicam a cortar-nos as asas, a marimbarem-se para o facto das suas decisõeszinhas irem ou não dar cabo de uma vida, de uma família ou de um punhado de sonhos), como dizia, longe vão os tempos em que esses senhores, percebendo a iniquidade ou imoralidade do privilégio que a lei lhes concedia, dele abdicavam voluntariamente. Longe vão os tempos da televisão sem cor e dos políticos com valor.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 18:35

O apagão

Quarta-feira, 08.06.11

 

 

Como se a realidade há muito entrelaçasse os dedos nos botões do telecomando. Os tiros certeiros e mortíferos que irradiam do ecrã doem bem menos que as afiadas palavras de gelo com que ele te deixou. A ferida aberta que milagreiros e bem-apessoados cirurgiões procuram sarar na marquesa do ecrã, arde menos que um arranhão quando comparada com as esporas de ódio com que ele te cavalgou o corpo, a alma, a vida. A tua sanidade depende da fantasia que lá encontras, sobrevives nas mil histórias a que te agarras em desespero. Em busca do esquecimento, do eterno apagão que te devolva a inocência.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 19:46

A maldição da caixa mágica

Sexta-feira, 16.04.10

 

O peso de toda a história a 3 metros do olhar. Logo ali, relampejante e trucidante, numa caixa de madeira, num écran plano, num plasma do tamanho do mundo. Todo o choro de um povo à distância de um clique, toda a perfídia de um punhado de homens bem no centro daquela luz hipnótica. Fixos, enebriados, os olhos engolem toda a criação que se agita, sugam aquele carreiro de formigas que aspira à vida. O peso da caixa esmaga-nos e sufoca-nos, impede-nos de sentir na plenitude o verde dos campos que, apesar da cor tão real que emana do écrã, desfalece na ausência de aroma que morre inodoro e frio nas gavetas da memória. O deserto é o canal último onde nos fará chegar o dedilhar. O deserto de vida, de cor, de cheiros, do calor dos risos palpáveis, do frio dos dias frios, da placidez dos dias nem quentes nem frios. A caixa engole-nos a vida. Standby.

 

Arte por Mark Bryan

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 21:07

Uma vergonha estas televisões apimbalhadas e vendidas às audiências. Estou chocado.

Domingo, 31.01.10

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 22:23

Guilty pleasure - Um mundo catita

Quinta-feira, 15.10.09

 

 

Já aqui falei do meu vergonhoso prazer pela badalhoca produção musical dos Ena Pá 2000. O Manuel João lançou-me um feitiço de baixo nível de que até hoje não consegui desenredar-me. Se a coisa já não estava bonita, piorou muito com o furacão de nonsense escatológico que a série "Um mundo catita" deixou como legado para a humanidade. As gargalhadas que envergonhada e alarvemente soltei durante a visualização desse chorrilho de alarvidades foram bastas vezes classificadas como incompreensíveis pela minha cara metade. 

 

 

Há uns dias, quando fui rever no youtube alguns dos melhores momentos da série, comentou ela acerca do episódio do Natal dos hospitais: "A ideia até é boa, mas depois o que é utilizado para fazer rir são sempre as asneiradas e alarvidades". Se calhar é por isso, estou farto de subtilezas humorísticas, let´s get to the point! Fiquem então com estas pérolas bem reveladoras do meu pecaminoso prazer.

 

 

p.s. - Por motivos lúdico-profissionais não pude assistir ontem ao Portugal-Malta, sendo que hoje tempo nenhum tive para aprofundar a exibição lusitana. Ainda assim, posso concluir que estamos lançados, depende de nós. Ou ganhamos as duas finais do playoff, ou nunca merecemos ir à África do Sul. Força rapazes! Não inventes, Carlos!

  

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 21:13

Da dificuldade da não violência

Sábado, 25.07.09

 

 

Bem ao nível da relva...canal rasteirinho como os seus jornalistas

 

Considero-me uma pessoa avessa a sentimentos violentos. Ok, quanto a pensamentos e palavras a coisa pia mais fino, que a boa e velha carga de nervos no trânsito lisboeta não deixa alma alguma incólume. Lembro também 2 ou 3 jogos em Alvalade em que me vi em situações menos cómodas discutindo argumentos de méritos futebolísticos com consócios desmerecedores desse título. Ok, a prática do futebol também não convida a comportamentos 100% pacifistas quando o cansaço aperta e o sangue aquece. Ok, já são algumas situações que permitem perceber que não sou nenhum Gandhi ou Dalai Lama, mas garanto-vos que, erros de auto-análise à parte, até sou um tipo virado para a não violência.

 

Calma Luís Filipe, não te esqueças que estás na TV

 

Contudo, eu que evito ódios de estimação, dei por mim a desejar desde há alguns tempos que me colocassem à frente, tipo leitãozinho entregue ao seu carrasco um sujeitinho que tem aparecido no novel canal Benfica TV e que, pasme-se, se diz jornalista. O energúmeno chama-se José Carlos Soares e é um perfeito alarve, sem aspas. Durante o jogo entre o Benfica e o Atlético de Madrid largou enormidades inclassificáveis, do género de afirmar que se recusava a dizer nomes de árbitros porque estes não mereciam, de que os benfiquistas deviam preparar-se para mais do mesmo no que à arbitragem respeitava, num apelo contínuo a tudo o que contraria o que deve ser o espírito desportivo. Isto no canal televisivo de um dos maiores clubes portugueses!

 

Só podia ser esta vedeta a fazer um programa com a qualidade do bombástico

 

Hoje, durante o jogo do Benfica com o Sunderland, a Benfica TV brindou-nos com este senhor a fazer comentários sem imagens do jogo, apenas a imagem dele e de outro triste rapaz, a tecerem mais umas alarvidades sobre o jogo. Toda esta idiotice inacreditável enquanto o senhor roía as unhas em directo!!! Mas será que o benfica quer transformar a imagem de todo o universo benfiquista à imagem do seu elegante treinador? Será por isto que se arvoram o clube do povo? Força, estão no bom caminho!

 

 Porque será que isto não me surpreende, José Carlos?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 00:00

Momentos televisivos para mais tarde recordar - Mira Amaral

Quarta-feira, 24.06.09

 

 

O Sr. Engenheiro Mira Amaral está neste momento na SIC Notícias a perorar sobre o país, a crise, os investimentos públicos e, em simultâneo, a fazer algo a que já habituou os horrorizados telespectadores. Naqueles momentos em que o Sr. Engenheiro se aproxima do clímax do seu raciocínio, há um clique glandular no corpo da personagem que provoca um assomo de saliva e baba à boca que, além de extremamente deselegante, pode mesmo ser considerado asqueroso.

 

Não, não estou a gozar com um defeito físico da pessoa em questão nem com um momento menos feliz. O Sr. Engenheiro é já sobejamente conhecido por estes episódios, certamente que um amigo, a família, uma alma caridosa já lhe referiram esta peculiar característica. Porquê insistir? Porquê sujeitar o incauto telespectador a estes momentos de inesquecível terror televisivo? Não tem netinhos para cuidar, Sr. Engenheiro?

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 23:39





mais sobre mim

foto do autor




Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

pesquisar

Pesquisar no Blog