Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Descoberta da semana

Segunda-feira, 13.07.09

 

Solicitar a um jovem de 12 dias, ainda que com bons e paternais modos, que, no decurso de uma desesperante birra de mimo, se comporte como um homenzinho, não produz efeitos práticos visíveis. Não sendo difícil, a educação acaba por não ser uma missão nada fácil.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 00:00

Da série pérolas da blogosfera - Pénis tatuado na ignorância do povo

Segunda-feira, 01.06.09

Custa tanto dar razão a ideias vindas de pessoas, partidos ou grupelhos dos quais nos habituámos, fiel e afincadamente, a discordar. Mas a questão é só uma: o Estado já ampara os desempregados, os inúteis, os que preferem ficar em casa a receber o subsídio da ordem em vez de fazer pela vida, só nos faltava que essa aborrecida tarefa que é educar a filharada passasse também para a esfera do grande pai invisível. Este texto da Ana Cássio Rebelo é tão duro e certeiro como um murro no estômgo do Mike Tyson. Leiam mais da Ana em ana-de-amsterdam.blogspot.com/, acreditem que os murros se vão repetir.

"Pela manhã, no comboio que vem de Alverca, uma mãe gabava a duas companheiras de viagem a tatuagem que o seu Leandro Miguel fizera no pénis. Linda, assegurava, assim tribal a fazer lembrar aquelas tribos da Indonésia, Polinésia ou lá o que é que é. As outras davam gargalhadinhas nervosas. A mulher devia ter uns quarenta e cinco anos e falava com entusiasmo do seu filho Leandro Miguel. Também tinha um piercing na língua. Usava as calças muito largas. Só queria roupa de marca. O boné custara-lhe quarenta e cinco euros. Os últimos ténis quase cento e vinte.

Tinha dois brilhantes nas orelhas. Às vezes, para desenjoar, tirava os brilhantes e colocava umas argolas de ouro branco. Não era bom aluno. Isso, porém, não parecia preocupar a mãe. Que o filho fosse medíocre como ela própria era algo que parecia quase confortá-la. Por fim, em jeito de remate, para mostrar que era uma mãe modernaça, muito prá-frentex, que comungava dos interesses do filho, mostrou a tatuagem que fizera no tornozelo. Um golfinho saltando nas águas do mar. Uma beleza.

(Custa-me reconhecê-lo, mas o CDS tem muita razão naquilo que diz em relação à polémica da distribuição de preservativos. Compete às família, pobres, ricas, remediadas, e não à escola educar os filhos. Compete às famílias e não à escola assegurar que os miúdos tomam as precauções necessárias quando iniciam uma vida sexual activa. Compete às famílias explicar que o sexo não se inicia aos doze, nem aos treze, nem aos quinze anos e que quem o pratica corre riscos.

Quem não quer educar os filhos, quem não está para os acompanhar, não os deve ter. Se o Leandro Miguel quiser foder, com o seu pénis tatuado, as feiosas todas do 10º ano da escola secundária da Arrentela que o faça. Se engravidar uma Bruna ou uma Micaela Cristina, cujo sonho secreto é participar numa novela da TVI ou ser capa da Maxmen, que engravide. Se apanhar uma doença infecto-contagiosa e morrer antes dos vinte e cinco é uma sorte para todos nós.)"

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 21:33

Não há sistemas perfeitos, não há professores perfeitos

Sábado, 27.12.08

 

 

Há uns tempos, num velório em dia triste e escuro, encontrei o meu melhor professor do ensino secundário. Deu-me aulas durante 3 anos, isto já  há mais de 17 anos. Como não moramos longe, de ano a ano ia-me cruzando com ele. Sempre foi um homem decidido, de convicções fortíssimas, um touro de energia que não via obstáculos para as suas iniciativas em prol dos alunos e do que julgava ser a melhor forma de os ensinar. Só para verem, sendo professor de Religião e Moral, chegou a presidente do conselho directivo da escola.

 

Mas notava-se ao longo dos anos. O desgaste, o cansaço, a descrença no sistema. Falou-me com uma amargura profunda da desilusão com a escola, os colegas, do que sentia ser uma política educativa errada que estava a destruir aquilo porque sempre lutara. Pelo que conhecia dele, confesso, fiquei extramamente impressionado com o rumo que a política educativa estaria a levar. Sim, não pensem que é nos jornais e debates que percebemos a bondade ou malvadez das soluções de que todos falam. É no terreno, nas vozes dos participantes do sistema que nos vamos aprecebendo das reais implicações deste espírito de mudança. Esta era uma voz, uma voz que me deixava preocupado.

 

Ouvi-o, questionei-o, a conversa fez-nos esquecer que estávamos ali para partilhar a dor de mais uma despedida de mais um familiar de uma pessoa amiga. Foi então que a amargura deu lugar a outra coisa distinta. Um desenrolar de queixumes por aquilo que sempre existira e lhe queriam tirar. Um discordar cego das correcções ao sistema que só o iriam prejudicar. O auge chegou com a revolta pelo facto de o quererem obrigar a deixar de exercer advocacia, coisa que sempre havia acumulado com as funções docentes. Os sacanas!

 

Há 17 anos era tão mais feliz perdido no conforto do desconhecimento. Deve ser a isto que chamam dores de crescimento.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 12:08





mais sobre mim

foto do autor




Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

pesquisar

Pesquisar no Blog