Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A fábula moderna da formiga e do elefante

Sábado, 04.04.20

formiga.jpg

O que mais faltava à humanidade, o que todos ansiamos escutar, ler, aprender um pouco mais, polemizar, atafulhar os nossos cérebros com mais um punhado de acendalhas para a fogueira do pânico colectivo, é, indubitavelmente, mais uma ladainha sobre a pandemia, o horror, o fim dos tempos ou o começo de um novo tempo. Mas não, recuso-me a enveredar por esse sentido sem retorno, a entrar nesse círculo vicioso habitado pelos coléricos donos da razão. Vou antes discorrer um pouco sobre a fábula da formiga e do elefante. A formiga somos nós, patéticos grãos de areia neste deserto de incertezas. Os elefantes, os pesos pesados que hipotecam os velhos tempos e nos conduzem, cegos e dilacerados pelo medo, a caminho de um novo futuro, o futuro perfeito, pois desconhecido e opaco. Se há arte em que os nossos líderes se tornaram peritos nesta modernidade sensaborona e desajeitada foi o de nos fazerem ignorar o elefante no meio da sala, da aldeiazinha, da vila, da cidade, da pátria, do mundo inteiro. Biliões de letras depois, milhões de palavras gastas, milhares de artigos científicos discorridos, opiniões sem fim à vista passadas e os elefantes crescem e esmagam-nos, cheios de si, alimentados pela nossa permissiva passividade.

De que elefantes falo? Meus amigos, a título de exemplo, permitam-me soletrar três nomes próprios, três elefantes gordurosos que as patéticas formigas colocaram no leme de três das maiores nações mundiais: Trump, Bolsonaro, Boris Johnson. Trump, Bolsonaro, Boris Johnson. Trampa, bosta, burrice pura. Como enfrentaram estes “líderes” a pandemia? Desvalorizando, ridicularizando, sublinhando a primazia dos cifrões sobre o valor central da humanidade, esse mesmo, a vida humana. Hoje, claro, recuam, mesmo que timidamente, perante a alarvidade inicial das suas convicções bárbaras e ignorantes, para nos cantarem canções de embalar sobre a inevitabilidade das mortes, o horror do vírus, como se não fossem os responsáveis por futuras e evitáveis centenas de milhar de mortes que patrocinaram e que não se dignaram a proteger.

Mas há mais elefantes. As causas das coisas. Tudo tem uma origem e teimamos em olhar para outro lado. Os artigos científicos sobre a perturbação de ecossistemas, sobre a exploração, o tráfico ilegal e o comércio legal de animais selvagens, esses parecem esquecidos e pouco relevantes. As provas inequívocas de que este e os anteriores Coronavírus têm origem nesses animais, no desequilíbrio e na promiscuidade com que o homem trata a natureza, trazendo para a cadeia humana vírus inconsequentes para animais selvagens, mas mortíferos para o homem, nada disso é colocado no topo das discussões, das prioridades preventivas para travar estas pandemias que assolam o mundo e ameaçam a vida humana. A origem do mal é um elefante gigante, invisível aos olhos de quem tem que nos defender e decidir.

Temos também o elefante da receita que pode ser a nossa morte. Começamos todos a perceber, formigas e elefantes, que fecharmo-nos nos casulos para que o vírus não entre em nós é abrir as portas a que a pobreza e a miséria possam entrar no futuro próximo dos anos que se seguem. Como vamos equilibrar, rapidamente, antes que o futuro se desmorone, a necessidade de nos protegermos com a urgência em continuarmos a viver e a produzir? O elefante da falta de respostas, da ausência de coragem/imaginação para questionar as receitas atuais, esmaga-nos lentamente.

Cá pelo burgo os elefantes são mais pequenos mas igualmente ignorados. A falta de meios, o desinvestimento no serviço nacional de saúde, são ocultados por detrás de elefantes habilmente alimentados. A falta de testes passou a ser apresentada como a necessidade de apenas testar aqueles que têm sintomas, isto apesar de a OMS bradar aos sete ventos que a prioridade é testar, testar, testar. Os casos de sucesso em que a pandemia foi travada ou retardada com mais sucesso, suportados pelo uso generalizado de máscaras pela população, não valem de nada quando o elefante da falta de meios/máscaras cá pelo nosso cantinho verdejante e solarengo são transformados em alegorias elefantinas de “a máscara até pode ser contraproducente se mal usada” (como se fôssemos crianças idiotas) ou “a máscara só serve para quem tem o vírus não o passar para os outros”.

Os elefantes caminham vagarosa e pesadamente sobre o trilho das formigas. Aqueles são poucos mas poderosos, diz-se, estas são imensas mas impotentes, será? Ou apenas cobardes? Ou ignorantes? Ou confortável e cegamente confiantes naqueles perigosos paquidermes? Porque não tentamos mudar o rumo do nosso futuro, é a questão que realmente me atormenta. Ontem de noite sublinhei este trecho de “Os cus de Judas”, de Lobo Antunes. Se calhar é isto, tristemente é isto:

O que os outros exigem de nós, entende, é que os não ponhamos em causa, não sacudamos as suas vidas miniaturais calafetadas contra o desespero e a esperança, não quebremos os seus aquários de peixes surdos a flutuarem na água limosa do dia a dia, aclarada de viés pela lâmpada sonolenta do que chamamos virtude e que consiste apenas, se observada de perto, na ausência morna de ambições”.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 19:39





mais sobre mim

foto do autor




Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

pesquisar

Pesquisar no Blog