Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Nada de novo pelo mundo dos cifrões

Segunda-feira, 09.06.14

 

Como no panorama socio-político do lusopédio nacional pertenço, orgulhosamente, ao estrato social vulgarmente designado por “arraia miúda”, posso escrever pelas redes sociais coisas desta profundidade: “Ando angustiadíssimo porque sei que devo um almoço mas não me lembro a quem. Imagino como andarão os administradores do BES Angola que não fazem ideia a quem emprestaram 5.7 mil milhões de euros”. Ainda assim, pelo que vou por aí vendo, o merecido aprofundamento de tão, pensava eu, gravosa situação, não vai muito além dos costumeiros artigos indignados nos jornais, de umas bocas pelos corredores da alta política, de um silêncio respeitoso de quem não quer fazer má figura perante os big shots da economia nacional. Alguém foi preso? Alguma investigação foi aberta? Silêncio, nicles batatóides. E o BES lusitano, a casa mãe, o que tem a dizer sobre tão sensível tema? Ah e tal, que o BES Angola é um banco independente, sujeito às leis e regras angolanas, daí lavamos as nossas mãos como Pilatos. O que é que interessa que 55% da estrutura acionista do banco irmão angolano esteja nas mãos do banco português? Pouco ou nada, certamente, até porque parece que o estado angolano já avançou com as garantias que protejam o banco de eventuais atrasos e incumprimentos dos amigos, primos, conhecidos e testas de ferro em pagar o que lhes foi emprestado sem regras, sem papéis assinados, a la gardére, como se usa dizer. Quem paga? O mexilhão, como é evidente. Nada de novo por terras e ex-colónias lusas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:59


5 comentários

De Teresa a 09.06.2014 às 21:42

Eu não te disse que era bem mais grave estar(es) a dever almoços ou mesmo cafés? Não tardarão a aparecer (-te) credores.
Quantos perdem as casas porque pura e simplesmente ficaram sem rendimentos, e os grandes la... aham... maus investidores felizes e contentes?!

De Anónimo a 09.06.2014 às 22:42

nada de verdadeiramente perturbador...
depois da vergonha que foi o caso bpn, quando o próprio residente(sem p) da republica não sabe/não consegue explicar o porque de lucros mais que suspeitos com a venda de acções...
quando um dos principais responsáveis é conselheiro de estado
quando esse mesmo "banco" continua a sorver milhões sem que haja um único culpado...
quando o suposto supervisor do banco de portugal(com p pequenino) nada diz, nada sabe e nada fez sendo antes promovido para o bce
quando o bpp é a vergonha que sabe
fora o banif a estourar a qualquer momento...
de facto o besa são peaners... agora reforçado com a imagem dessas sumidades dos tempos modernos: cr7 e anselmo ralph...
no pasa nada


De Teresa a 09.06.2014 às 23:19

Vá de aproveitar para dar mais uma canelada no CR

Como se alguém habilitasse ou reforçasse o que fosse por fazer uma campanha publicitária. Era bom era. Mas desconfio que 80% dos que fazem nem sequer são "consumidores" do produto. Não que tenham de ser, na minha opinião. É um trabalho.

Eu conheço uma pessoa que faz publicidade a sandes e nem sequer pode comer pão... intolerância que resultou num corpo fantástico para vender... pão .

Quem diz publicidade diz também outdoors políticos; num recente o casal fotografado tem (só) um filho e então "colou-se" a menina de uma colega para fazer o casalinho e voilá - família perfeita.

Que só são sumidades se eu as deixar ser... ou se colocarem um outdoor 10x5 metros à frente da janela do meu quarto

De Anónimo a 10.06.2014 às 02:25

discute a arvore... o post e o meu comentário é sobre a floresta

De bolaseletras a 10.06.2014 às 22:35

Meus caros,

Vamos ter que usar de mais parcimónia nestes comentários... Pelos vistos sopranos por aqui e mais além gente com a consciência pesada cai do palanque...;-)

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor




Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

pesquisar

Pesquisar no Blog