Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Pedrógão Grande - três meses depois

Quarta-feira, 20.09.17

  

pedrógão.jpg

  

Pedrógão Grande - Reportagem do The Guardian

 

Passaram três meses da tragédia de Pedrógão Grande e pouco sabemos sobre o que falhou, o que podia ter sido feito para minorar as enormes perdas humanas e materiais. Não se conhecendo/reconhecendo/auditando o que falhou dificilmente serão avançados planos ou soluções concretas com qualidade para evitar tragédias semelhantes no futuro. Sem se debater e colocar no papel o que não foi e deveria ter sido feito (a prevenção que não existiu, as falhas no combate ao fogo, a falência ou insuficiência de meios) qualquer reforma legislativa ou de recursos humanos e materiais será uma falácia, uma forma de atirar areia para os olhos dos cidadãos. Até à próxima e inevitável tragédia.

As funções essenciais desempenhadas pelo estado, de defesa do território e das populaçãoes (a tão propalada protecção civil) revelam fragilidades mais que preocupantes e pouco ouvimos sobre o que será feito para melhorar e reformar o que tão torto está e que, pelo andar da carruagem, tarde ou nunca se endireitará. Não chegam demissões por motivos laterais, não chega responsabilizar contratos mal paridos e pior geridos. É preciso colocar o dedo na ferida, de modo a que doa, a que o país grite de revolta, a que alguém tenha a coragem de dar a volta ao texto e a vergonha de não deixar tudo ficar como está. Por nós, pelo país, pela memória dos que morreram.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:34


5 comentários

De Teresa a 20.09.2017 às 11:10

E nós? Cada um de nós e o seu quintal? O que vamos fazer para que não nos, ou aos nossos, aconteça o mesmo?

Acho que o segredo está, bem mais, em cada um olhar por, e para si. E para o seu quintal, a sua rua e LUTAR. Não me venham com histórias de que não adianta... adianta mas muitas vezes paramos na ideia de que não adianta e não fazemos por ser ouvidos e atendidos.


Temos um Portugal profundo abandonado porque "enquando eu não morrer não há partilhas" logo está tudo abandonado, a cerscer mato por tudo quanto é lado há 30 anos e ninguém usa ou cuida... Fazemos "chateaus" em sítios instagrâmicos com acessos que o burro do meu Tio Armando não passava (era burro, não era parvo).


Eu fui criada nesse Portugal profundo e lembro-me perfeitamente que depois das vindimas o Armandinho (que era sobrinho do Tio Armando e ía chamar-se toda a vida Armandinho para não haver confusãso ) tinha de dormir no campo que era para não irem roubar a lenha. Hoje, passadas décadas, tem lenha até ao virar do século porque as pessoas preferem comprar pois as pellets de supermercado são mais giras e em saco.


Voltem a tocar os sinos a rebate quando há fogo. Ou também já roubaram os sinos? Ah agora não se fala mal das pessoas porque são problemas mentais. No "meu tempo" o Luís maluco era vigiado por tudo o que era velha na vila e pelos homens no campo não fosse ele lembrar-se de "pegar fogo".


Estamos cheios de fru-frus a assistir à destruição do que não merecemos

De bolaseletras a 20.09.2017 às 19:48

É verdade, Teresa, escrevi apenas na perspectiva do Estado, mas nós temos ainda muito a fazer, não esqueço isso. Fica para uma próxima reflexão, não menos importante.

Abraço

A.

De naomedeemouvidos a 20.09.2017 às 21:42

Vi a reportagem. É bem intensa... Quem diria que, em Portugal, em pleno século XXI, haveria de vir a morrer gente, como nós, de forma tão terrível e absurda...

De bolaseletras a 21.09.2017 às 10:58

Intensa, dolorosa, indigna de um país que supostamente não é do terceiro mundo...

De Artur Santos a 21.09.2017 às 11:01

Também vi a reportagem do referido jornal e há lá uma parte em que o padre (julgo) diz algo de muito importante e que deveria ser ouvido de forma mais cuidada, a frase é a seguinte e passo a citar:
"Não há meios suficientes que consigam dominar um fogo desta dimensão".
E na minha opinião é aí que reside a busílis da questão, o fogo de Pedrogão foi de tal dimensão que nem com todos os bombeiros do país era dominado. A conjugação de factores naturais e não só naqueles locais foi tão grande que mesmo com tudo a funcionar na plenitude seria muito difícil parar a fúria daquele fogo.
Tive a felicidade de conhecer Pedrogão e as algumas zonas afectadas antes do fogo (áreas de beleza rara diga-se) antes do fogo e a primeira impressão que fiquei quando circulava no IC8 foi, se há um fogo isto arde tudo, nem imaginava eu o que viria a acontecer. Infelizmente já vi "in loco" o estado em que ficou aquela zona e é desolador, dá vontade de chorar tal é a dimensão da destruição.
A tragédia na minha opinião e desculpem-me os familiares das vitimas mas era inevitável mas "minimisável" se cada um fizesse a sua parte.

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor




Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

pesquisar

Pesquisar no Blog