Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]



Sobre tectos falsos e outras falsidades

Domingo, 09.02.14

 

Um tipo que tem um blog arrisca-se invariavelmente a falar sobre temas que não domina. Por acaso ou por feitio, sempre tentei fugir de temas demasiado técnicos que escapem às áreas das humanidades e da condição humana, campos onde me sinto mais à vontade para perorar. Como tal, e porque não sou das engenharias, nem das civis, nem das de materiais e muito menos da resistência destes últimos, vou considerar como perfeitamente normal que a cobertura de um estádio construído para albergar mais de 60.000 pessoas ceda a umas rajadas de vento. Como dizem os artistas da comunicação social o que aconteceu não foi um problema do estádio em si, mas uma chatice provocada pelo mau tempo. Como disse o presidente da Liga, evitou-se uma catástrofe (por acaso, estas peças de metal não caíram nos 40 e tal minutos em que se esteve à espera de saber o que fazer, mas apenas uns minutos depois). Certamente, aquando da construção do estádio não se realizaram testes à resistência da cobertura sob ventos fortes. De certeza que os responsáveis pela construção do estádio que certamente nada terão a ver com a Direcção do Benfica não pouparam nos custos e gastos para assegurar a máxima segurança dos espectadores. Certamente, como eu, haverá muita gente a falar do que não sabe e muito pouca a falar daquilo que sabe mas que certamente não interessará falar.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 21:50


6 comentários

De Zé da Fisga a 09.02.2014 às 22:02

Acho que sim; que está a falar do que não sabe.
Os aviões são testados ao limite e ao pormenor e uma ventania mais forte deita-os abaixo. Os pneus de uma viatura são testados da mesma maneira e um pouco de vento em piso molhado arranca-os para fora de pista. Um filho é metódico e cumpridor, orgulho dos papás...até ao primeiro charro. Uma menina é virtuosa...até ao primeiro beijo. Uma esposa é fiel e amante...até à primeira falta de euro que aí o amor salta pela janela.
Tudo é imprevisibilidade neste mundo e nada se tenha como certo.

De bolaseletras a 10.02.2014 às 17:26

Zé, por acaso ontem falava do que não sabia, apenas desconfiava. Hoje já sei mais umas coisas, mas sobre as quais infelizmente não posso falar. E olhe que não, nem tudo é imprevisibilidade, sobretudo se o que está em causa é ter testado estruturas metálicas e a resistência das mesmas a ventos de 120km/h....

De Zé da Fisga a 10.02.2014 às 21:12

Caro António: O mundo do futebol é diferente.
Lembra-se da história da pala de Alvalade? Daqueles mortos na final das champions? De outros que chegam todos os dias por desabamento de bancadas?
Quem não quiser que não vá lá, ou que pensem que as maiores e mais seguras estruturas desabam à força dos elementos.
Não deviam ter ido, como amanhã em idênticas condiçoers não deverão ir. Nem à Luz nem a nenhum espaço desportivo.

De Teresa a 09.02.2014 às 23:31

Einstein dizia ou se não disse podia ter dito que assentava numa luva nesse enorme mistério que é a condição humana: "'Two things are infinite: the universe and human stupidity; and I'm not sure about the universe.'"

Ou seja no Universo tudo pode, é, imprevisível, já na humanidade há um dado assente e alguém que sai de sua casa num dia de elevado risco como o de hoje - e não estou a falar daqueles meninos que começaram ao sopapo às forças de segurança com o "de aqui não arredo pé" de deixar o Jorge Jesus orgulhoso - não há outra palavra para o definir - estupidez! Do mais elevado nível.

Os que demoraram minutos a decidir o que fazer com a maralha de ditos são apenas cobardes que deram todas as razões e mais algumas a quem de direito a repensar esse grande evento que tamanho orgulho e prazer nos daria ter lugar em Lisboa, no Estádio da Luz! É que se com meia dúzia de tugas que nem à mãe telefonaram para perguntar se tinha entrado água em casa foi o que se viu, se levam com uma organização de arruaceiros comme-il-faut...

De bolaseletras a 10.02.2014 às 17:28

Sabes o engraçado disto, Teresa? São os imensos elogios às entidades que decidiram a tempo não se fazer o jogo e mandar a malta sair. Quando a protecção cicil dizia para não se sair de casa depois das 18h e havia um estádio cheio...e pronto, já ninguém quer saber se é normal aquelas estruturas tetem caído, por uma vez um grupo de portugueses inventou uma tragédia, mesmo que tenha havido muita sorte à mistura...porca miséria.

De Teresa a 10.02.2014 às 20:52

Gostei do título dos pasquins "Evitou-se uma tragédia" ... eu, por acaso, até estava (estou) com uma fézinha neste jogo . Pode muito bem ter sido só adiada outra...

Como sempre o "nosso" SAPO ao seu mais alto nível nos destaques do Twitter - olha este: ""O futebol moderno é cada vez mais complexo: agora não só tenho q explicar a lei do fora-de-jogo como explicar o que é lã de vidro."" DIVINAL! ahahahah

De resto a nossa CS desportiva o mesmo nojo de sempre a dizer o FCP só no final do jogo começou a ganhar - desde quando um golo - o 1º - aos 42 minutos é o final do jogo?

Num campeonato desinspirado como este e uma comunicação social como esta faz-nos desistir do desporto Rei

Comentar post





mais sobre mim

foto do autor




Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

pesquisar

Pesquisar no Blog