Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


O cemitério de folhas

Quinta-feira, 05.09.19

 

memorias.jpg

Olhava as letras como quem lê, mas sofria de uma profunda incapacidade de beber o prazer da leitura, da arte, dessa imitação da vida, da própria vida. Recordava outras leituras, vivas, partilhadas, orgias de palavras que inevitavelmente se diluíam na fogueira dos corpos. Entendia as memórias como a parte morta, doce ou amarga, da vida que os dias e os anos lhe tinham devorado. Sopravam-lhe que era possível viver de memórias, seguir em frente e sorrir com o terno abraço de quem já não o tocava, que era suficiente sobreviver gloriosamente com a lembrança daquele beijo. Ele abanava furiosamente a cabeça, recusava-se a viver na imobilidade, na triste dança das folhas mortas. As memórias já só lhe faziam sentido como um atalho para o caminho a percorrer. Rejeitava deixá-las morrer, melhor, insistia em impedi-las de viver. Enfrentava as memórias como D. Quixote desafiava os moinhos, louca e convictamente, tudo fazendo para as reviver, para que ganhassem nova vida, o seu desígnio era ressuscitá-las do cemitério de folhas.

Ela olhou para ele e sorriu. Sempre o mesmo adolescente borbulhento, sempre o mesmo tolo. E, ainda assim, por mais que o negasse, não conseguia deixar de o amar, mesmo que os seus conceitos de amor fossem, supostamente, distintos.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 16:56

Amor à primeira vista

Terça-feira, 03.09.19

 

moan.jpg

Há aqueles dias, semanas, meses, em que um tipo deixa de ter algo interessante para dizer. Está-se tão embrenhado na vida que só se executa, anda para a frente, fecha dossiers, desenrola projectos, acorda putos, deita putos, monta móvel do Ikea, enche a bagageira até ao limite, despeja as malas para o velho casulo, lava a loiça, seca a loiça, zapping, mais zapping, a merda do Sporting que caminha em círculos infinitos de incompetência e imaturidade, a política nacional nas mãos do mestre da táctica, a política lá fora nas mãos de loucos furiosos ou de ursinhos fofinhos, o diabo a sete. Um gajo vai a ver e o que interessa é mesmo isto. A primeira vez que os lábios se encontram...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 12:25

O Verão é...

Quinta-feira, 18.07.19

 

...sangria estupidamente gelada, vestidos às bolinhas, decotes esfusiantes ofuscados por gelado ardente de um só sabor, o inigualável lábios em calda de pecado mortal...

 

5.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:10

Xeque-mate

Quarta-feira, 30.01.19

58036b5d-ce24-48dd-95ca-11251af716e7.jpg

Sabia que a melhor defesa era o ataque. Não porque seguisse as tácticas estéreis dos livros da moda mas, simplesmente, porque a vida lhe ensinara essa crua lição. Esperar pacientemente era mais da sua natureza, mas os resultados que obtivera refugiada nessa confortável passividade revelavam à saciedade que o conforto não era sinónimo de sucesso. Fora quando avançara a dama e as torres sem medos, enfrentando o rei e seus bispos de peito aberto, que conquistara terreno, que ganhara o respeito e a admiração das suas presas. Ao invés, quando caminhara passo a passo, lenta e cautelosamente, com os seus tímidos e inofensivos peões, apenas obtivera um sorriso sarcástico do rei e suas tropas, prontas para a espezinhar. A conquista implicava risco e era o risco que a mantinha viva. O receio era o rastilho para uma derrota humilhante.

 

No último lance, no xeque final, olhou o rei nos olhos e ele cedeu-lhe a sua casa, o destino desejado, a derradeira entrega, o momento em que a vitória de um significava a vitória do outro e em que os medos, a ambição, e a vitória se fundiam e esfumavam no calor daquela entrega.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:30

Da série "O olhar do amor" - Arco íris de areia e sal

Quarta-feira, 28.11.18

 

praia2.jpg

 

O olhar do amor é quente como o sol que banha o mar, sabe a sal e a lágrimas de felicidade e de dor este amor que turva o que os olhos alcançam, que tudo torna cristalino sem nada deixar ver. O olhar do amor é de sexo adocicado e de ternura cor de mel, abraçado por nuances de tesão desenfreada e enjoativos xi-corações. O olhar do amor é da cor de um arco-íris a preto e branco.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 12:06

Histórias da carochinha

Segunda-feira, 08.10.18

stories2.jpg

 

Há quem grite ao vento e à pessoa amada que é um livro aberto, que o seu passado é nítido como as águas do rio que corre cristalino e sem percalços, como se quisesse convencer-se a si e ao mundo que a vida não é uma vaga descontrolada que continuamente se estilhaça e reconstrói contra as rochas afiadas que ladeiam o ribeiro tortuoso que é o caminho que todos percorremos. Gente perfeita com passados e presentes impolutos são sonhos de gente que não sabe o que é ser gente, como se os milhares de corpos que se cruzam e fugazmente se olham nas alamedas caóticas da cidade fossem carapaças de aço de robots imunes ao erro, à inveja e à paixão. Somos todos potenciais serial killers, Casanovas ou candidatos a vigários, somos o exemplo humano da fidelidade canina ou intrépidos traidores que não resistem ao cheiro da carne fresca. Somos Yin e Yang, força e fraqueza, passividade mórbida e energia destruidora, somos tudo e nada somos, mas todos temos histórias só nossas, pecados inconfessados e sonhos proibidos. O resto são histórias.

 

stories.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:44

Calma - não dar o corpo pela alma

Segunda-feira, 24.09.18

  

Calma, não dar o corpo pela alma.jpg

 

calma.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:51

Do corpo e do espírito

Terça-feira, 11.09.18

 

books.png

 

Um bom amigo, mais dado aos prazeres dos sentidos do que aos do espírito, pediu-me um dia, a meio de uma batalha de imperiais, para que na sua lápide ficasse escrito o seguinte epitáfio: “Foram mais as que quis dar do que as que dei”. Quando me ri do seu pedido, ele irou-se e fez-me prometer, sobre a espuma derramada de uma mesa cheia de imperiais, que cumpriria o seu último desejo. Ainda hoje não sei o porquê dessa estranha vontade. Talvez rir-se na cara do mundo, talvez uma amargura animalesca que lhe feria a alma e que necessitava de expurgar, talvez um aviso para o mundo, para a felicidade futura dos seus entes queridos que o visitariam no aniversário da sua morte.

 

Eu, que não desprezando os deleites do corpo me apego bastante aos prazeres do espírito, deixaria inscrito na minha lápide: “Foram mais os que quis ler do que os que li”. Com pena minha, será essa uma das tristezas que legarei a esta vida. Leiam isto e pensem nisso. E leiam.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 15:13

Femme fatale

Sexta-feira, 07.09.18

 

black.jpg

 

Foi no momento em que ela lhe virou as costas, naqueles breves segundos em que pairou a ameaça sentida como a mais aguçada faca no peito, foi nesse preciso instante em que todo o seu poder - que ela tão bem conhecia e exercia – se abateu sobre ele, soterrando-o nos seus medos e ridículas inseguranças, foi só nessa fracção de dor e de fátua esperança que tomou consciência de que nunca a perderia. Simplesmente, ela nunca foi dele. Uma mulher fatal não é de ninguém, o que nos é permitido mais não é que um bocejo distraído da dona do seu destino.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 16:48

Só eles sabem

Quarta-feira, 22.08.18

 

Miranda Kerr.jpg

 

- Sei que tu sabes que esse vestido os vai deixar loucos. Sei que não o vestes para lhes estimular a salivação, mas sabes que vai ter esse efeito. Em suma, não querendo nada com esse enlouquecimento, dá-te algum prazer saber o efeito que provocas neles.

- Dá-me prazer sentir-me bonita, confiante e uma mulher poderosa. O efeito que causa nos outros fica com cada um.

- E gosto que te sintas assim e sintas prazer com isso, minha querida. Ver-te feliz faz-me feliz. O efeito que isso causa nos outros e os eventuais efeitos boomerang que possam depois repercutir-se em ti, é lá com eles e contigo, e eu não tenho outro remédio senão saber lidar com isso.

- Não te dá prazer saber que tens esta mulher e este corpo tão desejados por esses lobos sequiosos de carne?

- Não o nego, mas também não escondo o ciúme que me persegue nas horas, dias e noites em que não estás comigo.

- E não te excita, saber que excito outros quando não estou contigo?

- Só quando te tenho nos braços e me lembro disso.

- Tens bom remédio, então.

- Sim, hoje. Hoje vou lembrar-te bem do quanto excitaste outros homens quando não estavas comigo.

- Sim…sei que mereço ser castigada...como só tu sabes.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:12





mais sobre mim

foto do autor


subscrever feeds



Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

pesquisar

Pesquisar no Blog