Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]


Sentemo-nos e falemos de nós

Sexta-feira, 11.05.18

 

fire.jpg

 

Creio que olhares e mentes mais atentas já terão reparado que este blog tem-se afastado, cada vez mais, dos assuntos do dia a dia da nação, das alegrias e euforias (ah, o turismo, ah a Eurovisão, que excitação, que orgulho) e das misérias profundas de um país que tarda em sentar-se numa qualquer cadeira que o obrigue a parar, a olhar para si mesmo, com vontade real de se conhecer, de colocar o dedo bem fundo na podridão das suas feridas tumorosas e, quem sabe, talvez um dia, começar esse longo e doloroso processo de quimioterapia grupal que, como em tudo, começa em cada um de nós para podermos aspirar a um tratamento da sociedade em si mesma. São muitos os nossos males? Minhas queridas amigas, meus caros amigos, falamos de um país onde cada vez que levantamos uma pedra descobrimos um bastião do nosso tecido económico ou empresarial corruptor, um representante da nação corrompido (isto, mesmo com uma comunicação social grandemente controlada ou amordaçada pelos poderes fácticos), um país que revela, ano após ano, uma incapacidade revoltante de proteger a sua alma, a matéria de que é feito, a sua terra, as suas árvores, as suas florestas e aqueles que habitam no seu interior. Um país que ama o futebol e que o entregou a salafrários, a medíocres que apenas buscam promoção ou protecção sob a enorme cúpula branqueadora dessa paixão. Falamos de um país que empurra para fora os seus melhores, para países que não amam como o seu, o nosso, por falta de organização, de visão, de vontade de fazer melhor e propiciar o melhor aos melhores para assim chegar mais longe. Falamos de um país à espera do verdadeiro 25 de abril, aquele que lhe trará a verdadeira liberdade: a liberdade de criar e crescer sem grilhetas, sem barreiras burocráticas, sem o peso asfixiante de impostos que alimentam um monstro que já só come porque nada mais sabe fazer. Falamos de um país maravilhoso – porque raio não conseguimos estar à altura dele? Vejam lá isso, minha gente.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:36

Um mundo belo nas mãos de gente estranha

Sexta-feira, 27.04.18

 

Vivemos num mundo estranhamente belo. As flores sobrevivem ao caos em forma de betão, a arte humana assume as mais estrambólicas formas. Não conseguimos apreciar a quietude dos prados, beber a água fresca do rio que corre imperturbável. Por isso transformamos tudo o que nos rodeia. Para que o silêncio não nos perturbe.

  

flores.jpg

 

pissart.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:45

86-60-86

Quarta-feira, 11.04.18

 

marilyn.jpg

Uma amiga linda e felizmente afastada das medidas supostamente perfeitas publicou esta foto por território facebookiano, acompanhada do bem lusitano “Pimbas! Vai buscar!”. Outro amigo, mais dado a outras artes circenses comentou “Pois claro. Cheirava bem? Isso nunca ninguém diz!”. Há momentos em que se pode amar o facebook.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 15:15

Roma

Quarta-feira, 04.04.18

1.jpg

 

Roma, museu a céu aberto, teatro das memórias da civilização, é um paraíso nas mãos de humanos enlouquecidos, essa espécie a quem chamam de turistas. Os romanos, como os parisienses, tresandam arrogância pelo facto de se julgarem superiores por viverem numa das mais belas cidades do mundo. Estão fartos de turistas, desprezam-nos, e não vêm necessidade de os tratar bem para os atrair, pois por um desistente na fila logo a seguir virão milhares de ansiosos candidatos. É de facto triste que os romanos olhem para os visitantes como meras fontes de receita. As indicações para auxílio ao turista são inexistentes (bendita Internet), alguns restaurantes aplicam sem prévio aviso taxas de serviço à vontade do patrão, outros taxistas pretendem cobrar 50 euros de viagem até ao aeroporto quando na porta do táxi têm escrita a tarifa fixa de 30 euros.

  

2.jpg

 

Esquecidas as tristezas (r)humanas e o constante enxame de gente em qualquer recanto da cidade, ficam as memórias, as fotografias, a alegria da descoberta de um mundo novo pelos filhotes. Nas imagens que aqui deixo para a posteridade, fica o impactante coliseu, na sua eternidade que perdura há quase 1950 anos, destacando como imagem a guardar um jogo de voleibol disputado às suas portas, em que rapazes de Bogotá (?), talvez de Quito (?) disputavam o jogo mais importante das suas vidas. Sangue, suor, insultos, ameaças, a sede de ganhar em todo o seu esplendor, talvez a sua vingança por não conseguirem vencer na terra mãe e terem que viver à sombra do monstro civilizacional.

 

3.jpg

 

O Vaticano, claro, e as gaivotas que nos fixam imóveis, confiantes de que o espírito santo vive em todos nós, como se a maldade nunca nos tivesse tocado. O Vaticano, tanto brilho, tanto ouro, tanto mármore, tanta perfeição, mas a imagem que fica é o contraste das cadeiras velhas e empilhadas que serviram para a glorificação do Papa pelo povo, o povo temente, adorador e mal sentado. Quantos milhares de crianças poderiam ter sobrevivido à fome se os pães tivessem sido transformados em mais pães e não em mais ouro?

  

4.jpg

   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 12:37

O assobio

Quinta-feira, 29.03.18

 

  

Berlim, 1957.jpg

Berlim, 1957, por René Burri

 

Pouco mais que sombras pouco menos que gente

seres que levitam na escassez de peso e de existência

batimentos inertes em dúvidas

submersas na certeza da sua trémula opacidade.

 

O assobio que se escuta nas escadas cinzento metálico

não é o de uma alegria quente

expectável

de quem está vivo

de quem tem a possibilidade de amar

é apenas o vento frio que confronta as brechas envelhecidas

do ferro e das gentes

na esperança vã de que alguém recorde como é assobiar.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 09:51

O trigo, o joio e um bom punhado de grãos de café

Sexta-feira, 23.03.18

 

qd precisamos de um café duplo.jpg

 

Há dias assim. O cansaço acumula-se, a energia soçobra perante a montanha de tarefas inacabadas, envoltas na desconfiança de que andamos a fazer muitas coisinhas mas nada de realmente importante. Não conseguimos separar o trigo do joio porque não nos damos, não nos dão, ou não fica bem tirar algum tempo para nos focarmos nas prioridades, no que vai ter impacto, no que tem potencial para mudar algo para melhor. Saia um café duplo!

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 10:24

Lake, Veronika Lake

Quarta-feira, 07.03.18

  

veronika lake.jpg

 

"Hollywood gives a young girl the aura of one giant, self-contained orgy farm, its inhabitants dedicated to crawling into every pair of pants they can find"

 

Em 1971 a diva Veronika Lake descrevia assim o clima que pairava sobre Hollywood. Depreendemos que por detrás da cortina destas palavras o assédio sexual fosse parte integrante dessa quinta orgiástica que Veronica descreve. Seria assim com o assédio sexual no mundo das artes, seria assim certamente com o fenómeno do bullying nas escolas. Há 30 anos atrás, era eu um jovem pré-adolescente, já o bullying existia nas escolas, nos grupos de miúdos que então brincavam à solta nas ruas dos Olivais, em todo o lado. Arrisco-me a dizer que esse triste mas real fenómeno era até mais intenso e gravoso do que nos dias de hoje, onde a propagação de imagens, histórias, notícias e afins tornam tudo bem mais próximo e grave. Quanto ao assédio sexual no cinema, na moda e em muitas outras profissões, não duvido que existisse igualmente, provavelmente em maior escala do que nos dias de hoje, em que os mecanismos de controlo e censura social estão bem mais aguçados, como se percebe dos recentes acontecimentos de denúncia e condenação social e penal dos prevaricadores. O que se passa, novamente, é que uma denúncia tem hoje um alcance global, através dos media e sobretudo das sufocantes e bigbrotherianas redes sociais. Não quero com isto menorizar a gravidade do bullying ou do assédio sexual (um só caso seria já demasiado gravoso para se calar), mas sim dizer que já antes existiam, embora muitas vezes ocultos sob o manto de um mundo menos global e aberto. Estes comportamentos desviantes devem ser combatidos, penalizados e primeiro que tudo prevenidos, aproveitando todos os mecanismos modernos e civilizacionais que o passar dos anos nos deram. Aprendamos com os erros do passado, utilizemos as ferramentas do presente, mas não façamos disto uma chinfrineira histriónica, como se o mundo de hoje fosse muito mais perigoso, obrigando-nos a trancar os filhos em redomas de cristal onde nem do sexo dos anjos se fala. Vejam lá isso.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 11:15

Irmão, para onde vais tu?

Sexta-feira, 26.01.18

 

Carnaval de Salvador, Bahia by Pierre Verger, Bras

 

A família não se escolhe, clama o povo na sua infinita e inabalável sabedoria. Terá sido o acaso, o destino, a maldita ou bendita providência, dependendo das épocas e da ponta do Atlântico de onde se olhe, que fizeram de Portugal e Brasil países irmãos. Olhando para os últimos anos de voltas e reviravoltas da democracia e politiquices por terras de Vera Cruz, creio que pouco mais se poderá esperar do que o crescimento das desigualdades sociais, do crime, da corrupção endémica e, muito provavelmente, de um banho de sangue pelos ódios e guerrilhas de baixa política a que temos vindo a assistir. A preocupação dos políticos brasileiros tem incidido em tudo menos no que deveria exactamente ser feito para combater as chagas culturais e civilizacionais entranhadas no tecido social e político desse país tão maltratado pelos seus.

Podendo parecer piadinha de mau gosto, defendo que um dos maiores problemas do Brasil é o excesso de sol, de boa vida, de sorrisos empanturrados em “geladinhas” e águas de coco, tão bem condensados nessas semanas de dolce fare niente e muito samba que o Carnaval oferece ao seu povo folião. Quando em 1950 Pierre Verger, por terras de Salvador da Bahia, fotografou a cena que ilustra este post, descerrou a placa que resumiu o Brasil em poucas palavras: o pecado escondido por trás da máscara, a inocência malandra e pronta para passar para lá da fronteira que a separa dessa tentadora linha que conduz ao outro lado da máscara.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 14:55

A nova arte

Terça-feira, 23.01.18

 

Aleppo, Syria, 2014.jpg

 

Dizia-me no outro dia um amigo, acerca de uma desgraça qualquer, de mais uma qualquer guerra, ou chacina, ou perseguição religiosa, que o ser humano se adapta a tudo. Hoje deparei-me com estas duas fotografias de Hosam Katan, fotojornalista nascido em 1994, em Alleppo, e pensei que nenhuma criança, nenhum ser humano deveria ter que se adaptar a brincar nos escombros do seu passado, nas ruínas da sua vida, ninguém deveria ser obrigado a sobreviver, muito menos com um sorriso nos lábios (porque teve que se adaptar à sua nova realidade, lá está) por entre o sangue dos seus. As fotografias foram tiradas em 2014 na terra mãe de Hosam e não duvido que ele não tenha tido alternativa que não fosse adaptar-se, a ferro e fogo, à sua nova realidade: transformar em arte a vida de merda que alguns homens e dirigentes políticos instituíram como a nova arte de um mundo moderno.

 

Allepo, Syria, 2015.jpg

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 16:27

O pesadelo americano

Sexta-feira, 05.01.18

 

Trump.jpg

 

Para lá de todos os sonhos, projetos, projeções e promessas para 2018, creio que o que realmente poderia contribuir para um mundo melhor seria o desaparecimento da face da terra de Donald Trump. Esse sumiço deveria ter ainda a capacidade de apagar da memória de todos nós as ideias retrógadas, fascistas, racistas e lesa humanidade que ele propagou e com que contaminou tantas mentes. Trump não é mau só para o mundo outside America, Trump é um quisto no coração da velha América que, no meio de tantos defeitos, tinha também muitas qualidades. O trabalho parta correr com Trump deveria por isso começar no seio daqueles que o elegeram, acreditando eu que a grande maioria dessa populaça cega tenha já aberto os olhos. Vejam lá isso, guys!

 

“El sueño americano se está convirtiendo rápidamente en el espejismo americano”

Estados Unidos, uno de los países más ricos del mundo y la “tierra de la oportunidad”, se está convirtiendo en el campeón de la desigualdad. Esta es la frase con la que comienza el comunicado del pasado 15 de diciembre de Phillip Alston, el relator especial de Naciones Unidas para la extrema pobreza. Alston acabó en Skid Row, Los Ángeles, un viaje de dos semanas por California, Alabama, Georgia, West Virginia, Washington DC y Puerto Rico para observar el estado de la pobreza en el país más rico del mundo. Su conclusión es que “el sueño americano se está convirtiendo rápidamente en el espejismo americano”.

El relator cita las cifras del censo, según las cuales 40 millones de estadounidenses viven en la pobreza y de ellos 18,5 millones en extrema pobreza. Alston se mete en política y pasa a continuación a criticar los posibles efectos de la reforma fiscal de Donald Trump sobre los más pobres. Dice que el plan “va a desgarrar partes cruciales de una red de seguridad que ya estaba llena de agujeros”.

En el problema de los sin techo, en concreto, Alston considera que las cifras oficiales son inferiores a las reales. El relator critica la “criminalización” de la pobreza por los arrestos por delitos menores de personas que viven en la calle. Alston publicó una versión preliminar de su informe hace una semana. La versión definitiva se publicará en abril.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado por bolaseletras às 17:23





mais sobre mim

foto do autor




Flag counter (desde 15-06-2010)

free counters



links

Best of the best - Imperdíveis

Bola, livres directos & foras de jogo

Favoritos - Segunda vaga

Cool, chique & trendy

Livros, letras & afins

Cinema, fitas & curtas

Radio & Grafonolas

Top disco do Miguelinho

Política, asfixias & liberdades

Justiça & Direito

Media, jornais & pasquins

Fora de portas, estrangeirices & resto do mundo

Mulheres, amor & sexo

Humor, sorrisos & gargalhadas

Tintos, brancos & verdes

Restaurantes, tascas & petiscos

Cartoons, BD e artes várias

Fotografia & olhares

Pais & Filhos


arquivos

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D

pesquisar

Pesquisar no Blog